As Contribuições da Educação Biocêntrica para a Igualdade de Gênero / Contributions of Biocentric Education for Gender Equality

Maria Helena Rodrigues Campelo

Resumo


Esse estudo sobre “As contribuições da Educação Biocêntrica para a igualdade de gênero” constitui o trabalho de conclusão de curso, resultado da minha formação na Pós-Graduação em Educação Biocêntrica, reflete o meu interesse pela temática na área sobre gênero, na atuação com mulheres, e na busca para me tornar educadora biocêntrica. A minha pesquisa nessa área articula compreensões sobre as relações construídas e reproduzidas no contexto histórico, social, político e cultural que afetam a vida das mulheres. A metodologia utilizada para esse trabalho compõe-se de pesquisa qualitativa, bibliográfica, uma vez que procuro trilhar um percurso teórico para compreender as categorias de análise: igualdade de gênero, identidade e educação biocêntrica, destacando conceitos como: feminismo, feminino, feminilidade. Utilizo nesse percurso as referências de teorias da Psicanálise, da Psicologia, da Educação Biocêntrica, articulando aproximações e diálogos entre os autores. Como considerações finais, proponho a Educação Biocêntrica necessária para a construção de um novo paradigma e de uma nova cultura, pautada na valorização da vida e no respeito aos seres humanos, pois o reconhecimento da diversidade entre homens e mulheres constitui uma possibilidade a ser fortalecida em nossa sociedade.

 



 



Palavras-chave


Igualdade de gênero, identidade, educação biocêntrica

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRÉ, Jacques. As origens femininas da sexualidade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 1996.

BIANCO, Anna Carolina; ALMEIDA, Marlise Mírian de Matos. Articulações psicanálise/feminismo: dificuldades e novas perspectivas. In: Gênero e Ciências Humanas: desafio às ciências desde a perspectiva das mulheres. Editora Rosa dos Ventos. Rio de Janeiro, 1997.

CAVALCANTE, Ruth; GÓIS, Cezar Wagner de Lima. Educação biocêntrica: ciência, arte, mística, amor e transformação. Fortaleza: Expressão Gráfica e Editora, 2015.

DI CIOMMO, Regina Célia. Relações de gênero, meio ambiente e a teoria da complexidade. Estudos feministas, Florianópolis, 11(2):360, julho-dezembro/2003.

FREUD, Sigmund. Edição Standart brasileira das Obras Psicológicas Completas. Volume XXII. Novas conferências introdutórias sobre psicanalise e outros trabalhos (1932-1936).Rio de JANEIRO: Imago, 1996.

GÓIS, Cezar Wagner de Lima. Psicologia Clínico-comunitária. Fortaleza: Banco do Nordeste do Brasil, 2012.

LATTANZIO, Felipe Figueiredo. O lugar do gênero na psicanálise: Da metapsicologia às novas formas de subjetivação. Universidade Federal de Minas Gerais, Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas. Belo Horizonte, 2001. Capítulo 01.

MOURA, Betânia. A Roda das Deusas: Deusa – arquétipo do feminino. Fortaleza: Expressão Gráfica e Editora, 2017.

NARVAZ, Martha Giudice; KOLLER, Silvia Helena. A marginalização dos estudos feministas e de gênero na psicologia acadêmica contemporânea. Revista Psico, v. 38, n. 3, pp. 216-223, set./dez. 2007.

STOLLER, Robert J. Masculinidade e feminilidade: apresentação de gênero. Porto Alegre: Artes Médicas, 1993.

SAFFIOTI, Heleieth Iara Bongiovani. Gênero, Patriarcado e Violência. São Paulo: Editora Perseu Abramo, 2004.

SCOTT, Joan W. Gênero: Uma Categoria Útil para Análise Histórica. New York, Columbia University Press. 1989. (TRADUÇÃO: Christine Rufino Dabat Maria Betânia Ávila.




DOI: https://doi.org/10.14295/idonline.v13i45.1704

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A Id on Line (ISSN: 1981-1179) é indexada nas seguintes bases de dados: