A ASSOCIAÇÃO ENTRE O ATEZOLIZUMAB E O NAB-PACLITAXEL NO TRATAMENTO DO CÂNCER DE MAMA

Nayara Landim Cruz, Giselle Quesado Castro, Thamyse Macêdo Parente, Loyze Petronio Leite, Eugênio Paiva Alencar, Fernando Luiz Mamede Marchiori

Resumo


Introdução: A imunoterapia é uma maneira revolucionária de combater o câncer utilizando o próprio sistema imunológico para atacar as células cancerígenas, o que difere dos demais tratamentos como a radioterapia e a quimioterapia que combatem as células tumorais. A imunoterapia para o tratamento de câncer avançado é um método antigo, porém as novas drogas mostram-se mais específicas e com menos efeitos colaterais. Em março de 2019, foi aprovado pela Food and Drug Administration a combinação do quimioterápico nab-paclitaxel com o atezolizumab para o tratamento do câncer de mama triplo-negativo nos Estados Unidos. Essa combinação terapêutica foi aceita pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária, podendo ser assim comercializada no Brasil. O atezolizumab age inibindo a PDL-1, que é produzida pelo câncer para burlar o sistema imunológico, fazendo com que os linfócitos T deixem de encarar a célula cancerígena como algo natural. Objetivo: O presente trabalho objetivou avaliar a evolução da imunoterapia no tratamento de câncer avançado, dentre eles o de mama do tipo triplo-negativo. Metodologia: Trata-se de uma revisão sistemática com base em artigos disponíveis nas bases de dados Scielo e PubMed. Resultados: A partir dos artigos vistos, analisou-se que mais de 900 mulheres com câncer de mama triplo negativo em fase avançada tiveram um aumento em sua sobrevida de 21,3 meses após o uso de atezolizumab em associação com o nab-paclitaxel em detrimento das pacientes que utilizaram o quimioterápico com placebo, que mostraram aumento da sobrevida em apenas  17,6 meses. Além disso, foi constatado a estagnação da metástase. Do ponto de vista dos efeitos colaterais a imunoterapia pode causar reações autoimunes como artrites, colites, reações cutâneas e tireoidites. Essa alternativa de tratamento, portanto, deve ser repensada em pacientes com doenças autoimunes. Conclusão: Embora a imunoterapia seja tida como uma grande evolução da oncologia, ela ainda não havia chegado ao câncer de mama. Eis que a aprovação no Brasil do medicamento atezolizumab quebra esse paradigma trazendo uma opção contra o sub-tipo mais agressivo da doença que é o tumor de mama triplo negativo. A aplicação do atezolizumab em conjunto com o quimioterápico nab-paclitaxe ampliou significativamente a sobrevida das mulheres.

 

 


Palavras-chave


imunoterapia, câncer, tratamento e atezolizumab

Texto completo:

PDF

Referências


ADAMS S, DIAMOND JR, HAMILTON E, POHLMANN PR, TOLANEY SM, CHANG CW, ZHANG W, IIZUKA K, FOSTER PG, MOLINERO L, FUNKE R, POWDERLY J. Atezolizumab Plus nab-Paclitaxel in the Treatment of Metastatic Triple-Negative Breast Cancer With 2-Year Survival Follow-up: A Phase 1b Clinical Trial. JAMA Oncol. 2019 Mar 1;5(3):334-342. doi: 10.1001/jamaoncol.2018.5152.

BASILE D, PELIZZARI G, VITALE MG, LISANTI C, CINAUSERO M, IACONO D, PUGLISI F. (8 de maio de 2018). Atezolizumab for the treatment of breast cancer. Expert Opin Biol Ther. 2018 May;18(5):595-603. doi: 10.1080/14712598.2018.1469619. Epub 2018 May 8.

SALDANHA, Raphael de Freitas et al . Estudo de análise de rede do fluxo de pacientes de câncer de mama no Brasil entre 2014 e 2016. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro , v. 35, n. 7, e00090918, 2019 . Available from http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_ arttext&pid=S0102-311X2019000905001&lng=en&nrm=iso>. access on 07 Sept. 2019. Epub July 22, 2019. http://dx.doi.org/10.1590/0102-311x00090918.

SCHMID P, ADAMS S, RUGO HS, SCHNEEWEISS A, BARRIOS CH, IWATA H, DIÉRAS V, HEGG R, IM SA, SHAW WRIGHT G, HENSCHEL V, MOLINERO L, CHUI SY, FUNKE R, HUSAIN A, WINER EP, LOI S, EMENS LA; Atezolizumab and Nab-Paclitaxel in Advanced Triple-Negative Breast Cancer. N Engl J Med. 2018 Nov 29;379(22):2108-2121. doi: 10.1056/NEJMoa1809615. Epub 2018 Oct 20.




DOI: https://doi.org/10.14295/idonline.v13i46.2006

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A Id on Line (ISSN: 1981-1179) é indexada nas seguintes bases de dados: