A Subida de Clítico no Português Brasileiro: O Caso das Passivas / The Clitic Climbing in Brazilian Portuguese: The case of the passive sentences

Raiana Cristina Dias da Cruz, Cristiane Namiuti

Resumo


O fenômeno entendido como subida de clítico (clitic climbing) caracteriza-se nos casos em que, numa sentença com dois ou mais verbos, ocorre um pronome clítico ligado ao verbo que não lhe fez atribuição de papel temático. O verbo que pode atribuir papel temático é o chamado “verbo principal”. Diz-se que houve subida de clítico quando o clítico se liga ao verbo auxiliar (seja como próclise ou como ênclise). Trata-se de um fenômeno presente, em geral, nas línguas românicas. O presente artigo discute, a partir da teoria gerativista, sobre a possibilidade de subida de clítico em construções passivas no Português Brasileiro (PB). Concluiu-se que a variação subida/não-subida de clítico é gerada por uma competição de gramáticas, o que indica que “o particípio da passiva teria diferentes estruturas em cada gramática”.

 


Palavras-chave


Subida de Cíclico, Teoria gerativista, Português brasileiro

Texto completo:

PDF PDF

Referências


ABAURRE, M. B.; GALVES, C. M. C. Os clíticos no português brasileiro: elementos para uma abordagem sintático-fonológica. In: CASTILHO, A. T. de; BASÍLIO, M. Gramática do português falado, vol IV - Estudos descritivos. Campinas: Editora da Unicamp, 1996. p. 267-312.

ANDRADE, Aroldo Leal de. A subida de clíticos em português: Um estudo sobre a variedade europeia dos séculos XVI a XX. Tese de Doutorado. Campinas, SP [s.n.]: 2010. Disponível em: http://www.tycho.iel.unicamp.br/~tycho/pesquisa/monografias/ANDRADE_A-Dr.pdf. Acesso em 30/09/2015, às 20h38m.

AUGUSTO, Marina R. A. CORRÊA, Letícia M. Sicuro. DEL, movimento sintático e o caso das passivas: Considerações a partir de um modelo formal. Disponível em ------ VEREDAS ONLINE – ESPECIAL – 2012, P. 237251 – PPG LINGUÍSTICA/UFJF – JUIZ DE FORA-MG.

CÂMARA JR, Joaquim. Estrutura da Língua Portuguesa. 18ª ed. Rio de Janeiro: Vozes, 1970.

CYRINO, Sônia. Mudança sintática no português brasileiro: a perda de predicados complexos. In: LOBO, Tânia [et al.] / Organizadoras. ROSAE: linguística histórica, história das línguas e outras histórias. Salvador: EDUFBA, 2012. pp.138 -159.

GALVES, C.; NAMIUTI, C.; PAIXÃO DE SOUSA, M.C. (2006). Novas perspectivas para antigas questões: A periodização do português revisitada. In ENDRUSCHAT, A.; KEMMLER, R.; SCHÄFER-PRIEß, B. (Orgs) Grammatische Strukturen des europäischen Portugiesisch: Synchrone und diachrone Untersuchungen zu Tempora, Pronomina, Präpositionen und mehr. Tübingen: Calepinus Verlag, 2006.

GONÇALVES, A. Aspectos da Sintaxe dos Verbos Auxiliares do Português Europeu. In: COLAÇO, M. et al. Quatro Estudos em Sintaxe do Português. Lisboa: Edições Colibri, 1996. p. 7-50.

KENEDY, E. Gerativismo. In: Mário Eduardo Toscano Martelotta. (Org.). In.: Manual de lingüística. São Paulo: Contexto, 2008, v. 1, p. 127-140. Disponível em < www.professores.uff.br/eduardo/artigos.../manualdelinguistica_2008.pdf >Acesso em 07 jun.2014.

KANTHACK, G. S. Clíticos no Português Brasileiro. Tese de Doutorado. Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2002.

MIOTO, Carlos. Novo manual de sintaxe/Carlos Mioto, Maria Cristina Figueiredo Silva, Ruth Elisabeth Vasconcellos Lopes. Florianópolis: Insular, 3ª ed. 2007. Disponível em < https://www.passeidireto.com/.../novo-manual-desintaxe_carlos-mioto>. Acesso em 10 jun.2014.

REIS, Fernanda Elena de Barros. A perda da subida de clítico no português brasileiro: séculos XIX e XX. Dissertação de mestrado. Campinas, SP: 2011.

SILVEIRA, Gessilene. O comportamento sintático dos clíticos no Português Brasileiro. Dissertação de Mestrado. Florianópolis, SC, 1997.




DOI: https://doi.org/10.14295/idonline.v13i44.1626

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A Id on Line (ISSN: 1981-1179) é indexada nas seguintes bases de dados: