Perfil Sociodemográfico e Epidemiológico de Novos Casos de Hanseníase no Município de Almenara - MG / Sociodemographic and Epidemiological Profile of new Leprosy Cases in Almenara – MG

Bruna Gil Lacerda Araújo, Daniela Pereira Costa Brito, Viviane Amaral Toledo Coelho, Ednardo de Souza Nascimento, Monica Cecília Santana Pereira, Luiza Gobira Lacerda, Carla Giselly de Souza

Resumo


 Conhecida como lepra antigamente, a Hanseníase atualmente apresenta-se como um sério problema de saúde pública no Brasil. Sendo assim, esta pesquisa teve como objetivo caracterizar a descrição do perfil sociodemográfico e epidemiológico dos novos casos de Hanseníase no município de Almenara - MG, considerando-se dados da notificação oficial fornecidos pelo setor de vigilância epidemiológica do município. Trata-se de um estudo teórico embasado em pesquisas bibliográficas já publicadas e analisadas entre os anos de 2002 á 2017 e, concomitantemente com um estudo prático realizado a partir de dados obtidos da cidade de Almenara - MG durante o período de 2014 á 2018. Causada pela bactéria Mycobacterium Leprae, a Hanseníase manifesta-se em através de lesões cutâneas e nos nervos periféricos, e se não diagnosticada e tratada a tempo a doença pode desenvolver deformidades e gerar em meios sociais, preconceitos e estigmas sobre o indivíduo enfermo. Com o estudo prático pode-se constatar que a classificação operacional multibacilar foi a mais prevalente, apresentando uma maior predominância de casos em pessoas do sexo masculino e com baixa escolaridade. Foram evidenciados também novos casos em pessoas de idades variantes de 0-15 anos, que é o fator mais preocupante para os Órgãos Públicos.


Palavras-chave


Hanseníase. Epidemiologia. Tratamento Farmacológico. Diagnóstico

Texto completo:

PDF

Referências


Brasil, Ministério Da Saúde. Guia para o controle da Hanseníase. 3°ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2002.

Nunes JM; Oliveira EN; Vieira NFC. Hanseníase: conhecimentos e mudanças na vida das pessoas acometidas. Ciência e Saúde Coletiva 2011; 16 (1): 1311-1318.

Abreu MAMM; Lastória JC. Hanseníase: diagnóstico e tratamento. Dermatologia 2012; 17 (4): 173-179.

Brasil, Ministério da Saúde. Baciloscopia em Hanseníase. 1° Ed. Brasília: Ministério da Saúde; 2010.

Alves RS et al. Análise do perfil epidemiológico da Hanseníase. Revista de Enfermagem 2017; 11(9): 3632-3641.

Amaral EP et al. Estimativa da prevalência oculta da Hanseníase na microrregião de Diamantina - Minas Gerais. Revista Eletrônica de Enfermagem. 2014; 16 (4): 728-735.

Lana FCF; Lanza F. Acesso as ações de controle da Hanseníase na atenção primária à saúde em uma microrregião endêmica de Minas Gerais. Revista APS 2011; 14 (3): 343-353.

Amaral EP; Lana FCF. Análise espacial da Hanseníase na microrregião de Almenara, MG, Brasil. Revista Brasileira de Enfermagem 2008; 61: 701-707.

Magalhães MCC; Rojas LI. Diferenciação territorial da Hanseníase no Brasil. Epidemiologia e Serviços de Saúde 2007; 16 (2): 75-84.

Almeida MG; Barbosa DRM; Santos AG. Características epidemiológicas e espaciais da Hanseníase no Estado do Maranhão, Brasil, 2001-2012. Medicina 2014; 47 (4): 347-356.

Lana FCF et al. Detecção da Hanseníase e Índice de Desenvolvimento Humano dos municípios de Minas Gerais, Brasil. Revista Eletrônica de Enfermagem 2009; 11(3): 539-544.

Araújo DAL et al. Epidemiologia da Hanseníase em um Estado do Nordeste Brasileiro. Revista de Enfermagem 2014; 8 (8): 2686-2693.

Cortez DN et al. Perfil epidemiológico da Hanseníase em um município de Divinópolis, Minas Gerais. Revista de Enfermagem da UFSM 2012; 2 (2): 365-374.

Miranzi SSC; Nunes A.A; Pereira LHM. Perfil epidemiológico da Hanseníase em um município brasileiro no período de 2000 a 2006. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical 2010; 43 (1): 62-67.

Calábria LK; Faria L. Aspectos históricos e epidemiológicos da Hanseníase em Minas Gerais. Revista de Medicina e Saúde de Brasília 2017; 6 (3): 406-424.

Amaral EP et al. Detecção da Hanseníase no Vale do Jequitinhonha – Minas Gerais: redução da tendência epidemiológica ou problemas operacionais para o diagnóstico?. Hansenologia Internationalis 2004; 29 (2): 118-123.




DOI: https://doi.org/10.14295/idonline.v13i47.2028

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A Id on Line (ISSN: 1981-1179) é indexada nas seguintes bases de dados: