A MORTALIDADE POR CÂNCER DE PÂNCREAS NA MICRORREGIÃO DO CARIRI

Ana Carla da Silva Mendes, Isabelle Lima Mendes, Laryza Souza Soares, Palloma Rodrigues Vieira Oliveira, Priscila Arrais Rolim Aragão Ximenes, Virgínia Maia Lacerda

Resumo


Introdução: O Câncer de Pâncreas, no Brasil, é responsável por 2% de todos as neoplasias diagnosticadas e por 4% de óbitos causados por neoplasias malignas. 90% dos casos tem como tipo histológico o adenocarcinoma, a maior parte diagnosticada após os 65 anos, O aumento da incidência de CA de pâncreas associa-se ao envelhecimento, exacerbação do consumo de gorduras, obesidade, DMII, sedentarismo, álcool, e, sobretudo, tabaco. O CA de pâncreas, em 90% dos casos, já é descoberto avançado localmente ou com metástases à distância, desse modo, a sobrevida de 5 anos somente ocorre em 8% do casos. Objetivo: Analisar perfil epidemiológico do câncer de pâncreas na Microrregião do cariri, entre os anos de 2008 a 2018. Metodologia: Foi realizada uma pesquisa retrospectiva, descritiva, quantitativa, de caráter exploratório no período de 2008 a 2018, com registros obtidos na base de dados DataSus, comparando os dados referentes a mortalidade de câncer de pâncreas neste período. Como estratégias de pesquisa, foram definidos os seguintes pontos: microrregião IBGE: 23032 Cariri, capítulo do CID-10: II. Neoplasias (tumores), lista de morbidade CID-10: Neoplasia Maligna do Pâncreas; Todas as faixas etárias, do sexo masculino e feminino, no  período: 2008-2018. Resultados: De acordo com os dados do DataSus, de 2008 a 2018, a taxa de mortalidade por câncer de pâncreas na microrregião do cariri foi equivalente a 37. A idade em que houve mais óbitos foi entre 60 a 69 anos, correspondendo a 27,03% do total. No Brasil, durante o período de 2005-2012, a letalidade foi maior em pessoas com 70 anos ou mais, e houve um aumento de mortalidade nas pessoas entre 50-69 anos. No Cariri,  a mortalidade total em homens foi de 18 casos e em mulheres foi de 19 casos. No Canadá, as taxas de mortalidade entre 1992 e 2009 diminuíram em homens e permaneceu estável em mulheres. No Taiwan, taxa de mortalidade aumentou de 0,30 a 0,37 por 100.000 para os menores de 50 e de 3,18 para 3,76 por 100.000 para aqueles com mais de 50, a taxa de mortalidade foi também maior em homens 5 a cada 10000. Conclusão: Embora o estudo seja limitado, em virtude da fonte de dados, DataSus, não abordar tipo histológico do tumor, grau do tumor no diagnóstico, se as pessoas que vieram a óbito tinham sido submetidas a alguma forma de tratamento e quais eram os hábitos de vidas desses indivíduos,  pode-se afirmar que é de suma importância o tratamento e o diagnóstico precoces, bem como, a adesão de hábitos de vida saudáveis. 

 



Palavras-chave


Câncer de Pâncreas; Mortalidade; Epidemiologia

Texto completo:

PDF

Referências


INSTITUTO NACIONAL DO CÂNCER. Câncer de Pâncreas. Brasil, 2018. Disponível em: . Acesso em: 03.08.2019.

JIA, X. et al. Pancreatic Cancer Mortality in China Characteristics and Prediction. Wolters Kluwer Health, Inc. 2018

SEOANE-MATO, D. et al.Long-term trends in pancreatic cancer mortality in Spain (1952–2012). BMC Cancer, 2018.

SOUZA, L.M.P. et al.Pancreatic Cancer Incidence and Lethality Rates in Brazil An Ecological Study. Wolters Kluwer Health, Inc. Volume 46, Number 5, May/June 2017.

TSENG, C.M. et al.Incidence and mortality of pancreatic cancer on a rapid rise in Taiwan, 1999–2012. Cancer Epidemiology, 2017.




DOI: https://doi.org/10.14295/idonline.v13i46.1990

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A Id on Line (ISSN: 1981-1179) é indexada nas seguintes bases de dados: