As Concepções e Práticas de Educação Inclusiva nas Escolas Estaduais da Sede do Município de Exu - PE / The Conceptions and Practices of Inclusive Education in the State Schools of the Municipality of Exu - PE

Maria Aparecida Oliveira Alves, Gislene Farias de Oliveira, Maria Odete Emygdio da Silva

Resumo


A Constituição Brasileira de 1988, ora em vigor, prevê a inclusão de alunos com deficiência nas classes comuns, estabelecendo igualdade de condições para o acesso e a sua permanência na escola. Tal atitude tem despertado assim, uma série de discussões no cenário educacional. Nesse contexto, os fundamentos do atual modelo de escola são discutidos teóricos e metodologicamente, comparando-se com uma concepção de educação inclusiva e de qualidade para todos. O respeito à diversidade dos educandos, bem como a valorização das habilidades e dificuldades individuais dos alunos, tem sido muito enfatizado pela literatura especializada. Nessa perspectiva, faz-se necessária uma maior ênfase na formação docente, para que seja adequada no Atendimento Educacional Especializado. O objetivo do presente estudo foi analisar o processo de inclusão nas escolas públicas estaduais da sede do município de Exu-PE, com base nas concepções de inclusão de 60 professores do ensino médio. A abordagem foi quali-quanti, utilizando-se como instrumentos de coleta de dados, tanto a análise documental, quanto o questionário. Os resultados levaram a crer que os professores demonstram representações sociais positivas da inclusão, porém demandam, em sua grande maioria, por uma melhor capacitação, de forma a poderem atuar mais eficientemente com essa clientela.

Palavras-chave


Deficiência. Inclusão. Formação Docente

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, Tânia Araújo de Freitas. Formação contínua de professores: o aperfeiçoamento teórico-prático em produção textual. In: Pontos e contrapontos [livro eletrônico]: desafios da formação continuada [online]. Universidade Federal do Tocantins. Diretoria de Tecnologias Educacionais, 2012. Palmas: Acedido em: 02 de março de 2013, em: .

BARDIN, Laurence. Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2010.

BATISTA, Cristina Abranches Mota. Atendimento educacional especializado para a pessoa com deficiência mental. In: Secretaria de Educação à Distância/MEC. O desafio da diferenças nas escolas. Rio de Janeiro, 2006.

BOOTH, T. e AINSCOW, M. Index para a inclusão. Reino Unido: CSIE. [Versão produzida e traduzida pelo Laboratório de Pesquisa, Estudos e Apoio à Participação e à Diversidade em Educação – LAPEADE]. Rio de Janeiro: Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2002.

BORGES, Wanessa Ferreira; Silva, Patrícia Maria Machado e Tartuci, Dulcéria. Tecnologia assistiva e letramento de alunos com deficiências. In. VIII Encontro da Associação Brasileira de Pesquisadores em Educação Especial. Londrina, 2013.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação/Câmara de Ensino Básico. Diretrizes nacionais para a educação especial na educação básica. Brasília: MEC/SEESP. 2001, 79p. Acedido em: 20 de março de 2013, em: .

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil 1988. 14. ed. Belo Horizonte: Assembleia Legislativa do Estado de Minas Gerais, 2013, 339p.

BRASIL. Convenção sobre os direitos das pessoas com deficiência. Secretaria Especial dos Direitos Humanos – SEDH/Coordenadoria Nacional para Integração da Pessoa Portadora de Deficiência – CORDE. Brasília, 2007.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional – n. 4.024/61. Brasília: Congresso Nacional. 1961, 22p. Acedido em: 03 de março de 2013, em: .

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional nº 9.394/1996. 7. ed. Brasília, Câmara dos Deputados, Edições Câmara. 2011, 45p. Acedido em: 03 de março de 203, em: .

BRASIL. Lei n. 10.098 de 19 de dezembro de 2000. Brasília: Congresso Nacional, 2000, 07p. Acedido em 07 de março de 2013, em: .

BRASIL. Lei n. 10.172. Aprova o Plano Nacional de Educação e dá outras providências. Brasília: Senado Federal. 2001, 81p. Acedido em: 01 de março de 2013, em: .

BRASIL. Lei n. 10.436 de 24 de abril de 2002. Brasília: Congresso Nacional. 2002, 01p. Acedido em: 09 de março de 2013, em: .

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais para o ensino fundamental. Brasília: MEC/SEF. 1997, 126p.

BRASIL. Plano Nacional de Educação (PNE 2014-2024). Brasília: Câmara dos Deputados. 2014, 86p. Acedido em: 02 de março de 2016, em: .

BRASIL. Política Nacional de Educação Básica na perspectiva educação inclusiva. Brasília: MEC/SEESP. 2008, 19p. Acedido em: 28 de março de 2013, em: .

BRASIL. Proposta de diretrizes para a formação inicial de professores da educação básica, em cursos de nível superior. Brasília: MEC. 2000, 86p. Acedido em: 02 de março de 2013, em: .

CARI, Alcir de Souza. Projeto político-pedagógico em busca de novos sentidos. São Paulo: Editora e Livraria Instituto Paulo Freire, 2011. (Educação Cidadã; v. 7).

CASTRO, Andréa Direne da Matta e GAUTHIER, Leliana de Sousa. Coordenação pedagógica e mediação tecnológica – interface perspectiva de uma educação inclusão. In: Educação inclusiva, deficiência e contexto social: questões contemporâneas. Salvador: EDUFB, 2009.

CASTRO, Antonilma Santos Almeida; SOUZA, Lucimêre Rodrigues de e SANTOS, Marilda Carneiro. Contribuições da tecnologia assistiva para a inclusão educacional na rede pública de ensino de Feira de Santana. In: Miranda, Theresinha Guimarães; Galvão Filho, Teófilo Alves (orgs.). O professor e a educação inclusiva formação, práticas e lugares. Salvador: EDUFBA, 2012.

CONFERÊNCIA NACIONAL DE EDUCAÇÃO – CONAE. Documento final, 2010. Acedido em: 20 de agosto de 2014, em: .

COOK, B.G.; TANKERSLEY, M.; COOK, L. e LANDRUN, T.J. Teacher’s attitudes toward their included students with disabilities. In. Exceptional children, v. 67, n. 1, p. 115-135, 2000.

COSTA, Magda Suely Pereira. A formação continuada: desafio confiado em que mãos? In: Pontos e contrapontos [livro eletrônico]: desafios da formação continuada [online]. Palmas: Universidade Federal do Tocantins. Diretoria de Tecnologias Educacionais, 2012. Acedido em: 02 de março de 2013, em: .

CRUZ, Thimoteo Pereira. Educação inclusiva: dificuldades da atuação do professor e contribuições da psicologia. In: Revelli: Revista de educação, linguagem e literatura da UEG. Inhumas, 2012, v. 4, n. 1, p. 115-136.

FIGUEIREDO, Rita Vieira de. Formação de professores para a inclusão e o cesso ao ensino superior. In: Secretaria de Educação à Distância. O desafio da diferenças nas escolas. Rio de Janeiro: MEC, 2006.

FREUD, Sigmund. O mal-estar na civilização. In. Freud, S. Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud. Rio de Janeiro: Imago, 1969. (Trabalho original publicado em 1930).

GOFFREDO, Vera Lúcia Flor Sénéchal de. Educação: direito de todos os brasileiros. In: Secretaria de Educação a Distância. Educação especial: tendências atuais. Brasília: MEC, 1999.

GUIJARRO, María Rosa Blanco. (2005). Inclusão: um desafio para os sistemas educacionais. In: MEC/SEESP. Ensaios pedagógicos: construindo escolas inclusivas. Brasília, 2005.

ISAIA, S.M.A. e BOLZAN, D.P.V. Trajetórias da docência: articulando estudos sobre os processos formativos e a aprendizagem de ser professor. In: Isaia, S.M.A.; Bolzan, D.P.V. (orgs.). Pedagogia universitária e desenvolvimento profissional docente. Porto Alegre: Edipucrs. (Série RIES/PRONEX; v. 4), 2009.

KLEBIS, Augusta Boa Sorte Oliveira. Concepção de gestão escolar: a perspectiva dos documentos oficiais e dos programas de formação continuada de diretores de escola no estado de São Paulo – 1990/2009. Marília-SP: Programa de Pós-Graduação, Faculdade de Filosofia e Ciências da Universidade Estadual Paulista [Tese de Doutorado], 2010.

LEÓN, M.J. La perspectiva del profesor tutor sobre los problemas de la integración de los niños con necesidades educativas especiales. In. Revista de educación especial, 1994, n. 18, p. 77-83.

LUSTOSA, Francisca Geny. (2009). Inclusão, o olhar que ensina: o movimento da mudança e a transformação das práticas pedagógicas no contexto de uma pesquisa – ação colaborativa. [Tese de Doutorado]. Fortaleza: Universidade Federal do Ceará, Faculdade de Educação, Programa de Pós-Graduação em Educação Brasileira. Acedido em: 02 de março de 2013, em: .

MANTOAN, Maria Teresa Eglér. Ser ou estar? eis a questão. Explicando o déficit intelectual. Rio de Janeiro: WVA, 1997, 174p.

MENEZES, Maria Aparecida de. Currículo, formação e inclusão: alguns implicadores In: Feldmann, Maria Graziela, (org.). Formação de professores e escola na contemporaneidade. São Paulo: Editora Senac, 2009.

MUSIS, Carlos R. e CARVALHO, Sumaya P. Representações sociais de professores acerca do aluno com deficiência: a prática educacional e o ideal do ajuste à normalidade. In. Educ. soc., 2010, v. 31, n. 110, p. 201-217. Campinas, jan.-mar.

NOZI, Gislaine Semcovici. Análise dos saberes docentes recomendados pela produção acadêmica para a inclusão escolar de alunos com necessidades educacionais especiais. [Dissertação de Mestrado]. Londrina: Programa de Mestrado em Educação, Universidade Estadual de Londrina, 2013.

OLIVEIRA, Ivanilde Apoluceno de. Práticas municipais de inclusão da pessoa com deficiência no estado do Pará. In: Miranda, Theresinha Guimarães, Galvão Filho, Teófilo Alves (orgs.). O professor e a educação inclusiva: formação, práticas e lugares. Salvador, EDUFBA, 2012.

OMOTE, Sadão. A formação do professor de educação especial na perspectiva da inclusão. In: Formação de educadores: desafios e perspectivas. São Paulo: UNESP, 2003.

PLETSCH, M.D. A formação de professores para a educação inclusiva: legislação, diretrizes políticas e resultados de pesquisas. In. Educar em Revista, 2009, n. 33, p. 143-156.

PORTO, Paulo. Formação continuada de professores: desafios e possibilidades na prática pedagógica no ensino fundamental. In: IV Encontro de pesquisa educacional de Pernambuco. Caruaru: UFPE/CAA, 2012. Acedido em: 02 de março de 2013, em: .

PRIETO, Rosângela Gavioli. Atendimento escolar de alunos com necessidades educacionais especiais: um olhar sobre as políticas públicas de educação no Brasil. In: Inclusão escolar: pontos e contrapontos. São Paulo: Summus, 2006, p. 31-73.

RODRIGUES, D. e LIMA-RODRIGUES, L. Formação de professores e inclusão: como se reformam os reformadores?. In. Educar em Revista, 2011, n. 41, p. 41-60.

SANCHES, Isabel e TEODORO, António. Da integração à inclusão escolar: cruzando perspectivas e conceitos. In: Revista Lusófona de Educação, 2006. Acedido em: 03 de setembro de 2013, em: .

SILVA, Lívia Ramos de Souza e REIS, Marlene Barbosa de Freitas. Educação inclusiva: o desafio da formação de professores. In: Revelli – Revista de educação, linguagem e literatura da UEG, 2011, v. 3, n. 1, p. 07-17. Inhumas.

SOUZA, Luciano Simões de. A educação pela comunicação estratégica de inclusão social: o caso da escola interativa. [Dissertação de Mestrado]. São Leopoldo: Programa de Pós-Graduação em Ciências da Comunicação, Universidade do Vale do Rio dos Sinos – UNISINOS, 2006.

VELTRONE, Aline Aparecida e MENDES, Enicéia Gonçalves. Formação inicial e continuada de professores para a inclusão escolar. In: IX Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores. A formação docente na perspectiva da inclusão: comunicação científica. Universidade Estadual Paulista (UNESP), 2007.




DOI: https://doi.org/10.14295/idonline.v13i45.1736

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A Id on Line (ISSN: 1981-1179) é indexada nas seguintes bases de dados: