Condições de Saúde de Idosos com Diabetes Mellitus de uma Atenção Básica / Health Conditions of Elderly Persons with Diabetes Mellitus from a Basic Attention

José William Sousa Reis, Everson Mateus Almeida Magalhães, Tatiane Dias Casimiro Valença, Saionara Silva Brito, Anderson Pereira de Sousa, Thais Silva Pereira Campos, Pollyanna Viana Lima

Resumo


Objetivo: Verificar as condições de saúde de idosos com diabetes mellitus cadastrados na atenção básica. Metodologia: Trata-se de um estudo quantitativo, descritivo realizado com 63 idosos que convivem com diabetes mellitus cadastrados em duas Unidades Básicas de Saúde em Vitória da Conquista - BA, realizado entre setembro de 2017 e março de 2018. Para a coleta dos dados foi utilizado questionário sociodemográfico e econômico e outro de condições de saúde, ambos elaborados pelos pesquisadores. As coletas ocorreram nas unidades básicas de saúde e nos domicílios dos idosos com horário agendado. A análise foi realizada com o auxílio do programa estatístico Statistical Package for the Social Sciences® 22.0. O projeto foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa da Faculdade Independente do Nordeste com parecer nº 2.234.746. Resultados: A maioria dos idosos eram do sexo feminino (63,8%), com renda individual mensal de 1 salário mínimo (74,6%), de religião católica (52,4%), com diagnóstico da doença há mais de 5 anos (73%) e com histórico familiar de Diabetes Mellitus (61,9%). Em relação aos hábitos de vida, a maioria nunca fumou (60,3%), consome bebida alcoólica (81%) ou não pratica atividade física (73%). Quanto aos hábitos alimentares, 98,4% recebe orientações, 47,6% segue essas orientações, 88,9% não consomem sal ou açúcar 85,7% em excesso e consideram a sua saúde como boa 79,3%. Já as complicações relacionadas a Diabetes Mellitus mais encontradas foram visuais representando 53,9%, e a hipertensão sendo a comorbidade mais associada (80,9%). Conclusão: Os agravos a saúde dos idosos participantes do estudo podem estar relacionados a falta de adesão a uma alimentação adequada, a falta da prática de atividade física regular e a fatores econômicos que podem influenciar em uma melhor qualidade de vida desses indivíduos. Além disso, foi possível observar que a associação entre a diabetes mellitus, hipertensão arterial e alcoolismo são fatores que podem gerar diversas complicações à saúde do idoso, podendo causar infarto agudo do miocárdio, acidente vascular cerebral, o que pode trazer sequelas irreversíveis ou até mesmo levar o indivíduo ao óbito.

Palavras-chave


Condições de saúde, Idosos, Diabetes Mellitus, Atenção Básica

Texto completo:

PDF

Referências


Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão: Síntese de indicadores sociais: uma análise das condições de vida da população brasileira: 2016 / IBGE, Coordenação de População e Indicadores Sociais. - Rio de Janeiro: IBGE. [homepagena Internet]. 2016ª. [Acesso em: 2018 mar].n. 36. 146 p. Disponível em:

Souza, AL. Treino De Propriocepção Na Prevenção De Quedas Em Idosos Frente A Realidade Do Envelhecimento Populacional. 2017. 51 p. Monografia (Bacharelado em Fisioterapia) – FAEMA - Faculdade De Educação E Meio Ambiente, Ariquemes – RO. 2017. [Acesso em 2018 mar]. Disponível em:

Ferraz MOS, Reis LA, Lima PL. Condições de saúde de idosos portadores de Diabetes mellitus e hipertensão arterial sistêmica. Id onLine Rev. Psic. v.10, n. 33.p. 56-71. 2017.

Sociedade Brasileira de Diabetes. Diretrizes da Sociedade Brasileira de Diabetes (2015–2016). AC Farmacêutica, São Paulo. [homepage na Internet]2016b. [Acesso em 2018 abr]. Disponível em: < http://www.diabetes.org.br/profissionais/images/docs/DIRETRIZES-SBD-2015-2016.pdf>.

Winkelmann ER. Fontela PC. Condições de saúde de pacientes com diabetes mellitus tipo 2 cadastrados na Estratégia Saúde da Família, em Ijuí, Rio Grande do Sul. 2010-2013. Epidemiol. Serv. Saúde, Brasília. v. 23, n. 4, p. 665-674. 2017.

Ministério da Saúde. Ministério da Saúde lança estratégia para promoção do envelhecimento saudável. [homepagena Internet]2017. [Acesso em 2018 ma]. Disponível em:

Machado WD,et al. Idosos com doenças crônicas não transmissíveis: um estudo em grupos de convivência. Revista Ciência & Saberes-Facema, v. 3, n. 2, p. 445-451, 2017.

Folstein MF, Folstein SE, Mchugh PR. Mini-mental state: a practical method for grading the cognitive state of patients for the clinician. J Psychiatric Res. 189-98.1975.

Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde (CNS). Resolução nº 466, de 12 de dezembro de 2012. Brasília: [homepage na Internet]. 2013. [Acesso em 2018 abr]. Disponível em:

Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão: Síntese de indicadores sociais: uma análise das condições de vida da população brasileira: 2016a / IBGE, Coordenação de População e Indicadores Sociais. - Rio de Janeiro. [homepage na Internet]2016a. [Acesso em 2018 mar]. 146 p. n. 36. Disponível em:

Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção a Saúde. Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem. (princípios e diretrizes). Brasilia DF.[homepage na Internet].2008. [Acesso em 2018 fev]. http://bvsms.saude.gov.br/bvs/ publicacoes/politica_nacional_atencao_saude_homem.pdf

Alves LC, Duarte YAO, Lebrão ML. Fragilidade e Mortalidade dos Idosos Residentes no Município de São Paulo: uma análise entre os anos de 2006 a 2010. p. 1-18, 2017.

Lourenço RA,et al. Fragilidade em Idosos Brasileiros–FIBRA-RJ: metodologia de pesquisa dos estudos de fragilidade, distúrbios cognitivos e sarcopenia. Revista Hospital Universitário Pedro Ernesto (HUPE), v. 14, n. 4, 2015.

Andreotti RA, Okuma SS. Validação de uma bateria de testes de atividades da vida diária para idosos fisicamente independentes. Revista Paulista de Educação Física, v. 13, n. 1, p. 46-66, 2017.

Saboia AL, Cunha LMP. A Importância do Autoconsumo e da Não Remuneração na Ocupação dos Idosos Brasileiros. Anais, p. 1-13, 2016.

Belon AP,et al. Diabetes em idosos: perfil sócio-demográfico e uso de serviços de saúde. Anais, p. 1-10, 2016.

Pierucci AF. O crescimento da liberdade religiosa e o declínio da religião tradicional: a propósito do censo 2010. Anuac, v. 1, n. 2, 2015.

Vilela GM,Pereira VSR,Oliveira DW, Oliveira ES. Exercício e Diabetes: Uma Proposta de Intervenção Desenvolvida por Acadêmicos de Educação Física. Anais Colóquio Estadual de Pesquisa Multidisciplinar, v. 1, n. 1, 2017.

Gomes MF,et al. Orientações Sobre Alimentação Ofertadas por Profissionais da Estratégia de Saúde da Família Durante as Consultas aos Hipertensos e Diabéticos. Recife. 2015. Revista de APS, v. 20, n. 2, 2018.

Feix G. Excesso de sal pode aumentar risco de diabetes. [homepage na Internet]. 2017. [Acesso em 2018 abr]. Disponível em:

Sociedade Brasileira de Diabetes. Diretrizes da Sociedade Brasileira de Diabetes (2015–2016). AC Farmacêutica, São Paulo, [homepagena Internet]2016b. [Acesso em 2018 abr]. Disponível em: < http://www.diabetes.org.br/profissionais/images /docs/DIRETRIZES-SBD-2015-2016.pdf

Szwarcwald CL, et al. Recomendações e práticas dos comportamentos saudáveis entre indivíduos com diagnóstico de hipertensão arterial e diabetes no Brasil: Pesquisa Nacional de Saúde (PNS), 2013. Revista Brasileira de Epidemiologia, v. 18, p. 132-145, 2015

Santos JC, Moreira TMM. Fatores de risco e complicações em hipertensos/diabéticos de uma regional sanitária do nordeste brasileiro. Revista da Escola de Enfermagem da USP, v. 46, n. 5, 2012.

Prado DB, Macedo EL, Tarcísio VA. A Assistência de Enfermagem visando A prevenção da cegueira por retinopatia diabética em uma instituição hospitalar no município de Cascavel-Pr. Revista Thêmaet Scientia, v. 4, n. 1, p. 118-126, 2016.




DOI: https://doi.org/10.14295/idonline.v13i45.1784

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A Id on Line (ISSN: 1981-1179) é indexada nas seguintes bases de dados: