A Importância do Tradutor e Intérprete de Libras: Desafios e Inovações / The Importance of the translator and interpreter of Pounds: Challenges and Innovations

Márcia Rejane Oliveira Santos, Joelson Rodrigues Miguel

Resumo


Esta pesquisa tem como objetivo conhecer as contribuições do Tradutor Intérprete de Libras para alunos surdos, vislumbrando ideologias e práticas, nas escolas públicas em três municípios do estado de Sergipe/Brasil: Ribeirópolis, Itabaiana e Campo do Brito. Identificando a trajetória do Intérprete de Libras, descrevendo a prática exercida com foco no processo de formação integral dos discentes surdos; e conhecendo as contribuições do tradutor e intérprete de Libras, nestas instituições. Trata-se de uma investigação de cunho qualitativo, pesquisa básica, bibliográfica, de caráter exploratório. Sendo Sujeitos 06 Professores. O tipo de amostra é não-Probabilística - Intencionais ou de Seleção Racional. O Instrumento de coleta de dados foi entrevista estruturada com aproximadamente 09 (nove) questões. Nas quais se constatam que a deficiência não se encontra nas necessidades educacionais dos alunos que apresentam “diferenças” no modo de aprender, mas, nos profissionais que acreditam que o seu potencial cognitivo é autosufiente, transferindo responsabilidades ao invés de qualificar-se para atender os desafios e adversidades encontrados no ambiente escolar. Portanto, a educação de surdos começa a apresentar resultados na esfera nacional, como o Exame Nacional do Ensino Médio – Enem 2017, que traz provas adaptadas para os surdos, Tradutor e Intérprete de Libras e todo material necessário para que o surdo tenha condições de realizar a prova com êxito. Porém, apesar das conquistas, deve-se perpassar por mobilizações e transformações no modo de acolher, ensinar e incluir. Nesse contexto a pesquisa promove reflexões sobre o trabalho do Tradutor e Intérprete de Libras e todos os profissionais da Educação, mostrando importância e função, a luz das leis relativas à Inclusão e da literatura disponível, enfatizando o direito que o aluno surdo tem, de ter o acompanhamento deste profissional na sala regular, possibilitando através da interlocução a aquisição de conhecimentos relativos à aprendizagem e a vida.

 


 


Palavras-chave


Inclusão escolar. Alunos surdos. Professores. Intérprete de Língua Brasileira de Sinais. Diferenças

Texto completo:

PDF

Referências


ALBRES, Neiva de Aquino. A educação de alunos surdos no Brasil do final da década de 1970 a 2005: análise dos documentos referenciadores. Dissertação de Mestrado. Programa de Pós-graduação em Educação da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul. Campo Grande: UFMS. 2005.

ANGELUCCI, C. B., e LUZ, R. D. Contribuições da escola para a (de) formação dos sujeitos surdos. Psicologia Escolar e Educacional. 14(1), 35-44. 2010.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei nº 9.394. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília. 1996.

______. Decreto n° 5.626 de 22 de Dezembro de 2005. Brasília, 2005. Língua brasileira de sinais – LIBRAS. Brasília, 2005.

______. Lei n° 10.436, de 24 de abril de 2002. Língua brasileira de sinais – LIBRAS. Brasília, 2002.

CAMPELLO, A. R., PERLÍN, G., STROBEL, K., STUMPF, M., REZENDE, P., MARQUE, S. R., MIRANDA, W. (2012). Carta aberta ao ministro da educação elaborada pelos sete primeiros doutores surdos brasileiros, que atuam nas áreas de educação e linguística. 2012.

DAMÁZIO, Milene Ferreira Macedo. Atendimento Educacional Especializado: Pessoa com Surdez. Brasília: MEC, 2007.

GÓES, Maria Cecília Rafael. Linguagem, surdez e educação. 3. Ed. Campinas. SP. Autores Associados. 2002.

LUCKESI, Cipriano Carlos. Avaliação da aprendizagem escolar: estudos e proposições. Ed. Cortez; São Paulo, 2005.

MARTINS, Vanessa Regina de Oliveira. Educação de Surdos no Paradoxo da Inclusão com Intérprete de Língua de Sinais: Relações de poder e (re) criações do sujeito. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2008.

MASUTTI. Mara L. Tradução cultural: descontruções logofonocêntricas em zonas de contato entre surdos e ouvintes. Tese de Doutorado: Universidade Federal de Santa Catarina, 2007.

OLIVEIRA, Fabiana B. Desafios na inclusão dos surdos e o intérprete de Libras. Diálogos e Saberes. Mandaguari. v. 8, n. 2012.

PIRES e NOBRE. C. L. e M. A. Uma investigação sobre o processo de interpretação em Língua de Sinais. In: Invenção da Surdez I, Thomaz Lopes. Santa Cruz do Sul: EDUNISC, 2004.

SÁ, Nídia Limeira de. Cultura, poder e educação de surdos. Manaus: Editora da Universidade Federal do Amazonas, 2009.

SKLIAR, Carlos. A surdez: um olhar sobre as diferenças. 8ª ed. Porto Alegre. Mediação. 2016.

______. (org.) A Surdez: um olhar sobre as diferenças. 5º ed. Porto Alegre: Mediação, 2011.

______. A atualidade da Educação Bilíngue para surdos. 6ª ed. Porto Alegre. Mediação, 2016.

WRIGLEY, Owen. The politics of deafness. Washington. Gallaudet Universty Press. 1996.




DOI: https://doi.org/10.14295/idonline.v13i46.1881

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A Id on Line (ISSN: 1981-1179) é indexada nas seguintes bases de dados: