A Estratégia de Saúde da Família e o diálogo sobre a Intersetorialidade / The Family Health Strategy and the Intersetoriality Dialogue

Antonia Natâniele Gomes Feitosa Ventura, Rayane Moreira de Alencar, Isaac de Sousa Araújo, Woneska Rodrigues Pinheiro

Resumo


Este estudo objetivou verificar o diálogo entre os profissionais da Equipes de Saúde da Família sobre a intersetorialidade. Trata-se de um estudo transversal de cunho qualitativo. A amostra do estudo foi composta por 19 profissionais das ESFs. A coleta de dados foi realizada através de uma entrevista, utilizando roteiro pré-elaborado. Os dados foram transcritos na integra e analisados a partir da técnica de análise do Discurso do Sujeito Coletivo (DSC). Estabeleceu-se 3 categorias a partir dos dados obtidos de Ideias Centrais: Percepção dos profissionais da ESF sobre intersetorialidade; os caminhos da ESF para promoção do trabalho intersetorial; e desafios enfrentados pela ESF para desenvolver as ações intersetoriais. Conclui-se que as concepções dos profissionais da ESF sobre a intersetorialidade não se distanciam dos conceitos adotados pelos literatura vigente. Porém, o diálogo assumido pelos profissionais sobre intersetorialidade apresenta fragilidades em relação a efetiva legitimidade do termo na prática assistencial a saúde.


Palavras-chave


Estratégia de Saúde da Família; Intersetorialidade; Promoção da Saúde.

Texto completo:

PDF

Referências


AGUIAR, Z. N. SUS: Sistema Único de Saúde - antecedentes, percurso, perspectivas e desafios. 2. ed. São Paulo: Martinari, 2015.

ARAGÃO, J. Introdução aos estudos quantitativos utilizados em pesquisas científicas. Revista Práxis. n. 6, p. 59–62, ago. 2011. Disponível em: . Acesso em: 20 mar. 2016.

BRASIL. Ministério da Saúde. Passo a passo PSE: Programa Saúde na Escola: tecendo caminhos da intersetorialidade. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica, Ministério da Educação. Brasília: Ministério da Saúde, 2011.

_________. Ministério da Saúde. Política Nacional de Atenção Básica. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Brasília: Ministério da Saúde, 2012.

CAVALCANTI, P. B. et al. A intersetorialidade enquanto estratégia profissional do serviço social na saúde. Barbaroi. Santa Cruz do Sul, v. 1, n. 39, p. 192-215, dez. 2013. Disponível em: < http://pepsic.bvsalud.org/pdf/barbaroi/n39/n39a09.pdf >. Acesso em: 05 mar. 2016.

FERREIRA, I. R. C. et al. Avaliação da intersetorialidade no Programa Saúde na Escola: utilização da metodologia de avaliação. Curitiba: Editora Champagnat, 2014a.

FERRO, L. F. et al. Interdisciplinaridade e intersetorialidade na Estratégia Saúde da Família e no Núcleo de Apoio à Saúde da Família: potencialidades e desafios. Mundo da Saúde. São Paulo , v. 38, n 2, p.129-138, 2014. Disponível em: . Acesso em: 07 out. 2016.

FIGUEIREDO, M. Z. A.; CHIARI, B. M.; GOULART, B. N. G. Discurso do Sujeito Coletivo: uma breve introdução à ferramenta de pesquisa qualiquantitativa. Distúrbios da Comunicação. São Paulo, v. 25, n. 1, p. 129-136, 2013. Disponível em: . Acesso em: 20 mar. 2016.

GÓES, F. T.; MACHADO, L. R. S. Políticas educativas, intersetorialidade e desenvolvimento local. Educ. Real., [s.l.], v. 38, n. 2, p.627-648, jun. 2013. Disponível em: . Acesso em: 21 abr. 2016.

HEIDEMANN, I. T. S. B.; WOSNY, A. M.; BOEHS, A. E. Promoção da Saúde na Atenção Básica: estudo baseado no método de Paulo Freire. Ciência e Saúde Coletiva. v. 19, n. 8, p.3553-3559, ago. 2014. Disponível em: . Acesso em: 06 mar. 2016.

LEAL, B. M.; ANTONI, C. Os Centros de Atenção Psicossocial (CAPS): estruturação, interdisciplinaridade e intersetorialidade. Aletheia. Canoas, v. 1n. 40, p. 87-101, abr. 2013. Disponível em: . Acesso em: 06 mar. 2016.

LEFÈVRE, F.; LEFÈVRE, A. M. C.; MARQUES, M. C. C. Discurso do sujeito coletivo, complexidade e auto-organização. Ciência e Saúde Coletiva. Rio de Janeiro, v. 14, n. 4, p. 1193-1204, 2009. Disponível em: . Acesso em: 20 mar. 2016.

MAGNAGO, C.; PIERANTONI, C. R. Dificuldades e estratégias de enfrentamento referentes à gestão do trabalho na Estratégia Saúde da Família, na perspectiva dos gestores locais: a experiência dos municípios do Rio de Janeiro (RJ) e Duque de Caxias (RJ). Saúde Debate. Rio de Janeiro, v. 39, n. 104, p. 9-17, JAN-MAR, 2015. Disponível em: . Acesso em: 09 out. 2016.

MINAYO, M. C. S. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 10. ed. São Paulo: Hucitec, 2007. p.192

MORETTI, A. C. et al. Intersetorialidade nas ações de promoção de saúde realizadas pelas equipes de saúde bucal de Curitiba (PR). Ciênc. Saúde Coletiva, [s.l.], v. 15, p.1827-1834, jun. 2010. Disponível em: . Acesso em: 22 abr. 2016.

MOYSÉS, S. T.; SÁ, R. F. Planos locais de promoção da saúde: intersetorialidade(s) construída(s) no território. Ciência e Saúde Coletiva. v. 19, n. 11, p. 4323-4330, nov. 2014. Disponível em: . Acesso em: 06 mar. 2016.

MOYSES S. J; MOYSES S.T.; KREMPEL M, C. Avaliando o processo de construção de políticas públicas de promoção de saúde: a experiência de Curitiba. Ciênc Saúde Coletiva. 9(3):627-41, 2004.

ORNELAS, A. L.; TEIXEIRA, M. G. C. Intersetorialidade ou diálogos setoriais? Reflexões a partir da experiência do Projeto Teias-Escola Manguinhos, Rio de Janeiro. Saúde Debate. v. 39, n. 106, p. 659-670, set. 2015. Disponível em: . Acesso em: 05 mar. 2016.

PAPOULA, S. R. O processo de trabalho intersetorial das Equipes de Saúde da Família no município de Petrópolis-RJ: fatores restritivos e facilitadores. 2006. 186f. Dissertação (Mestrado em Saúde Pública) - Fundação Oswaldo Cruz, Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca, Rio de Janeiro, 2006.

PINTO, B. K.; SOARES, D. C.; CECAGNO, D.I; MUNIZ, R. M. Promoção da saúde e intersetorialidade: um processo em construção. Rev. Min. Enferm.;16(4): 487-493, 2012. Disponível em: http://www.reme.org.br/artigo/detalhes/552. Acesso em: 06 de agosto de 2019.

REZENDE, M.; BAPTISTA, T. W. F.; AMÂNCIO FILHO, A. O legado da construção do sistema de proteção social brasileiro para a intersetorialidade. Trabalho, Educação e Saúde. v. 13, n. 2, p. 301-322, ago. 2015. Disponível em: . Acesso em: 06 mar. 2016.

RICHARDSON, R. J. Pesquisa social: métodos e técnicas. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2014.

ROECKET, S.; BUDÓ, M. L. D.; MARCON, S. S. Trabalho educativo do enfermeiro na Estratégia Saúde da Família: dificuldades e perspectivas de mudanças. Rev Esc Enferm USP. v. 46, n. 3, p. 641-649, 2012. Disponível em: . Acesso em: 09 out. 2016.

SCHUTZ, F.; MIOTO, R. C. T. Intersetorialidade e política social: subsídios para o debate. Sociedade em Debate, Pelotas, v. 16, n. 1, p. 59-75, jan - jun, 2010. Disponível em: . Acesso em: 23 abr. 2016.

SILVA, K. L.; RODRIGUES, A. T. Ações intersetoriais para promoção da saúde na Estratégia Saúde da Família: experiências, desafios e possibilidades. Revista Brasileira de Enfermagem. v. 63, n. 5, p. 762-769, out., 2010. Disponível em: . Acesso em: 05 mar. 2016.




DOI: https://doi.org/10.14295/idonline.v13i47.1957

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A Id on Line (ISSN: 1981-1179) é indexada nas seguintes bases de dados: