Ingresso e Permanência no Trabalho e Emprego por Sujeitos LGBT+ em Belo Horizonte, Brasil / Access to and Continuation of Work and Employment by LGBT+ People in Belo Horizonte, Brazil

Henrique da Silveira Zanin, Leandro dos Santos Ferreira, Luiz Paulo Ribeiro

Resumo


Este artigo contextualiza desafios das minorias sexuais e de gênero nas relações de emprego e trabalho em Belo Horizonte/MG. Realizou-se estudo quantitativo por meio de questionário estruturado que foi aplicado por conveniência e disponibilidade. Das respostas coletadas, 133 delas atendiam aos critérios se considerar LGBT+ e residir em Belo Horizonte. A amostra foi composta por gays, lésbicas, bissexuais, trangêneros, dentre outros. Os dados foram analisados a partir de estatística básica e análise de conteúdo lexical. Constatou-se que 0,33 está desempregado ou no mercado informal, 0,37 recebe mensalmente até um salário mínimo e somente 0,16 afirma ser altamente respeitado no trabalho. A maioria não conhece nenhuma empresa pró-LGBT (0,57) e medo é o principal motivo para não se assumir no trabalho (0,55). Percebeu-se a importância das políticas de inclusão e igualdade nas empresas, para que esse grupo experimente bem-estar no trabalho, visto que enfrentam dificuldades cotidianas, mesmo na utilização de banheiros.


Palavras-chave


População LGBTQIA+; mercado de trabalho; empregabilidade; preconceito

Texto completo:

PDF

Referências


ADELMAN, Meryl; AJAIME, Emmanoelle; LOPES, Sabrina Bandeira; SAVRASOFF, Tatiana. Travestis e transexuais e os outros: identidade e experiências de vida. Gênero, Niterói, v. 04, n. 01, p. 65-100, 2003.

ARAÚJO, Luiz Alberto David. A proteção constitucional do transexual. São Paulo: Saraiva, 2000.

BISCALCHIM, Silvia Maria; ARAUJO, Reinaldo Kovalski de. Políticas públicas para ingresso da(o) jovem LGBT no mercado. Universidade Federal do Paraná. Curitiba, 2016.

CAMARGO, B.; JUSTO, A.. Tutorial para uso do software de análise textual IRAMUTEQ. Florianópolis: Laboratório de Psicologia Social da Comunicação e Cognição (LACCOS) – UFSC, 2013. Disponível em: www.iramuteq.org/documentation/fichiers/tutoriel-en-portugais

CARRIERI, Alexandre de Pádua; SOUZA, Eloisio Moulin de; AGUIAR, Ana Rosa Camillo. Trabalho, violência e sexualidade: estudo de lésbicas, travestis e transexuais. Revista de Administração Contemporânea. v. 18, n. 1, p. 78-95, 2014.

CUNHA, Leandro Reinaldo da; RIOS, Vinícuis Custódio. Mercado transgênero e a dignidade da pessoa humana sob perspectiva do capitalismo humanista. Revista dos tribunais, São Paulo, v. 972, out. 2016.

DEBELUCK, Barbara; TIMM, Nicolle. Famecos lança estudo sobre conceitos de família: levantamento foi feito pelo Núcleo de Tendências e Pesquisa do Espaço Experiência .Net, Rio Grande do Sul, nov. 2015. Seção Produção Notícias. Disponível em: . Acesso em: 15 jul. 2018.

DEJOURS, Christophe. A loucura do trabalho: estudo de psicopatologia do trabalho. São Paulo: Cortez-Oboré, 1998.

DONNELLY, Jack. Universal Human Rights: in theory & practice. 2. ed. Nova Iorque: Cornell University, 2003.

FREITAS JUNIOR, Antônio Rodrigues de. Direito do trabalho e direitos humanos. São Paulo: BH, 2006.

FREITAS JUNIOR, Antonio Rodrigues de. O trabalho à procura de um direito: crise econômica, conflitos de classe e proteção social na Modernidade. Estudos Avançados, São Paulo, v. 28, n. 81, p. 69-93, 2014.

GEOFFROY, Marie; CHAMBERLAND, Line. Discrimination des minorités sexueles et de genre au travail: quelles implications pour la santé mentale?. Santé mentale au Québec, vol. 40, n. 3, p. 145-172, 2015.

GOMES, Fábio Rodrigues. O Direito Fundamental ao Trabalho: Uma Miragem Discursiva ou uma Norma Efetiva? In: Daniel Sarmento. Direitos Sociais: Fundamentos, Judicialização e Direitos Sociais em Espécie. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2008.

INSTITUTO BRASILEIRO DE OPINIÃO PÚBLICA E ESTATÍSTICA. 2013. Disponível em: . Acesso em: 28 jul. 2018.

INTERNATIONAL LESBIAN, GAY, BISEXUAL, TRANS AND INTERSEX ASSOCIATION. Annual report 2017. 2018. Disponível em: . Acesso em: 20 set. 2018.

IRIGARAY, Helio Arthur reis; SARAIVA, Luiz Alex; CARRIERI, Alexandre de Padua. Humor e Discriminação por Orientação Sexual no Ambiente Organizacional. RAC Eletrônica, v. 14, p. 890-906, Set./Out. 2010.

IRVING, Dan. Trans Women’s Un(der)-employment Experiences in Post-Fordist Society. Australian Feminist Studies, Sydney, v. 30, n. 83, p. 50-64, 2015.

LAVINAS, Lena. Empregabilidade no brasil: inflexões de gênero e diferenciais femininos. Rio de Janeiro, setembro de 2001. Disponível em: http://repositorio.ipea.gov.br/bitstream/11058/2064/1/TD_826.pdf

MARTINS, Cícero Felix. Gênero e Sexualidade na Educação Contemporânea. Id on Line Revista Multidisciplinar e de Psicologia, vol. 10, n. 33, Supl 2. p. 257-270, jan. 2017. Disponível em: .

MELO, Miguel Ângelo Silva de; SILVA, Isaac de Oliveira Magalhães; DIAS, Karollyne Magalhães; GOMES FILHO, Antoniel dos Santos. A Homofobia como Signo Ideológico dos Crimes de Ódio: Uma Análise da Argumentação Discursiva sobre os Direitos LGBT’S. Revista Multidisciplinar e de Psicologia, vol. 11, n. 38, p. 57-79, 2017. Disponível em: .

MENEGON, Leticia Fantinato; CASADO, Tania. Amor à primeira vista: o desafio da licença maternidade dupla. Revista Brasileira de Casos de Ensino em Administração, v. 5, n. 2, p. 1-13, 2015.

PILLAY, Navi. Nascidos Livres e Iguais: Orientação sexual e identidade de gênero no regime internacional de direitos Humanos. Brasília: UNAIDS, 2013.

RENAUT, Luiz Otávio Linhares; RIOS, Maria Isabel Franco Rios. Discriminação: desdém da pessoa humana em branco e preto. In: Luiz Otávio Linhares Renault; Márcio Túlio Viana; Paula Oliveira Cantelli. (Org.). Discriminação. 2. ed. São Paulo: LTr, 2010.

RILEY, Donna. LGBT-Friendly Workplaces in Engenineering. Leadership & Management in Engineering, v. 8, n. 1, p. 19-23, 2008.

SALES, Ricardo Gonçalves de. Políticas de respeito à diversidade sexual no ambiente de trabalho: análise das percepções sobre o papel da comunicação em organizações participantes do Fórum de Empresas e Direitos LGBT. Dissertação (Mestrado em Ciências da Comunicação). Universidade de São Paulo. São Paulo, 2017, 135p.

SAMPAIO, Juciana de Oliveira. Redes sociais engendradas: notas sobre o caráter associativo entre os travestis em São Luis, Maranhão. In: ENCONTRO INTERNACIONAL FAZENDO GÊNERO, 8., 2008, Florianópolis. Anais... Florianópolis, 2008. p. 1-7.

SINGH, Aanneliese A.; MENG, Sarah E.; HANSEN, Anthony W. “I am my own gender:” Resilience strategies of trans youth. Journal of Counseling & Development, v. 92, n. 2, p. 208-218, Apr. 2014.

SIQUEIRA, Marcus Vinicius Soares ; SARAIVA, Luiz Alex Silva; CARRIERI, Alexandre de Pádua: LIMA, Helena Karla Barbosa; ANDRADE, Augusto José de Abreu. Homofobia e violência moral no trabalho no Distrito Federal. Organizações & Sociedade, v. 16, n. 50, art. 3, p. 447-461, 2009.

SOUZA, Alberto Carneiro Barbosa de. Travesti – prostituição, sexo, gênero e cultura no Brasil. Ciência e Saúde Coletiva, v. 14, n. 4, p. 1309-1310, jul. 2009.

TRADES UNION CONGRESS – TUC. The Cost of Being Out at Work LGBT+ : workers' experiences of harassment and discrimination. Londres: Trades Union Congress, 2017. Disponível em : https://www.tuc.org.uk/sites/default/files/LGBTreport17.pdf. Acesso em: 20 mai. 2018.

YILMAZ, Volkan; GÖÇMEN, İpek. Denied Citizens of Turkey: Experiences of Discrimination Among LGBT Individuals in Employment, Housing and Health Care. Gender, Work & Organization, New Jersey, v. 23, n. 5, p. 470-488, Sep. 2016.




DOI: https://doi.org/10.14295/idonline.v13i44.1624

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A Id on Line (ISSN: 1981-1179) é indexada nas seguintes bases de dados: