Cuidados e métodos não-farmacológicos de alívio da dor nas gestantes em trabalho de parto / Non-pharmacological Care and Methods of Pain Relief in Pregnant Women in Labor

Jayane Kelly Gomes de Melo, Marianna Leite Barroso, Juliana Saraiva de Alencar, Luiz Arthur Bevilaqua Bandeira, Antônio Marlos Duarte de Melo, Edmar Mesquita Neto, Gislene Farias de Oliveira

Resumo


A dor é uma experiência sensorial subjetiva, que pode alcançar diferente proporções a depender a pessoa, e, dentre várias causas das quais pode decorrer, representa um sinal de início de trabalho de parto para a paciente. O objetivo do presente estudo foi discutir, à luz da literatura sobre os cuidados e métodos não-farmacológicos de alívio da dor nas gestantes em trabalho de parto. Os resultados revelaram diversas estratégias, dentre elas:  o relaxamento, a terapia do toque, massagem, hidroterapia, técnicas de respiração. Concliu-se que são positivos os resultados do uso dessas estratégias não farmacológicas no trabalho de parto, como coadjuvante no alívio das dores, motivo pelo qual acreditamos ser importante o desenvolvimento de estudos mais contundentes acerca da temática.

 

 


Palavras-chave


Gestantes. Dor, Trabalho de parto

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, NAM, SILVEIRA, NA, BACHION, MM, SOUSA, JT. Concentração plasmática do hormônio adrenocorticotrófico de parturientes submetidas a métodos não farmacológicos de alívio da ansiedade e dor dor do parto. Rev Latino-am Enferm. ;13(2):223-8, 2015.

ALMEIDA, NAM, SOUSA, JT, BACHION, MM, SILVEIRA, NA. Utilização de técnicas de respiração e relaxamento para alívio de dor e ansiedade no processo de parturição. Rev Latino-am Enferm. 2005;13(1):52-8, 2005.

ALMEIDA, NAM, SOARES, LJ, SODRÉ, RLR, MEDEIROS, M. A dor do parto na literatura científica da Enfermagem e áreas correlatas indexada entre 1980-2007. Rev. Eletr. Enf., 10(4):1114-23, 2008.

ARAÚJO, LG, LIMA, DM, SAMPAIO, RF, PEREIRA, LS. Pain locus of control scale: adaptation and reliability for elderly. Rev Bras Fisioter, 14(5):438-45, 2010.

BACHMAN, JA. O controlo do desconforto. In BOBAK, Irene M.; LOWDERMILK, Deitra Leonard, 1999.

BALASKAS, J. Parto ativo: guia prático para o parto natural. São Paulo: Ground; 1993.

BOTTEGA, FH, FONTANA, RT. A dor como quinto sinal vital: utilização da escala de avaliação por enfermeiros de um hospital geral. Texto Contexto Enferm.; 19(2):283-90, 2010.

COUTO, G. Preparação para o parto. Loures: Lusociência, 2003.

CUNNINGHAM, F, GARY, ET AL. Obstetrícia. 4ª ed. Barcelona: Masson, 1996.

DAVIM, RMB, TORRES, GV, MELO, ES. Estratégias não farmacológicas no alívio da dor durante o trabalho de parto: pré-teste de um instrumento. Rev Latino-am Enferm.;15(6):1150-6, 2007.

DAVIM, RMB, TORRES, GV. Avaliação do uso de estratégias não farmacológicas no alívio da dor de parturientes. Rev Rene, 9(2):64-72, 2008.

FRÓIS, D; FIGUEIREDO, H. Atitudes terapêuticas não farmacológicas no alívio da dor. Viseu: Hospital de São Teotónio de Viseu. Acessível no Núcleo de Urgência de Obstetrícia/Ginecologia do HSTV, SA., Viseu, 2004.

KNOBEL R, RADÜNZ V, CARRARO TE. Utilização de estimulação elétrica transcutânea para alívio da dor no trabalho de parto: um modo possível para o cuidado à parturiente. Texto Contexto Enferm,14(2):229-36, 2005.

LOWDERMILK DL, PERRY SE, BOBAK IM. O cuidado em enfermagem materna. 5ª ed. Porto Alegre: Artmed; 2002.

MAZONI SR, FARIA DGS, MANFREDO VA. Hidroterapia durante o trabalho de parto: relato de uma prática segura. Arq Ciênc Saúde,16(1):40-4, 2009.

MELLO, LFD, NÓBREGA, LF, LEMOS, A. Estimulação elétrica transcutânea no alívio da dor do trabalho de parto: revisão sistemática e metanálise. Rev Bras Fisioter., 15(3):175-84, 2011.

NUNES, S, VARGENS, OMC. A crioterapia como estratégia para alívio da dor no trabalho de parto: um estudo exploratório. Rev Enferm UERJ, 15(3):337-42, 2007.

ORANGE, FA, AMORIM, MMR, LIMA, L. Uso da eletroestimulação transcutânea para alívio da dor durante o trabalho de parto em uma maternidade-escola: ensaio clínico controlado. Rev Bras Ginecol Obstet.,25(1):45-52, 2003.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE, Saúde Materna e Neonatal, Unidade de Maternidade Segura, Saúde Reprodutiva e da Família (1996). Assistência ao parto normal: um guia prático: relatório de um grupo técnico. Genebra: OMS.

OSÓRIO, SMB, SILVA JÚNIOR, LG, NICOLAU, AIO. Avaliação da efetividade de métodos não farmacológicos. Rev Rene, jan-fev; 15(1):174-84, 2014.

PORTO, AMF, AMORIM, MMR, SOUZA, ASR. Assistência ao primeiro período do trabalho de parto baseada em evidências. Femina., 38(10):528-37, 2010.

PORTUGAL. Ministério da Saúde. Direcção Geral da Saúde. Divisão de Doenças Genéticas, Crónicas e Geriátricas – Circular normativa nº 09/DGCG, de 14/06/2003. [Em linha]. 2003. A dor como 5º sinal vital registo da intensidade da dor.

REBERTE, LM, HOGA, LAK. O desenvolvimento de um grupo de gestantes com a utilização da abordagem corporal. Texto Contexto Enferm.,14(2):186-92, 2005.

ROCHA, A, MONTEIRO CFCBC, FERREIRA, M, DUARTE, J. Cuidados no alívio da dor: perspectiva da parturiente. Revista Millenium. Vol. 38 (2010), p. 299- 309, 2010.

SANTOS, PAN, SILVA, SR. O trabalho do PSF no incentivo ao parto normal atraves do uso de método psicossomático de alívio da dor - relato de caso. REME Rev Min Enferm.,11(1):36-40, 2007.

SESCATO, AC, SOUZA, SRRK, WALL, ML. Os cuidados não-farmacológicos para alívio da dor no trabalho de parto: orientações da equipe de enfermagem. Cogitare Enferm., 13(4):585-90, 2008.

SILVA, LM, BARBIERI, M, FUSTINONI, SM. Vivenciando as experiências da parturição em um modelo assistencial humanizado. Rev Bras Enferm., 64(1):60-5, 2011.

SOARES, GS, RODRIGUES, EM. Manual de recursos fisioterápicos. Rio de Janeiro: Revinter; 1998.

VARGENS, OMC, PROGIANTI, JM, SILVEIRA, ACF. O significado de desmedicalização da assistência ao parto no hospital: análise da concepção de enfermeiras obstétricas. Rev Esc Enferm USP, 42(2):339-46, 2008.

ZIEGEL, Erna E.e Cranley, Mecca S. (1985). Enfermagem obstétrica. 8ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan.




DOI: https://doi.org/10.14295/idonline.v13i44.1583

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A Id on Line (ISSN: 1981-1179) é indexada nas seguintes bases de dados: