Reflexões sobre a mobilidade urbana e os acidentes envolvendo ciclistas: qual o papel da psicologia? / Reflections on urban mobility and accidents involving cyclists: What is the role of Psychology?

Inaiana Costa Gama, Jakson Luis Galdino Dourado

Resumo


O Brasil é o quinto país onde mais morrem pessoas em decorrência de acidentes no trânsito, perdendo apenas para a Índia, China, Estado Unidos e Rússia. No trânsito, é evidente uma maior vulnerabilidade dos ciclistas, que na sua maioria sofrem lesões graves em relação àqueles acometidos por acidentes relacionados a outros tipos de meios de locomoção. Este estudo tem como objetivo discutir os aspectos relacionados aos acidentes envolvendo ciclistas, através de uma revisão integrativa de literatura. Os dados foram obtidos no mês de dezembro de 2018 nas bases de dados da Plataforma Scielo, direcionada aos artigos que tratam de acidentes de ciclistas no Brasil utilizando como refinador da pesquisa os termos: Acidentes; Trânsito e Ciclistas. A partir da pesquisa foi possível apontar para a necessidade de haver um maior quantitativo de pesquisas na área do trânsito, de modo que estas subsidiem políticas públicas voltadas à mobilidade mais efetivas.

 


Palavras-chave


Psicologia do Trânsito; trânsito; ciclistas.

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRADE, S. M.; MELLO JORGE, M. H. P. Características das vítimas por acidentes de transporte terrestre em município da Região Sul do Brasil. Rev. Saude Publica, v. 34, n. 2, p. 149-156, 2000.

ANTIPOFF, D. Contribuição ao estudo das diferenças individuais no teste de atenção difusa. Arquivos Brasileiros de Psicotécnica, v. 8, n. 2, p. 49-60, 1956.

BACCHIERI, G.; GIGANTE, D. P.; ASSUNÇÃO, M. C. Determinantes e padrões de utilização da bicicleta e acidentes de trânsito sofridos por ciclistas trabalhadores da cidade de Pelotas, Rio Grande do Sul, Brasil. Cad. Saúde Pública, v. 21, n. 5, p. 1499-1508, 2005.

BASTOS, Y. G. L.; ANDRADE, S. M.; SOARES, D. A. Características dos acidentes de trânsito e das vítimas atendidas em serviço pré-hospitalar em cidade do Sul do Brasil,1997/2000. Cad Saude Publica, v. 21, n. 3, p. 815-22, 2005.

BRASIL. Decreto-lei nº 9545, de 5 de agosto de 1946. Dispõe sobre a habilitação e exercício da atividade de condutor de veículos automotores. Disponível em: http://www2.camara.leg.br/legin/fed/declei/1940-1949/decreto-lei-9545-5-agosto-1946-417705-publicacaooriginal-1-pe.html Acesso em: 21/12/2018.

BRASIL, Lei nº 12.587, de 3 de Janeiro de 2012. Política Nacional de Mobilidade Urbana. Planalto: Brasília. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2012/lei/112587.htm Acesso em: 11/12/2018.

BRASIL. [Código de Trânsito Brasileiro (1997)]. Código de Trânsito Brasileiro [recurso eletrônico]. – 5. ed. – Brasília: Câmara dos Deputados, Edições Câmara, 2013.

CABRAL, A. P. S.; SOUZA, W. V.; LIMA, M. L. C. Serviço de Atendimento Móvel de Urgência: Um observatório dos acidentes de transportes terrestre em nível local. Rev Bras Epidemiol, v. 14, n. 1, 3-14, 2011.

GALVÃO, P. V. M.; PESTANA, L. P.; PESTANA, V. M.; SPÍNDOLA, M. O. P.; CAMPELLO, R. I. C.; SOUZA, E. H. A. Mortalidade devido a acidentes de bicicletas em Pernambuco, Brasil. Ciênc. saúde coletiva, v. 18, n. 5, p. 1255-1262, 2013.

GARCIA, L. P.; FREITAS, L. R. S.; DUARTE, E. C. Mortalidade de ciclistas no Brasil: características e tendências no período 2000-2010. Rev. bras. Epidemiologia, v. 16, n. 4, p. 918-929, 2013.

HAIGHT, F. A. Accident proneness: the history of an idea (UCI-ITS-WP-01-4). Irvine: Institute of Transportation Studies, University of California, 2001.

LAGONEGRO, M. A. A ideologia rodoviarista no Brasil. Ciência & Ambiente, v. 37, p. 39-50, 2008.

LOPES, A. L. C.; ALMEIDA, A. C.; COUTO, K. G.; SANTOS, N. M.; FERREIRA, C.; SILVA, A. C. R.; MONTEIRO, A. M.; NINA-E-SILVA, C. H. Prevalência dos atendimentos por acidentes de trânsito realizados pelo serviço de atendimento a urgências no município de Rio Verde, Goiás. Revista da Universidade Vale do Rio Verde, v. 16, n. 1, p. 1-7, 2018.

MALTA, D. C.; MASCARENHA, M. D.; BERNAL, R. T.; PEREIRA, C.; MINAYO, M. C.; MORAIS, O. L. Análise das ocorrências das lesões no trânsito e fatores relacionados segundo resultados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) – Brasil, 2008. Revista Ciência & Saúde Coletiva, v. 16, n. 9, p. 3679-3687, 2011.

MENDES, K. D. S.; SILVEIRA, R. C. C. P.; GALVÃO, C. M. Revisão Integrativa: método de Pesquisa para a incorporação de evidências na saúde e na enfermagem. Texto Contexto Enferm, Florianópolis, v. 17, n. 4, p. 758-64, 2008.

PORTAL PARANÁ. Brasil é o quinto país do mundo em mortes no trânsito, segundo OMS. Paraná: Metrojornal, 2017. Disponível em https://www.metrojornal.com.br/foco/2017/05/01/brasil-e-o-quinto-pais-mundo-em-mortes-no-transito-segundo-oms.html Acesso em: 20/11/2018.

ROZESTRATEN, R. J. A. Psicologia do trânsito: conceitos e processos básicos. São Paulo: EPU, 1998.

SANTOS, Z. M. S. A; SILVA, R. M. Prática do autocuidado vivenciada pela mulher hipertensa: uma análise no âmbito da educação em saúde. Rev. Bras. Enferm, v. 59, n. 2, p. 206-211, 2006.

SILVA, F. H. V. C.; GÜNTHER, H. Psicologia do trânsito no Brasil: de onde veio e para onde caminha? Temas em Psicologia, v. 17, n. 1, p. 163-175, 2009.

SOUSA, C. A. M.; BAHIA, C. A.; CONSTANTINO, P. Análise dos fatores associados aos acidentes de trânsito envolvendo ciclistas atendidos nas capitais brasileiras. Ciênc. saúde coletiva, v. 21, n. 12, p. 3683-3690, 2016.

SOUZA, M. T.; SILVA, M. D.; CARVALHO, D. Revisão integrativa: o que é e como fazer. Einstein, v. 8, n. 1, p. 102-106, 2010.

VASCONCELLOS, E. A. O que é trânsito? São Paulo: Brasiliense, 1985.




DOI: https://doi.org/10.14295/idonline.v13i45.1674

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A Id on Line (ISSN: 1981-1179) é indexada nas seguintes bases de dados: