Percepção dos docentes sobre afetividade no ensino superior em um curso da área da saúde / Teachers' perception about affectivity in Higher Education in a Health course

Eliane Caldas da Silva, Marcele Pereira da Rosa Zucolotto

Resumo


Cada vez mais, devido a sua importância, o tema da afetividade entre os docentes e discentes no ensino superior está sendo objeto de estudos. O objetivo deste estudo é verificar quais são as percepções sobre a afetividade que os professores de Terapia Ocupacional têm nas suas práticas docentes. Este artigo é resultante de uma pesquisa de abordagem qualitativa, empírica e exploratória, que foi realizada com seis docentes dos cursos de Terapia Ocupacional de duas universidades do interior do Rio Grande do Sul. As respostas foram agrupadas de acordo com as semelhanças das mesmas e através das análises, percebeu-se que, embora os professores não tenham um conhecimento concreto sobre conceitos de afetividade, eles aplicam os princípios de afetividade. Espera-se que com este estudo incentive os docentes a buscarem um aprofundamento sobre a importância da afetividade em suas práticas docentes.


Palavras-chave


Afetividade. Práticas Docentes e Ensino Superior

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, F. Q.; GOMES I. M.; BRACHT, V. Bauman & a Educação. Belo Horizonte: Autentica. 2009.

ANASTASIOU, L. G. C.; Alves, L. P. (Orgs). Processos de ensinagem na universidade: pressupostos para as estratégias de trabalho em aula. Joinville: UNIVALLE, 2003.

AQUINO, Julio Groppa. A indisciplina e a escola atual. Revista Faculdade de Educação. São Paulo, v. 24, n.2, 1998, p. 181 -204.

ASCHIDAMINI, F; CRISTIANO, G. D; PERONDI, M. Um demarcador geracional para os jovens universitários. In Ribeiro, J. J; Perondi, M; Lacerda, M. P. C; Grosso, P. K. (orgs) Juventudes na Universidade: olhares e perspectivas. Porto Alegre, Redes Editora, 2014.

LEITE, S.A.S. Afetividade nas práticas pedagógicas. Temas em Psicologia, São Paulo, v. 20 n. 2, 2012, p. 355-368.

BOCK, A.M. B; FURTADO. O; TEIXEIRA.M.L.T. Psicologias: uma introdução ao estudo da psicologia. São Paulo, Editora Saraiva, 2011.

BRASIL. Referenciais para Formação de Professores. Brasília: Ministério da Educação. Secretaria da Educação Fundamental, 1999.

COSTA, J. S. Docência no ensino superior: Professor aluista ou professor pesquisador? Caderno Discente do Instituto Superior de Educação. Ano 2, n. 2. Aparecida de Goiânia, 2008.

DANTAS, H. A afetividade e a construção do sujeito na psicogenética. Em: LA TAILLE, Y. (org.). Piaget, Vygotsky e Wallon: Teorias Psicogenéticas em discussão. São Paulo: Summus Editorial, 1992

GRATIOT-ALFANDÉRY, H. Henry Wallon. Recife: Massangana, 2010.

ISAIA, S. M. A. Pedagogia Universitária e Aprendizagem. In: ENGERS, M. E. A.; MOROSINI, M. C. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2007.

LA TAYLE, Y. Ação moral e estereótipos culturais in ARANTES, V. A. (org.) Afetividade na escola: alternativas teóricas e práticas. São Paulo: Summus, 2003

LEITE, S.A.S. Afetividade nas práticas pedagógicas. Temas em Psicologia, São Paulo, v. 20 n. 2, 2012, p. 355-368.

LOPES, A.H.R.G.P. A pedagogia no divã: a Educação e a psicanalise de mãos dadas na busca pela emancipação dos educandos. Cadernos da pedagogia, São Carlos,

V. 5, n. 10, jan/jun., p. 2-17.

MAGALHÃES, S. M. O. Afetar e sensibilizar na educação: uma proposta transdisciplinar. Revista Linhas Críticas, Brasília, v. 17, n. 32, jan/abr., 2011, p. 163-181.

MATURANA, HUMBERTO. Ontologia del conversar. Revista Terapia Psicológica, Chile, n. 10, 1988.

OLIVEIRA, M. K. O problema da afetividade em Vygotsky. in: LA TAILLE, Y. (org.). Piaget, Vygotsky e Wallon: Teorias Psicogenéticas em discussão. São Paulo: Summus Editorial, 1992

RIBEIRO, M. L. A afetividade na relação educativa. Estudos de Psicologia, Campinas, v.27 n. 3, jul/set., 2010, p. 403-412.

RODRIGUES, ÂNGELA; ESTEVES, MANUELA. A análise de necessidades na formação de professores. Porto: Porto Editora, 1993.

SCOTT JUNIOR, V. A Afetividade na Formação de Professores Universitários, Licenciaturas, a Partir do Diálogo entre a Educação e o Direito. 2015. 112 f. Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação. Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria. 2015.

VYGOTSKY, L.S. Pensamento e Linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 1993

VYGOTSKY, L.S. A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

VYGOTSKY, L.S. O desenvolvimento psicológico na infância. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

WALLON, H. A evolução psicológica da criança. Lisboa: Edições 70, 1968.




DOI: https://doi.org/10.14295/idonline.v13i44.1599

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A Id on Line (ISSN: 1981-1179) é indexada nas seguintes bases de dados: