Tempo de Leitura e Acurácia na Conversão Grafofonêmica na Relação entre Fluência e Compreensão Leitora / Reading Time and Accuracy in Grafophonic Conversion in the Relationship between Fluency and Reading Comprehension

Cristiane Vieira Costa Abreu, Ronei Guaresi

Resumo


Sustentado em pressupostos teóricos psicolinguísticos, no tocante ao processamento cognitivo da leitura, inclusive e especialmente por meio dos modelos Botton-up e Top-down e Dupla Rota e, ainda, em estudos de revisão de literatura que tratam da relação entre fluência e compreensão leitora, este estudo objetiva avaliar a relação entre fluência e compreensão leitora. Avaliou-se a fluência leitora por meio do tempo disponibilizado para a leitura oral e pelo critério precisão de conversão grafema-fonema e a compreensão leitora, mediante respostas escritas de questões abertas de compreensão do texto lido. Participam da pesquisa 191 estudantes do 4º ano do ensino fundamental, entre 9 e 13 anos, de ambos os sexos, de escolas pública e particular do interior da Bahia. Observamos, a partir de dados preliminares, uma correlação forte entre as duas variáveis estudadas, quanto menor o tempo de leitura maior a compreensão leitora e menor a ocorrência de trocas, omissões, repetições, adições e inversões de letras, silabas ou/e palavras na conversão grafofonêmica. Leitores  mais fluentes usam, preferencialmente, a rota lexical e o modelo descendente. Leitores menos fluentes  utilizam, preferencialmente, a rota fonológica e o modelo ascendente. Ao que parece, a falta de reconhecimento automatizado dos grafemas impõe maior custo de processamento cognitivo, ou seja, o processamento pelas vias fonológica e ascendente parece consumir a gama essencialmente limitada de recursos cognitivos da memória de trabalho, como consequência, restam  poucos recursos cognitivos para acesso ao significado.


Palavras-chave


Acurácia. Fluência. Compreensão. Cognição

Texto completo:

PDF

Referências


ANDERSON, J. Memória e Aprendizagem. Rio de Janeiro: Livros Téc. e Cient. Editora 2005.

BECKER, S.; O., WÖßMANN, L. Was Weber wrong? A human capital theory of protestant economy history. The Quarterly Journal of Economics, may 2009, p. 531-596.

BOUJON, C.; QUAIREAU, C. Atenção e aproveitamento escolar. Tradução de Ana Paula Castellani. São Paulo: Loyola, 2000.

BOVO, E. B. P.; LIMA, R. F. de; SILVA, F. C. P. da; CIASCA, S. N. Relações entre as funções executivas, fluência e compreensão leitora em escolares com dificuldades de aprendizagem. Revista Psicopedagogia, 2016; v. 33, n. 102: p. 272-282.

COLTHEART, M.; CURTIS, B.; ATKINS, P.; HALLER, M. Models of reading aloud: Dual-Rote and parallel-distributedprocessing approaches. Psychological Review, v. 100, n. 4, p. 589-608, 1993.

DANCEY, C.P.; REIDY, J. Estatística sem matemática para psicologia: usando SPSS para

Windows. Porto Alegre: Artmed; 2006.

DEHAENE, S. Os neurônios da leitura: como a ciência explica a nossa capacidade de ler. Porto Alegre: Editora Penso, 2012.

ELLIS, A. W.; YOUNG, A. W. Human Cognitive Neuropsychology. London: Lawrence Erlbaum Associates, 1988.

ELLIS , A. W. Leitura, escrita e dislexia: uma análise cognitiva. Porto Alegre: Artes Médicas, 1995.

GUARESI, R. Repercussões de descobertas neurocientíficas ao ensino da escrita. Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade. Salvador, v. 23, n. 47, p. 51-62, jan./jun., 2014.

HILLIS, A. E.; CARAMAZZA, A. The reading process and its disorders. In: MARGOLIN, D. I. (Org.). Cognitive neuropsychology in clinical practice. New York, Oxford: Oxford University Press, 1992. p. 229-261.

MACHADO, G. Aspectos cognitivos envolvidos no processamento da leitura: contribuição das neurociências e das ciências cognitivas (p. 154- 157 ). In: PEREIRA, V. W.; GUARESI, R. (orgs.) Estudos sobre Leitura: Psicolinguística e Interfaces. EDIPUCRS. Porto Alegre, 2012. Disponível em: . Acesso em: 25 jul. 2016.

MORAIS, J.; LEITE, I.; KOLINSKY, R. Entre a pré-leitura e a leitura hábil: Condições e patamares da aprendizagem. In: MALUF, M. R.; CARDOSO-MARTINS. Alfabetização no século XXI Porto Alegre: Editora Penso, 2013

PEREIRA, V. W. Aprendizado da leitura e consciência linguística. In: IX ENCONTRO DO CELSUL, Palhoça, SC. Anais... Palhoça: Universidade do Sul de Santa Catarina, 2010, p. 1-11.

SAUSSURE, F. de. Curso de Lingüística Geral. 2º. ed. São Paulo: Cultrix, 2006

SALLES, J. F.; PARENTE, M. A. M. P. Processos cognitivos na leitura de palavras em crianças: relações com compreensão e tempo de leitura. Psicologia: Reflexão e Crítica, 15, 2002

SCLIAR-CABRAL, L. Processamento bottom-up na leitura. Veredas On-line – Psicolinguística – 2/2008, p. 24-33 – PPG LINGÜÍSTICA/UFJF – Juiz de Fora - ISSN 1982-2243, 2008.

_______. Introdução à Psicolinguística. São Paulo: Ática, 1991.

SMITH, F. Leitura significativa. Porto Alegre: Artes Médicas, 1999.

SOLÉ, I. Estratégias de Leitura. Porto Alegre: Artes Médicas, 1998.

STREY, C. Resumo: a relevância do objetivo de leitura ( p.39-45). In: PEREIRA, V. W.; GUARESI, R. (orgs). Estudos sobre a leitura: Psicolinguística e interfaces. EDIPUCRS. Porto Alegre, 2012. Disponível em: . Acesso em: 28 mar. 2016.




DOI: https://doi.org/10.14295/idonline.v13i44.1616

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A Id on Line (ISSN: 1981-1179) é indexada nas seguintes bases de dados: