A Evolução Conceitual do Goodwill segundo as Teorias do Intangível, Resíduos, Sinergia e Superlucro

Jessica Fernanda Galindo, Raimundo Nonato Lima Filho, Sandro Vieira Soares

Resumo


A mudança contínua na sua estrutura e as múltiplas alterações no desenvolvimento do tratamento contábil, com um crescimento rápido e significativo entre todos os outros ativos intangíveis são fatores que justificam o interesse em se pesquisar sobre o goodwill, uma vez que, apesar de ser um tema bastante discutido, ainda permanece em ampla discussão. Assim, este estudo apresenta a evolução conceitual a partir das definições desenvolvidas por estudiosos ao longo das últimas décadas, publicadas em revistas e livros disponíveis em bases e indexadores internacionais e/ou nacionais de Contabilidade. Nesse contexto, o objetivo desta revisão de literatura foi analisar a evolução do conceito goodwilla partir das teorias: intangível, resíduos, sinergia e superlucro, oferecendo uma visão geral das suas definições, para entendê-lo através dos conceitos mencionados por acadêmicos e organismos profissionais de Contabilidade. Esta pesquisa é o resultado de uma análise qualitativa cronológica do conceito de goodwill, trazendo definições existentes datadas a partir de 1897, com os efeitos nas demonstrações contábeis que estão associadas às atividades empresariais, fazendo com que seja de extrema importância para a tomada de decisão. 

Texto completo:

PDF

Referências


BERTALNFFY, L. Von. General System Theory: Essays On Its Foundation And Development: New York, 1968.

CATLETT, G. R.; OLSON, N. O. Accounting for Goodwill. American Institute of Certified Public Accountants: New York, 1968.

COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS (CVM). Ofício-circular/CVM/SNC/SEP n. 01/2007. Disponível em: . Acesso em 03 de agosto de 2017.

______. (2009). Deliberação CVM n. 580, de 31 de julho de 2009. Disponível em: . Acesso em 03 de agosto de 2017.

______. (2011). Deliberação CVM n. 665, de 04 de agosto de 2011. Disponível em: . Acesso em 03 de agosto de 2017.

CPC. Pronunciamento técnico CPC 04, de 02 de dezembro de 2010. Ativo Intangível. Comitê de Pronunciamentos Contábeis. Disponível em: http://www.cpc.org.br/CPC/Documentos-emitidos/Pronunciamentos/Pronunciamento?Id=35. Acesso em: 01 de setembro de 2017.

______. Pronunciamento técnico CPC 15, de 04 de agosto de 2011. Combinação de Negócios. Comitê de Pronunciamentos Contábeis. Disponível em: < http://www.cpc.org.br/CPC/Documentos-emitidos/Pronunciamentos/Pronunciamento?Id=46>. Acesso em: 05 de setembro de 2017.

DING, Yuan; RICHARD, Jacques; STOLOWY, Hervé. Towards an understanding of the phases of goodwill accounting in four Western capitalist countries: From stakeholder model to shareholder model. Accounting, Organizations and Society, v. 33, n. 7, p. 718-755, 2008.

GLAUTIER, M. W. E.; UNDERDOWN, B. Accounting theory and practice. 7. Prentice Hall, 2001.

GREENDLINGER, L.. Financial and Business Statements, New York, 1925.

HENDRIKSEN, E. S; VAN BREDA, M. Teoria da Contabilidade. São Paulo: Atlas, 2007.

HERBOHN, Kathy. Issues in Financial Accounting. Austrália: Pearson, 2015.

HUGHES, HP. Goodwill in Accounting: A History of the Issues and Problems. Universidade Estadual da Geórgia, p. 137, 1982.

IUDÍCIBUS, S. Teoria da Contabilidade. São Paulo: Atlas, 2006.

IUDÍCIBUS, S.; MARTINS, E.; GELBCKE, E. R. Manual de Contabilidade das Sociedades por Ações. São Paulo: Atlas, 2008.

IUDÍCIBUS, Sérgio de. Teoria da Contabilidade. São Paulo: Atlas, 6. ed., 2009.

LEV, Baruch. Intangibles: Management And Reporting. Washington: Brookings, 2001.

MARTINS, E. (Org.). Avaliação de Empresas: Mensuração Contábil à Econômica. São Paulo: Atlas, 2001.

MARTINS, E.; ALMEIDA, D. L.; MARTINS, E. A.; COSTA, P. S.. Goodwill: uma análise dos conceitos utilizados em trabalhos científicos. Revista Contabilidade & Finanças, USP, São Paulo, v. 21, n. 52, janeiro / abril 2010.

NEGRA, C. A. S.; NEGRA, E. M. S. ; PIRES, M. A. A. ; RESENDE FILHO, N. S. ; LAGE, W. M. ; COUTINHO, W. R. . Discussão, Mensuração e Avaliação do Goodwill: Da questão teórica à pratica Empresarial. In: 17o Congresso Brasileiro de Contabilidade, 2004, Santos - SP. 17o Congresso Brasileiro de Contabilidade, 2004.

NOBES, Christopher. A political history of goodwill in the UK: An illustration of cyclical standard setting. Abacus, v. 28, n. 2, p. 142-167, 1992.

PINHEIRO, V. R. A. O Tratamento Contabilístico do Goodwill nas Empresas do PSI. (Dissertação de Mestrado). Instituto Politécnico do Porto, Instituto Superior de Contabilidade e Administração do Porto, Porto, Portugal.

SAKUMA, Itsuo. Will the Concept of Goodwill Go Well with National Accounting?. Eurostat Review On National Accounts And Macroeconomic Indicators, p. 51, 2015. Disponível em: < http://ec.europa.eu/eurostat/documents/3217494/6893280/KS-GP-15-001-EN-N.pdf/0ef34f4e-6bff-424e-8949-ec35826db8c1>. Acesso em 15 de outubro de 2017.

SANTOS, J. L. Ativos intangíveis. Contexto, Porto Alegre, v. 2, n. 2, jan./jun. 2002.

SANTOS, J. L. et al. Teoria da Contabilidade: introdutória, intermediária e avançada. São Paulo: Atlas, 2007.

SCOTT, W. R. Financial accounting theory. Toronto: Pearson Prentice Hall, 2009.

SCHMIDT, P.; SANTOS, J. L. Avaliação de ativos intangíveis. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2009.

STENKA, R.; ORMROD, P. The impact of IFRS Adoption in the UK-Issues in Group Accounting, European Financial Reporting Research Group Accounting in Europe. In: 3rd Annual Workshop. 2007. p. 1-27.

RATIU, R. V.; TUDOR, A. T. The Definition of Goodwill - a Chronological Overview. Revista Romana de Statistica, v. 4, p. 54-60, 2012. Disponível em: < http://www.revistadestatistica.ro/suplimente/2012/4/srrs4_2012a06.pdf>. Acesso em 15 de outubro de 2017.

GIBSON, Robert W.; FRANCIS, Jere R. Accounting for goodwill—A study in permissiveness. Abacus, v. 11, n. 2, p. 167-171, 1975.




DOI: https://doi.org/10.14295/idonline.v13i44.1652

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A Id on Line (ISSN: 1981-1179) é indexada nas seguintes bases de dados: