Potencial Antimicrobiano do Óleo da Folha de Eucalyptus urograndis Frente Stafilococus aureus

Raquel Cotrim Cardoso, Allana Leão Alcântara, Flavio Mendes de Souza, Marcelo José Costa Lima Espinheira

Resumo


A busca por maneiras alternativas e não invasivas no controle de infecções tornou-se o principal objetivo de muitos grupos de pesquisa voltados para a química medicinal e farmacológica. Neste contexto é reconhecido, que diversas espécies de plantas podem ser utilizadas para fins profiláticos e curativos de infecções. O presente estudo tem por objeto a avaliação e determinação do potencial antimicrobiano do óleo essencial extraído do Eucalyptus urograndis através de técnicas de inibição na formação de colônias de bactérias do gênero Staphylococcus aureus ATCC 12692, Staphylococcus epidermides ATCC 12228 , Escherichia coli ATCC 29214 e técnica de disco-difusão. Os resultados indicam que o óleo extraído do Eucalyptus urograndis possui atividade antimicrobiana frente a Staphylococcus aureus. Porém se faz necessário à realização de estudo mais aprofundado para ponderar possíveis efeitos citotóxicos sobre as células eucariontes, a fim de julgar a possibilidade da criação de novos bioprodutos.

 

 


Palavras-chave


óleo, poder antimicrobiano, folha, eucalipto

Texto completo:

PDF

Referências


ANGIOSPERM PHYLOGENY GROUP. An update 4. of the angiosperm phylogeny group classification for the orders and families of flowering plants: APG III. Bot J LinSoc, v.161, n. 2, p. 105-21, out. 2009.

BACHIR, RG; BENALI, M. Antibacterial activity of the essential oils from the leaves of Eucalyptus globulus against Escherichia coli and Staphylococcus aureus. Asian Pac J Trop Biomed. 2012 Sep; 2(9): 739–742.

BARRY, A.L. Procedures and theoretical considerations for testing antimicrobial agents in agar media. In: Lorian, Antibiotics in Laboratory Medicine. 3. ed. Baltimore: The Williams & Wilkins Co., Md, 1991.

BAUER, A.W. et al. Antibiotic susceptibility testing by a standardized single disk method. Am. J. Clin. Microbiol. v. 40, p. 2413-5, 1966.

BRASIL . Ministério da Saúde. Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Departamento de Assistência Farmacêutica. Política nacional de plantas medicinais e fitoterápicos / Ministério da Saúde, Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos, Departamento de Assistência Farmacêutica. – Brasília: Ministério da Saúde, 2006. 60 p

BRISOLA, S.H; DEMARCO, D. Análise anatômica do caule de Eucalyptusgrandis, E. urophylla e E. grandis x urophylla: desenvolvimento da madeira e sua importância para a indústria. 2011.

BURT, S. Essential oils: their antibacterial properties and potential applications in foods - a review. International Journal of Food Microbiology. 2004; 94:223-53.

CARNEIRO, M.F.; et al. Tendências dos estudos com plantas medicinais no Brasil. RevSapiê: Soc Sab PrátEduc, v. 3, n. 2, p. 44-75, 2014.

DE PINHO, L. et al. Atividade antimicrobiana de extratos hidroalcoolicos das folhas de alecrim-pimenta, aroeira, barbatimão, erva baleeira e do farelo da casca de pequi. Ciência Rural, v. 42, n. 2, 2012.

DUARTE, P.L.; et al. Constituintes químicos e efeito ecotoxicológico de extratos de folhas de Eucalyptusurograndis. RevCientDeptoQuím Exatas, v. 1, p. 19-26, 2010.

FARIA, R.J.; et al. Desenvolvimento de Eucaliptus urograndis no município de Corumbá-GO.Ensaios e Ciência: Ciências Biológicas, Agrárias e da Saúde, v. 17, n. 2, 2013.

FUQUA, C., WINANS, S.C., GREENBERG, E.P. Census and consensus in bacterial ecosystems: the LuxR-LuxI family of quorum sensing transcriptional regulators. Annual Review of Microbiology. v. 50, p. 727-751, 1996.

GONÇALVES, A.L; ALVES FILHO L.; MENEZES H. Estudo comparativo da atividade antimicrobiana de extratos de algumas árvores nativas. ArqInstBiol 2005;72(3):353-8.

JORGENSEN, J.H. et al. Antimicrobial susceptibility tests: dilution and disk diffusion methods. In: Murray, R.P. et al. Manual of Clinical Microbiology. 7. ed. American Society for Microbiology, Washington DC, 1999, p.1526-43.

KIRBY E BAUER. Manual para antibiograma difusão em disco. Laborclin Produtos para Laboratórios Ltda. 2011.

LORENZI, H.; SOUZA, H. M. Plantas Ornamentais no Brasil. 3º ed. Instituto Plantarum: Nova Odessa, 2001.

MOTA, Valéria de Siqueira; TURRINI, Ruth Natalia Teresa; POVEDA, Vanessa de Brito. Atividade antimicrobiana do óleo de Eucalyptus globulus, xilitol e papaína: estudo piloto. Rev. esc. enferm. USP, São Paulo , v. 49, n. 2, p. 0216-0220, Apr. 2015 .

NATIONAL COMMITTEE FOR CLINICAL LABORATORY STANDARDS (NCCLS). Performance standards for antimicrobial disk susceptibility tests. Approved standards M7-A5. Wayne, PA, 2000.

NIKAIDO, H. Multidrugresistance in bacteria. AnnuRevBiochem. 2009;78:119-46.

PADOVANI CM, GRAZIANO KU, GOVEIA VR. Microbiological evaluation of different antiseptic povidone-iodine and chlorhexidine formulations after intentional contamination of containers. Rev Latino Am Enfermagem. 2008;16(6):1038-41.

PEREIRA, J.L. Composição química dos óleos essenciais de espécies de Eucaplyptus L' Herit (Myrtaceae). Universidade Federal de Viçosa, 2010.

RAHO GB, BENALI M. Antibacterial activity of the essential oils from the leaves of Eucalyptus globulus against Escherichia coli and Staphylococcus aureus. Asian Pac J Trop Biomed. 2012;2(9):739-42.

REIS, L.M.; RABELLO, B.R.; ROSS, C.; SANTOS, L.M.R. Avaliação da atividade antimicrobiana de antissépticos e desinfetantes utilizados em um serviço público de saúde. RevBrasEnferm. 2011;64(5):870-5.

SARTOR, R. B. Modelagem, Simulação e Otimização de uma Unidade Industrial de Extração de Óleos Essenciais por Arraste a Vapor. Dissertação (Mestrado em Pesquisa e Desenvolvimento de Processos). Escola de Engenharia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, 2009.

SILVA, J.L.; Antifungal activity using medicinal plant extracts against pathogens of coffee tree. Revista brasileira de plantas medicinais, v.16, n. 3, p. 539-544, 2014.

SILVA, M. G. F.; Atividade antioxidante e antimicrobiana in vitro de óleos essenciais e extratos hidroalcóolicos de manjerona (Origanum majorana L.) e manjericão (Ocimum basilicum L.). 2011. 70 f. Trabalho de Conclusão de Curso – Curso Superior de Química – Bacharelado em Química Industrial/Licenciatura em Química, Universidade Tecnológica Federal do Paraná. Pato Branco, 2011.

SOBRAL, M.; PROENÇA, C.; SOUZA, M.; MAZINE, F.; LUCAS, E. Myrtaceae in: Lista de Espécies da Flora do Brasil. Jardim Botânico do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 10 de jan. 2014.

TRABULSI, L. R.; ALTHERTHUM, F. Microbiologia. Staphylococcus aureus. São Paulo: Atheneu, 2005. cap. 20, p. 175-82.

TRIPATHI, K.D. Essentials of Medical Pharmacology 7th ed. New Delhi, India: Jaypee Brothers Medical Publishers. p. 696-697, 2013.

VITTI, A. M. S.; BRITO, J. O. Óleo essencial de Eucalipto, Ed. USP: São Paulo, 2003. In:Bruneton J.; Elementos de Fitoquimica y de Farmacognosia, Acribia: Zaragoza, 1992; Batista-Pereira, L. G.; Fernandes, J. B.; Corrêa, A. G.; da Silva, M. F. G. F.; Vieira, P. C.; J. Braz. Chem. Soc. 2006, 17, 555.

WARNKE, P.H; BECKER, S.T; PODSCHUN, R;SIVANANTHAN, S;SPRINGER, I.N; et al. The battle against multi-resistant strains: renaissance of antimicrobial essential oils as a promising force to fight hospital-acquired infections. J Craniomaxillofac Surg. 2009;37(7):392-7.

ZHANEL, G. G, et al. Antibiotic resistance in outpatient urinary isolates: Final results from the North American Urinary Tract Infection Collaborative Alliance (NAUTICA). Int J Antimicrob Agents. v. 26, p. 380–388, 2005.




DOI: https://doi.org/10.14295/idonline.v13i43.1573

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A Id on Line (ISSN: 1981-1179) é indexada nas seguintes bases de dados: