Um Estudo Sociofuncionalista das Variantes Negativas Não e Num / A Socio-functionalist study of the Negative Variants "Não" and "Num"

Savanna Souza de Castro Pereira, Valéria Viana Sousa

Resumo


Neste estudo investiga-se as variantes negativas não e num na oralidade, a fim de verificar quais as posições sintáticas que favorecem o uso das variantes, à luz da teoria Sociofuncionalista.  Têm-se a hipótese de que a variante não é categórica em contextos de respostas isoladas e em posição pós-verbal, entretanto, nas posições pré-verbal e dupla negação ocorrem à alternância entre o não e num. Sobre os fatores independentes sociais, acredita-se que o sexo masculino lidera o processo de variação linguística da negação em relação às mulheres. Os dados analisados nesta pesquisa foram retirados dos Corpora Português Popular e Culto de Vitória da Conquista, e submetidas à análise quantitativa. Em suma, nos resultados obtidos verificou-se que a posição pré-verbal favorece tanto a variante negativa não quanto a reduzida, num. Quanto ao fator extralinguístico sexo constatou-se que as mulheres estão propagando a variante reduzida, num, contrariando, assim, a hipótese inicial.


Palavras-chave


NÃO, NEGATIVA, SOCIOFUNCIONALISMO

Texto completo:

PDF

Referências


BRAGA, L.; SILVA, J.F.T. Análise funcionalista das estratégias de negação do português oral culto de Fortaleza: um estudo de caso. Entrepalavras, Fortaleza – ano 1, v. 1, n.1 p. 69-84, ago/dez 2011

FURTADO DA CUNHA, M.A. Gramaticalização dos mecanismos de negação em Natal. In: MARTELOTTA, M. E.; VOTRE, S. J.; CEZARIO, M.M. (orgs.) Gramaticalização no português do Brasil. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1996. p.167-189.

LUCCHESI, D; ARAÚJO S. A Teoria da Variação Línguística. Disponível em: . Acesso em 19/07/2017

NARO, A. O dinamismo das línguas. In.: MOLLICA, C., BRAGA, M.L. (orgs.). Introdução à Sociolinguística: o tratamento da variação. São Paulo: Contexto, 2004, p.43-50.

NUNES, E. S. O. A negação do Português falado do Rio de Janeiro: um estudo baseado em corpus. 2014. Revista do SELL. v° 4 n° 1 p.1-19

REIMANN, C.A.; YACONVENO, L.C. A negação no português falado em Vitória/ES: atuação de fatores discursivos e pragmáticos. Anais do II CONEL- Congresso Nacional de Estudos Linguísticos. 2014. 35-37 p.

RONCARATI, C. A negação no português falado. In: MACEDO, A.T., RONCARATI, C. e MOLLICA, M.C. (Orgs).Variação e discurso – Rio de Janeiro, Tempo Brasileiro, 1996

SOUSA, L. VITRAL, L. Formas reduzidas do item “não” no Português Brasileiro” In: VITRAL, L.; COELHO, S. (orgs). Estudos de processos de gramaticalização em português: metodologia e aplicações- Campinas, SP: Mercado de Letras, 2010

TAVARES, M. A. A gramaticalização de e, aí, daí, e então: estratificação/variação e mudança no domínio funcional da sequenciação retroativo-propulsora de informações – um estudo sociofuncionalista. Tese de Doutorado – UFSC, Florianópolis, 2003




DOI: https://doi.org/10.14295/idonline.v13i44.1589

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A Id on Line (ISSN: 1981-1179) é indexada nas seguintes bases de dados: