Sofro, logo me Medico: A Medicalização da Vida como Enfrentamento do Mal-Estar / I Suffer, therefore, i use Self-Medication: The Medicalization of Life as a Coping with Malaise

Amanda Corrêa Rocha, Nathália da Silva Barrios, Paulo Daniel da Silva Rolim, Marcele Pereira da Rosa Zucolotto

Resumo


A sociedade contemporânea marcada pelo discurso de consumo e medicalização produz modos de subjetividades individualizantes. Elabora estratégias de saídas para o mal-estar que negam a subjetividade e sustentam seu modo de produção. Nesse sentido, o trabalho objetiva compreender como se dão os modos de subjetivação e a relação com o mal-estar e a medicalização da vida. A metodologia utilizada para esse artigo foi a pesquisa bibliográfica de caráter qualitativa. Como resultados, evidenciou-se que, devido a ascensão do discurso médico e o crescimento da indústria farmacêutica, os indivíduos passaram a buscar na medicalização uma solução rápida para seu sofrimento. Essa alternativa, entretanto, gerou enormes prejuízos para a vida das pessoas, bem como a negação do sofrimento e o uso desregulado de fármacos. Concluiu-se que a medicalização da vida como forma de (não)lidar com esse mal-estar é uma estratégia que deve ser repensada, visto que o sofrimento é algo inerente à vida humana. 


Palavras-chave


Medicalização da vida. Mal-estar. Subjetividade.

Texto completo:

PDF

Referências


ALBUQUERQUE, K. M. Sofrimento psíquico e mal-estar na contemporaneidade. Cientefico, Fortaleza, v. 15, n. 30, pp. 79-95, jan/jun, 2015.

BAUMAN, Z. Modernidade líquida. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1999.

BAUMAN, Z. O mal-estar da pós modernidade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1998.

BIRMAN, J. O Sujeito na contemporaneidade: espaço, dor e desalento na atualidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2012.

BRASIL, Ministério da Saúde. Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Departamento de Assistência Farmacêutica e Insumos Estratégicos. Uso de Medicamentos e Medicalização da Vida: recomendações e estratégias. [recurso eletrônico] – Brasília: Ministério da Saúde, 2018. Disponível em: . Acesso em: 26/05/2019.

DALLMANN, J. M. A. O mal-estar que sinto: a medicalização do sofrimento em camadas populares. 2013. 94 f. Trabalho de Conclusão de Curso - Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, 2013.

DANTAS, J. B. Tecnificação da vida: uma discussão sobre o discurso da medicalização da sociedade. Fractal, Rev. Psicol., Rio de Janeiro, v. 21, n. 3, p. 563-580, Dec. 2009.

DELEUZE, G. Conversações. Rio de Janeiro: Editora 34, 2000.

DELEUZE, G; GUATTARI, F. Introdução: Rizoma. In: DELEUZE, G; GUATTARI, F. Mil platôs. Capitalismo e esquizofrenia. Vol 1. Rio de Janeiro: Ed. 34, 1995. pp. 11-37.

IGNÁCIO, V. T. G.; NARDI, H. C. A medicalização como estratégia biopolítica: um estudo sobre o consumo de psicofármacos no contexto de um pequeno município do Rio Grande do Sul. Psicol. Soc., Porto Alegre, v. 19, n. 3, p. 88-95, Dec. 2007.

FOUCAULT, M. História da sexualidade I: a vontade de saber. Rio de Janeiro: Graal, 1977.

FOUCAULT, M. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Graal, 1979.

FOUCAULT, M. Vigiar e punir: nascimento da prisão. Petrópolis: Vozes, 1987.

GUARIDO, R. A medicalização do sofrimento psíquico: considerações sobre o discurso psiquiátrico e seus efeitos na Educação. Educ. Pesqui., São Paulo, v. 33, n. 1, p. 151-161, Apr. 2007.

GUATTARI, F.; ROLNIK, S. Micropolítica: cartografias do desejo. 7. ed. Petrópolis: Vozes, 2005.

MARTINS, A. Biopolítica: o poder médico e a autonomia do paciente em uma nova concepção de saúde. Interface - Comunic., Saúde, Educ., Botucatu, v. 8, n. 14, p. 21-32, Feb. 2004.

PALMEIRA, A. B. P.; GEWEHR, R. B. O lugar da experiência do adoecimento no entendimento da doença: discurso médico e subjetividade. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 23, n. 8, p 2469-2478, Ago. 2018.

ROLNIK, S. Toxicômanos de identidade: subjetividade em tempo de globalização. Caderno Mais! Folha de São Paulo, São Paulo, 1996.

ROSE, N. A política da própria vida: biomedicina, poder e subjetividade no século XXI. São Paulo: Paulus, 2013.

ROUDINESCO, E. Por que a psicanálise? Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2000.

SILVA, R. da. A biologização das emoções e a medicalização da vida: contribuições da psicologia histórico-cultural para a compreensão da sociedade contemporânea. 2011. 244 p. Dissertação (Mestrado) - Programa de Pós-Graduação em Psicologia, Universidade Estadual de Maringá, Maringá, 2011.

SOARES, B. P. Mal-estar na contemporaneidade: ansiedade e medicalização. 2017. 30 f. Trabalho de Conclusão de Curso - UNIJUÍ - Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul, Ijuí, RS, 2017.

TAVARES, L. A. T. A depressão como "mal-estar" contemporâneo: medicalização e (ex)sistência do sujeito depressivo. São Paulo: Editora UNESP; São Paulo: Cultura Acadêmica, 2010.




DOI: https://doi.org/10.14295/idonline.v13i46.1854

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A Id on Line (ISSN: 1981-1179) é indexada nas seguintes bases de dados: