REAÇÕES ALÉRGICAS ASSOCIADAS A QUIMIOTERÁPICOS E IMPLICAÇÕES NOS CUIDADOS NECESSÁRIOS A PACIENTES ONCOLÓGICOS IMUNODEPRIMIDOS: NOTAS INTRODUTÓRIAS

Helen Fernanda de Oliveira Sousa, Paula Gabriella de Sousa Araújo, Djailson Ricardo Malheiro

Resumo


Introdução: Apesar dos imensos avanços na evolução do tratamento do câncer a fim de reduzir os efeitos colaterais e toxicológicos das drogas antineoplásicas, o tratamento quimioterápico afeta de forma sistêmica todas as células do corpo humano apresentando baixa especificidade na destruição apenas de células neoplásicas o que pode desencadear uma série de reações alérgicas, as quais, podem ser graves e fatais para os pacientes oncológicos, dentre eles aqueles que se encontram imunodeprimidos devido ao uso de quimioterápicos. Objetivo: tem-se por objetivo enfatizar o conhecimento acerca de que muitos quimioterápicos apresentam caráter alergênicos e que o cuidado tanto durante a aplicação da medicação quanto ao longo de todo o tratamento é imprescindível, principalmente em pacientes imunocomprometidos. Método: A partir de uma revisão de literatura foram analisados artigos científicos em bases de dados como PUBMED, Scielo e google acadêmico utilizando como descritor, principalmente, quimioterapia associada a processos alérgicos, imunossupressão oncológica e efeitos colaterais dos corticoides. Resultados: todas as drogas quimioterápicas assim como qualquer outra medicação podem desencadear reações alérgicas, entretanto algumas drogas apresentam-se mais propensas a desencadear tais reações como sais de platina, taxanos e procarbazina, por exemplo (SILVA, 2015). A maioria das reações de hipersensibilidade apresentam-se clinicamente como urticária, prurido, angioedema, rash cutâneo, broncoespasmo e anafilaxia (SILVA, 2015). Nessa perspectiva, tais reações devem ser combatidas a fim de evita-se o agravamento clinico do paciente. Conclusão: Considera-se importante que os profissionais da saúde devem ter o conhecimento prévio sobre as drogas especificas que apresentam alto risco reacional alérgico, no intuito, de prevenir reações de hipersensibilidade nos pacientes. Sendo assim, o uso de anti-histamínicos e glicocorticoides infundidos antes ou associados a quimioterápicos devem ser empregados como uma alternativa viável, além de tomadas de decisões importantes sobre se aquele quimioterápico deve ser substituído ou descontinuado em prol do bem-estar do paciente, verificando-se o custo-benefício pautado na doença.  Além disso, é necessário cautela ao receitar corticoides a longo prazo ou de forma indiscriminada a pacientes oncológicos principalmente os imunodeprimidos em casos de reações alérgicas, já que tais drogas podem baixar mais ainda a imunidade do paciente. 


 


Palavras-chave


Quimioterapia. Reações alérgicas. Imunodeprimidos

Texto completo:

PDF

Referências


BERTOLAZZI, Luana Gaino et al. Incidência e caracterização de reações adversas imediatas à infusão de quimioterápicos em hospital sentinela. Arquivos de Ciências da Saúde, v. 22, n. 3, p. 84-90, 2015.

BRANDÃO, Igor Ventura; RAMOS, Anne Caroline Santos; SOUZA, Isana Carla Leal. Leucopenia Secundária ao Uso de Glicocorticóides. Semana de Pesquisa da Universidade Tiradentes-SEMPESq, n. 18, 2018.

CAVALER, Aline Warmling Warmling et al. Assistência de enfermagem frente aos efeitos colaterais em pacientes submetidos a quimioterapia. Revista Interdisciplinar de Estudos em Saúde, v. 6, n. 1, p. 200-212, 2017.

COSTA, Ana Carolina Assis et al. Pacientes em uso crônico de prednisona: perfil Clínico e laboratorial. Revista Eletrônica de Farmácia, v. 15, 2018.

ERRANTE, Paolo Ruggero et al. Mecanismo de Ação e Resistência ao Uso de Glicocorticóides. Revista de Pesquisa e Inovação Farmacêutica, v. 6, n. 2, 2015.

FERNANDES, Carolina De Lima et al. PERFIL DOS PACIENTES EM TRATAMENTO QUIMIOTERÁPICO COM CAPECITABINA NO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DE SANTA MARIA/RS. In: 6º Congresso Internacional em Saúde. 2019.

GABRIEL, Gabriela Hadler et al. Quimioterapia, Hormonioterapia e novas alternativas de tratamento do adenocarcinoma mamário. Enciclopédia biosfera, Goiânia, v. 14, n. 26, p. 583, 2017.

GUIMARÃES, Rita de Cássia Ribeiro et al. Ações de enfermagem frente às reações a quimioterápicos em pacientes oncológicos. Revista de Pesquisa Cuidado é Fundamental Online, v. 7, n. 2, p. 2440-2452, 2015.

KAMEO, Simone Yuriko et al. Febrile neutropenia recurrence after chemotherapy in patients with breast cancer/Neutropenia febril de recorrência pós quimioterapia em paciente com câncer de mama/Febril recurrencia neutropenia después de la quimioterapia en pacientes con cáncer.. Revista de Enfermagem da UFPI, v. 4, n. 2, p. 111-8, 2015.

KANDA, Márcia Helena et al. A percepção dos familiares cuidadores sobre o tratamento quimioterápico em crianças e adolescentes. Cogitare Enfermagem, v. 19, n. 1, p. 84-88, 2014.

LIMA, Joana; SOUSA, Marta; ANDRADE, Pedro. Psoríase Inaugural Após Tratamento com Docetaxel. Outubro, 2017.

NUNES, Dejair dos Santos. Reações adversas relacionadas ao uso de corticóides em idosos: revisão de literatura. 2016.

PEREIRA, Paulina Patente et al. Identificação, prevenção e tratamento da síndrome mão-pé induzida por quimioterapia: Uma revisão sistemática. 2019.

RAFAEL, Carla Marisa Magalhães. A enfermagem e as novas tecnologias: IGestSaúde, como promotor da autogestão dos sintomas decorrentes do tratamento de quimioterapia. 2019. Tese de Doutorado.

SCHIAVO, Morgana. Guia para dispensação de quimioterápicos via oral. 2017.

SILVA, Priscila et al. O manejo das reações agudas em quimioterapia. Acta méd.(Porto Alegre), v. 36, p. [6]-[6], 2015.

SOUSA-PINTO, Bernardo; PEREIRA, Ana Margarida; FONSECA, João Almeida. Impacto do diagnóstico de alergia a fármacos. Revista Portuguesa de Imunoalergologia , v. 25, n. 4, p. 249-258, 2017.




DOI: https://doi.org/10.14295/idonline.v13i46.1996

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A Id on Line (ISSN: 1981-1179) é indexada nas seguintes bases de dados: