Processos de Ensino e Aprendizagem: Um estudo sobre a aplicação da Dança Afro-Brasileira no espaço das aulas de Ginástica em Juazeiro do Norte / Teaching and Learning Processes: A Study on the Application of Afro-Brazilian Dance in the space of Gymnastics in Juazeiro do Norte

Francisco Renato Silva Ferreira, Miguel Melo Ifadireó, Vanessa de Carvalho Nilo Bitu, osé Antônio de Albuquerque Filho

Resumo


No Brasil, a dança africana surgiu por iniciativa dos professores e coreógrafos Zumbi Bahia e Ubiracy Ferreira, precursores dessa modalidade e de sua divulgação. Na área do fitness, essa divulgação gerou uma modalidade específica de ginástica, denominada de aero-axé. Nessa pesquisa estamos considerando não apenas referências ao fitness, mas também buscando outras compreensões para a dança africana. Nesse sentido, delimitamos o contexto da pesquisa para as danças afro-brasileiras, ou seja, danças de origem africana divulgadas, criadas ou influenciadas pelos africanos ou por seus descendentes no Brasil. Esta pesquisa caracterizou-se como uma investigação de natureza exploratória, na qual se pretendeu investigar a possibilidade de inserção da dança afro-brasileira como conteúdo para as aulas de aero-axé, na Academia RL-Núcleo de Juazeiro do Norte-CE. Contudo podemos afirmar que a maioria dos sujeitos dessa pesquisa entende e conhece a dança Afro-brasileira, relatado ainda a forma que adquiriram tal conhecimento e a relação com a cultura brasileira e como percebem essa prática dentro da academia que frequentam. Evidenciado ainda que são poucos os sujeitos que não conhecem a dança Afro-brasileira. Esperamos que os frequentadores da sala de ginástica da Academia RL-Núcleo de Juazeiro do Norte – CE tenha não só a preocupação com a estética, condicionamento físico, lazer, entre outros aspectos, mas também que os mesmos tenham conhecimento da cultura brasileira, no caso do Aero-axé, o conhecimento da cultura Afro-brasileira.

Palavras-chave


processos de ensino e aprendizagem. dança afro-brasileira, RL-Núcleo, saúde mental, expressão cultural.

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRADE, Mário. Danças dramáticas do Brasil. Vol. 2. Belo Horizonte: Itatiaia, 1982.

ANCHIETA, José. Ginástica Afro-aeróbica. Rio de Janeiro: Shape Editora, 1995.

AMARAL, Francisco Pacífico do. Escavações. Encarte Cultural, Brincantes, n.º 02, Recife, 1984.

ARANHA, Ana. Vinte anos de baianidade. Revista Época [on line], Edição 351: 07 fevereiro 2005. Disponível em: < http://revistaepoca.globo.com/Epoca/0,6993,EPT904129-1661,00.htm >. Últilmo acesso em 20 de março de 2013.

CARNEIRO, Edison. Religiões Negras: Notas de Etnografia Religiosa e de Folclore, 1981.

CASCUDO, Luiz da Câmara. Dicionário de folclore brasileiro. São Paulo: Martins Fontes, 1988.

FERRETTI, Sérgio. Sincretismo afro-brasileiro e resistência cultural. IN CAROSO e BACELAR (Orgs.). Faces da tradição afro-brasileira. Rio de Janeiro: Pallas; Salvador: CEAO, 1999.

FARIAS, Pedro Américo de. Maracatu de Baque Solto. Encarte Cultural, Brincantes, nº 03, Recife, 1998.

FREYRE, G. Casagrande e senzala. 39ª ed. Rio de Janeiro: Record, 2000.

GREJE. Grêmio recreativo e esportivo Jardim dos Eucaliptos:15 de Fevereiro de 2012. Disponível em: < http://greje.com.br/index.php?option=com_content&view=article& id=136&Itemid=231 >. Acesso em 20 de março de 2013.

GIFFONI, Maria Amália Corrêa. Danças Folclóricas Brasileiras e suas Aplicações Educativas. 3ª ed. São Paulo. Brasília: Melhoramentos, 1978.

GIL, Antônio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. 5ª ed. São Paulo: Atlas, 1999.

GODI, Antônio. A música no processo de legitimação da cultura negra contemporânea. IN

BARCELAR, J. E CARDOSO, C. (orgs.). Brasil: um país de negros? Rio de Janeiro: Pallas: Salvador: CEAO, 1999.

LONGMAN Dictionary of American English. New York: Longman, 1983.

IFADIREÓ, Miguel Melo et al. Educação Intercultural e suas Ambivalências com o Estranho. Um Estudo Sobre a Representação Social do Negro no Livro Didático. Id on Line Revista Multidisciplinar e de Psicologia, v. 13, n. 43, p. 1081-1104, 2019.

MEGALE, Nilza. Folclore Brasileiro. Rio de Janeiro: Vozes, 1999.

MELO, Miguel; ALMEIDA, André Jorge Rocha de; SILVA, Cícera Rosana da; TEIXEIRA, Emerson Giorgio F. de Aquino. Hate Crimes: uma ressignificação ou nova representação da Criminologia e do Direito Penal Internacional no cotidiano brasileiro? (p. 141-162). In: MELO, Miguel Ângelo Silva de; GOMES FILHO, Antoniel dos Santos; QUEIROZ, Zuleide Fernandes. (Orgs.). Epistemologias em confronto no direito: reinvenções, ressignificações e representações a partir da interdisciplinaridade. Curitiba: CRV, 2017.

NÓBREGA, T. P. Corporeidade e dança afro-brasileira. Comunicações, ano 5, nº 2, Piracicaba, Editora UNIMEP, 1998.

________. Dançar para não esquecer quem somos: Por uma estética de dança popular. Anais do I Congresso Latino Americano e III Congresso Brasileiro de Educação Motora. Natal, 2000.

________. A dança e suas múltiplas narrativas corporais. Texto da disciplina Corpo, sociedade e práticas da cultura de moviemento. Cursos de Especializações em Dança. UFRN, 2001.

OJO-ADE, F. O. Brasil, paraíso ou inferno para o negro? Subsídios para uma nova negritude. In BACELAR, J. E CARDOSO, C. (orgs). Brasil: um país de negros. Rio de Janeiro: Pallas, 1999.

ROCHA, Tião. As Tramas da Identidade. Revista Onda Jovem. Ano I. Edição 3. Nov., 2005, p. 14-17.

ROBATTO, L. Dança em Processo: A linguagem de Indizivel. Salvador: Centro Editorial e Didático da UFBA, 1994.

SANTOS, Inaicyra Falcão dos. Ayán, uma poética intertextual. IN LUZ, Narcimária Correia do Patrocínio. Pluralidade Cultural e Educação. Salvador: Sociedade de Estudos da Cultura Negra no Brasil – SECNEB/Secretaria de Educação – Coordenação de Educação Superior – CES, 1996.

SHAEBER, Petra. Carro do ano, celular, antena parabólica: símbolos de uma vida melhor? Ascensão social de negros mestiços através dos grupos culturais de Salvador. IN BACELAR, J. E CARDOSO, C. (orgs.). Brasil: um país de negros. Rio de Janeiro: Pallas, 1999.

SILVA, Leonardo Dantas. Frevo: alguns documentos para a história da escravidão. Encarte Cultural, Brincantes, n.º 01, Recife, 1988.

SILVEIRA, Ana Paula. Danças tradicionais do Rio Grande do Norte: estética, arte e educação. Monografia (Especialização em Dança), Natal, UFRN, 2002.

SOUZA, Edilson Fernandes de. Dança afro-primitiva. Rio de Janeiro: Sprint. Ano 10, nº. 53, 1991.

SYLLOS, Gilberto de. e MONTANHAUR, Ramon. Bateria e Contrabaixo na Música Popular Brasileira. 3ª edição. Rio de Janeiro: Lumiar, 2002, (p. 65).

_______. Etnografia e história da dança litúrgica e artística no Rio de Janeiro. Anais do VII Congresso Brasileiro da Educação Física, Esporte, Lazer e Dança; Gramado/RS, Junho de 2000. (p. 344 – 349).

TEIXEIRA, Maria Lina. Candomblpe e a [re]Invenção de tradições. IN CARDOSO e BACELAR (Orgs.) Faces da tradição afro-brasileira. Rio de Janeiro: Pallas; Salvador: CEAO, 1999.

VERGER, Pierre Fatumbi. Orixás, Deuses Iorubás na África e no Novo Mundo. 5ª ed. Salvador: Corrupio, 1997.




DOI: https://doi.org/10.14295/idonline.v13i45.1748

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A Id on Line (ISSN: 1981-1179) é indexada nas seguintes bases de dados: