Competições de conhecimentos universitários: Método inovador de incentivo à aprendizagem

Rivalina Maria Macêdo Fernandes, Martha Maria Macêdo Bezerra, Julyanne de Oliveira Paes Barretto, Athena de Albuquerque Farias

Resumo


As competições universitárias tem tomado cada vez mais espaço, principalmente por ser uma forma de descobrir talentos, encontrar soluções para problemas, premiar os vencedores por suas capacidades, e, principalmente, por ter se revelado como método eficaz no estímulo a aprendizagem estudantil, visto que desperta no estudante o desejo de se auto desafiar para fins de apresentar suas melhores habilidades. Este estudo discute as competições de conhecimentos universitários como metodologia ativa de incentivo a aprendizagem. Os resultados levam a crer que as competições acadêmicas são um método exitoso de incentivo a aprendizagem, configurando-se como algo favorável e complementar à formação estudantil. Mesmo assim ainda carece de critérios para uma formalização para que sejam incorporadas aos currículos, embora sejam reconhecidas como incentivo ao ensino e aprendizagem e, a aprimoração das capacidades e habilidades dos universitários.

 

 


Palavras-chave


Aprendizagem universitária, Metodologias ativas, Competições

Texto completo:

PDF

Referências


ALCADIPANI, R.; BRESLER, R. A macdonaldização do ensino. Carta Capital, 10 de Maio. São Paulo: Ed. 133, 1999.

BALLANTYNE, P. Challenge Prizes: A Practice Guide. England: NESTA – Center for Challenge Prizes, 2014.

BASTOS, Y. B.; KUULUVAINEN, S.; BRAGA, C. S. Leveraging the learning experiences in sustainability-oriented Challenge Prizes. Sweden: Blekinge Institute of Technology Karlskrona, 2015

BACKES, D. S.; MARINHO, M.; COSTENARO, R. S.; NUNES, S.; RUPOLO, I. Repensando o ser enfermeiro docente na perspectiva do pensamento complexo. Revista Brasileira de Enfermagem. Brasília, v. 63, n. 3, p. 421-426, mai./jun. 2010.

BEST, J. Prize proliferation. Sociological Forum, v.23, n.1, p.1-27, 2008.

BIGGS, J.; TANG, C. Teaching for quality learning at university. Buckingham: Society for research into higher education, 2007.

CHAHUÁN-JIMÉNEZ, K. Evaluación cualitativa y gestión del conocimiento. Educación y Educadores. Chia, v. 12, n. 3, p. 179-195, set./dez. 2009.

ENAGO ACADEMY. Qual a importância das competições acadêmicas? 2015. Disponível em: < http://www.enago.com.br/blog/qual-a-importancia-das-competicoes-academicas/>. Acesso em 20/12/2018.

FREY, B. S.; NECKERMANN, S. Awards: a view from psychological economics. Zeitschrift für Psychologie/Journal of Psychology, v. 216, n. 4, p. 198-208, 2008.

FREY, B. S.; GALLUS, J. Awards are a special kind of signal. Zurich: Center for Research in Economics, Management and the Arts (CREMA), 2014.

HADDAD, M. C. L.; VANNUCHI, M. T. O.; TAKAHASHI, O. C.; HIRAZAWA, S. A.; RODRIGUES, I. G.; CORDEIRO, B. R.; CARMO, H. M. Enfermagem médico-cirúrgica: uma nova abordagem de ensino e sua avaliação pelo aluno. Revista Latino-Americana de Enfermagem. Ribeirão Preto, v. 1, n. 2, p. 97-112, jul. 1993.

HARRISON, B.; JEPSEN, D. M. The career impact of winning an external work-related award. Journal of Vocational Behavior, v. 89, p. 21-31, 2015.

LOURENÇO, Abílio Afonso; DE PAIVA, Maria Olímpia Almeida. A motivação escolar e o processo de aprendizagem. Revista Interdisciplinar de Estudo da Cognição. v. 15, n. 2, 2010.

MASSETO, M. T. Novas tecnologias e mediação pedagógica. São Paulo: Papirus, 2007.

MCKINSEY AND COMPANY. And the winner is...Capturing the promise of philanthropic prizes, 2009. Disponível em: < https://www.mckinsey.com/industries/social-sector/our-insights/and-the-winner-is-philanthropists-and-governments-make-prizes-count >. Acesso em: 20/12/2018.

MEZZARI, A. O uso da Aprendizagem Baseada em Problemas (ABP) como reforço ao ensino presencial utilizando o ambiente de aprendizagem Moodle. Revista Brasileira de Educação Médica. Rio de Janeiro. v. 35, n. 1, p. 114-121, jan./mar. 2011.

NICOLINI, A. Qual será o futuro das fábricas de administradores? RAE, Salvador, v. 43, n. 2, p. 44-54, abr./jun. 2003.

OLIVEIRA, P. M.; MURITIBA, S. N; CASADO, T. Diferenças individuais dos estudantes e preferência por métodos de ensino em Administração: uma aplicação dos tipos psicológicos de Jung, 2005. Brasília – DF: Anais do ENANPAD, 2005.

PATI, Camila. 10 competições universitárias com prêmios de até R$ 58 mil. Revista Exame.com. Disponível em: . Acesso em: 20/12/2018.

PINHO, S. T.; ALVES, D. M.; GRECO, P. J.; SCHILD, J. F. G. Método situacional e sua influência no conhecimento tático processual de escolares. Motriz: Revista de Educação Física. Rio Claro, v. 16, n. 3, p. 580-590, jul./set. 2010

RANGEL, Mary. Métodos de ensino e aprendizagem e dinamização das aulas. Campinas: Papirus Editora, 3ed, 2005.

SPINK, P. A inovação na perspectiva dos inovadores. In: IX Congresso Internacional Del Clad Sobre La Reforma Del Estado Y De La Administración Pública, 2004, Madrid.

TEÓFILO, T. J. S.; DIAS, M. S. A. Concepções de docentes e discentes acerca de metodologias de ensino-aprendizagem: análise do caso do Curso de Enfermagem da Universidade Estadual Vale do Acaraú em Sobral – Ceará. Interface – Comunicação, Saúde, Educação. Botucatu, v. 13, n. 30, p. 137-151, jul./set. 2009.

WEINTRAUB, M.; HAWLITSCHEK, P.; JOÃO, S. M. A. Jogo educacional sobre avaliação em fisioterapia: uma nova abordagem acadêmica. Fisioterapia e Pesquisa. São Paulo, v. 18, n. 3, p. 280-286, jul./set. 2011.




DOI: https://doi.org/10.14295/idonline.v12i42.1588

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A Id on Line (ISSN: 1981-1179) é indexada nas seguintes bases de dados: