Análise do Conhecimento e Atitudes dos Profissionais das USFs da Zona Urbana sobre Notificação de Reações Adversas

Alana Ferraz Flores, Rodrigo Santos Damascena

Resumo


Os medicamentos são instrumentos indispensáveis no esquema terapêutico de diversas doenças, no qual, auxiliam na prevenção e progressão da mesma. As reações adversas aos medicamentos (RAM) são eventos imprevisíveis, de intensidade leve ou grave (como hospitalização, incapacidade e óbito) e que pode acometer qualquer pessoa quando administrar um medicamento em dose terapêutica. Objetivo: O presente estudo tem por objetivo analisar o conhecimento e atitudes dos profissionais das USFS da zona urbana sobre notificação de reações adversas. Materiais e Métodos: Trata-se de um estudo seccional descritivo conduzido no município de Vitória da Conquista por meio de um questionário estruturado e auto preenchido. A pesquisa envolveu 41 entrevistados de 3 categorias profissionais: 21 enfermeiros (51,22%), 12 médicos (29,27%) e 8 odontólogos (19,51%). Resultados e discussão: Observou-se predominância do gênero feminino (75,61%), bem como das faixas etárias de 36-40 (26,83%) e 41-45 anos (21,95%). A maioria dos entrevistados tinham acima de seis anos de formação (40%), a maioria (80%) porta títulos de especialização. A compreensão quanto ao nível de conhecimento acerca de RAM, apenas 46,34%(n=19) dos profissionais o classificaram como razoável e 41,46%(n=17) de forma satisfatória.  Os profissionais de Saúde da Família que participaram do presente estudo caracterizaram o conhecimento limitado sobre as notificações de reações adversas, o que evidencia a necessidade de ações estratégicas (palestras; distribuição de informativos e folhetos; capacitações) voltadas para a educação continuada da equipe multiprofissional. Conclusão: De acordo com os dados obtidos nesse estudo, conclui-se que o incentivo à notificação de RAM é considerado elemento chave para o fortalecimento dos sistemas de monitorização, utilizado pela farmacovigilância, sendo de suma importância para a melhoria da qualidade e do uso racional dos medicamentos. Porém, enfatiza-se a necessidade de capacitação como estratégia de preparação do profissional para notificação espontânea.

 



Palavras-chave


Conhecimento. Centros de Saúde. Área Urbana. Assistência Ambulatorial

Texto completo:

PDF

Referências


ADAMI, E., R.; CHEMIN., M., R., C.; FRANÇA, B., H., S. Aspectos éticos e bioéticos da pesquisa clínica no Brasil. Estudos de Biologia, v. 36, 2014.

ARAÚJO, M. da C. F. et al. Perfil de Não Adesão ao Tratamento de Usuários com Diabetes e Hipertensão em uma Unidade de Saúde da Família. Ensaio e Ciência: Biológicas, Agrárias e da Saúde, [s.l.], v. 20, p. 43–48, 2016.

BARRETO, G., G; SIMÕES, M., J., S. Fatores relacionados à adesão das drogarias e farmácias de Tatuí-SP no projeto “Farmácias Notificadoras”. Revista de Ciências Farmacêuticas Básica e Aplicada, v. 29, n.1, p. 59-68, 2008.

BERTOLDI, A., D.; DAL PIZZOL, T., DA S.; RAMOS, L., R.; MENGUE, S., S.; LUIZA, V., L.; TAVARES, N., U., L.; FARIAS, M., R.; OLIVEIRA, M., A.; ARRAIS, P., S., D. Perfil sociodemográfico dos usuários de medicamentos no Brasil: resultados da PNAUM 2014. Revista de Saúde Pública, v. 50, s. 2, 2016.

BOTH, J., S.; KAUFFMANN, C.; ELY, L., S.; DALL’AGNOL, R.; RIGO, M., P., M.; TEIXEIRA, M., F., N.; DE CASTRO, L., C. Cuidado farmacêutico domiciliar ao idoso: análise de perfil e necessidades de promoção e educação em saúde. Caderno Pedagógico, v. 12, n. 3, 2015.

DIAS, E. G.; SOUZA, E. L. S.; MISHIMA, S. M. Contribuições da enfermagem na adesão ao tratamento da hipertensão arterial : uma revisão integrativa da literatura brasileira. Revista de Epidemiologia e Controle de Infecção, [s.l.], v. 6, no 3, p. 138–44, 2016. ISSN: 2238-3360, DOI: 10.17058/reci.v6i3.7470.

DRESCH, C. A Farmacovigilância e a atenção primária à saúde: diálogo possível e necessário. Revista APS, v.9, n.1, p. 73-82, 2006.

FERREIRA, A., L.; ROCHA, C., P.; VIEIRA, L., M.; SANTÁNA DUSSE, L., M.; JUNQUEIRA, D., R., G.; CARVALHO, M., DAS G. Alterações hematológicas induzidas por medicamentos convencionais e alternativos. Revista Brasileira de Farmácia, v. 94, n. 2, p. 94-101, 2013.

FONTELES, M., M., DE F.; FRANCELINO, E., V.; SANTOS, L., K., X., DOS; SILVA, K., M.; SIQUEIRA, R.; VIANA, G., S., DE B.; VASCONCELOS, S., M., M., DE; SOUSA, F., C., F., DE; MONTEIRO, M., P. Reações adversas causadas por fármacos que atuam no sistema nervoso: análise de registros de um centro de farmacovigilância do Brasil. Revista de Psiquiatria Clínica, v. 36, n. 4, p. 137-44, 2009.

FREIRE, N. C. B. et al. REAÇÕES ADVERSAS RELACIONADAS À INFUSÃO DE CÉLULAS TRONCO HEMATOPOÉTICAS. Revista de Enfermagem UFPE on line, [s.l.], v. 9, p. 391–398, 2015. DOI: 10.5205/reuol.5221-43270-1-RV.0901supl201518.

FREITAS, J. G. A.; NIELSON, S. E. D. O.; PORTO, C. C. Adesão ao tratamento farmacológico em idosos hipertensos: uma revisão integrativa da literatura. Revista da Sociedade Brasileira de Clínica Medica, [s.l.], v. 13, no 1, p. 75–84, 2015. ISSN: 1679-1010.

GONÇALVES, M., J., C.; AZEVEDO JÚNIOR, S., A.; DA SILVA, J.; SOUZA, L., DO N. A importância da assistência do enfermeiro ao idoso institucionalizado em instituição de longa permanência. Revista Científica de Enfermagem, v. 5, n. 14, 2015.

GONÇALVES, S.S;RODRIGUES, HMS;JESUS, I.S.;CARNEIRO, JAO;LEMOS, G. Ocorrencia Clinica De Interações Medicamentosas Em Prescrições De Pacientes Com Suspeita De Reação Adversa Internados Em Um Hospital No Interior Da Bahia. Rev.Aten.Saúde,São Caetanodo Sul, [s.l.], v. 14, no 48, p. 32–33 ABR./JUN.29016, 2016. DOI: 10.13037/rbcs.vol14n48.3088.

GRANAS, A., G.; BUAJORDET, M.; STERBERG-NILSEN, H.; HARG, P.; HORN, A., M. Pharmacists’ attitudes towards the reporting of suspected adverse drug reactions in Norway. Pharmacoepidemiol. Drug Saf., v. 16, n. 4, p. 429-34, 2007

HERDEIRO, M., T.; FERREIRA, M.; RIBEIRO-VAZ, I.; JUNQUEIRA POLÓNIA, J.; COSTA-PEREIRA, A. O Sistema Português de Farmacovigilância. Acta Médica Portuguesa, v. 25, n. 4, p. 241-249, 2012.

IURAS, A. et al. Prevalência da automedicação entre estudantes da Universidade do Estado do Amazonas (Brasil). Revista Portuguesa de Estomatologia, Medicina Dentaria e Cirurgia Maxilofacial, [s.l.], v. 57, no 2, p. 104–111, 2016. ISSN: 16476700, DOI: 10.1016/j.rpemd.2016.01.001.

LIMA, T. A. M. De et al. Análise de potenciais interações medicamentosas e reações adversas a anti-inflamatórios não esteroides em idosos. Rev. Bras. Geriatria e Gerontologia, [s.l.], v. 19, no 3, p. 533–544, 2016.

MACEDO, G., R.; DO CARMO, B., B.; DE CASTRO, G., F., P.; CORREA, J., B. O poder do marketing no consumo excessivo de medicamentos no Brasil. Revista Transformar, 2016.

MASTROIANNI, P., C.; VARALLO, F., R.; BARG, M., S.; NOTO, N., A.; GALDURÓZ, J., C., F. Contribuição do uso de medicamentos para internação hospitalar. Revista Brasileira de Ciências Farmacêuticas, v. 45, p. 163-170, 2009.

MEDEIROS, J., C.; FERREIRA, S., C.; PAIXÃO, M., N., DE J. Conhecimento sobre reação adversa a medicamentos entre graduandos de farmácia e enfermagem. Revista de Pesquisa em Saúde, v. 18, n. 1, p. 13-17, 2017.

NUNES, C., R., DE M.; ALENCAR, G., DE O.; BEZERRA, C., A.; BARRETO, M., DE F., R.; SARAIVA, E., M., S. Panoramas das intoxicações por medicamentos no Brasil. Revista e-ciência, v. 5, n. 2, p. 98-103, 2017.

PENAFORTE, K. L. et al. Association between polypharmacy and the adherence to pharmacological treatment in patients with diabetes. Revista da Rede de Enfermagem do Nordeste, [s.l.], v. 18, no 5, p. 631–638, 2017. ISSN: 21756783, DOI: 10.15253/2175-6783.2017000500010.

PINHEIRO, H., C., G.; PEPE, V., L., E. Reações adversas a medicamentos: conhecimento e atitudes dos profissionais de saúde em um hospital-sentinela de ensino do Ceará-Brasil, 2008. Epidemiologia e Serviços de Saúde, v. 20, n. 1, 2011.

REMONDI, F. A.; CABRERA, M. A. S.; SOUZA, R. K. T. De. [Non-adherence to continuous treatment and associated factors: prevalence and determinants in adults 40 years and older]. Cad Saúde Pública, [s.l.], v. 30, no 1, p. 126–36, 2014. ISBN: 0102-311X, ISSN: 0102-311X, DOI: 10.1590/0102-311X00092613.

RESENDE, L.; SANTOS-. Fatores de risco associados às reações adversas a medicamentos antituberculose. ET J Bras Pneumol, [s.l.], v. 41, no 1, p. 77–89, 2015. ISSN: 18063756, DOI: 10.1590/S1806-37132015000100010.

SALES, C., C., F.; MESCHIAL, W., C.; OLIVEIRA, M., L., F., DE. Construção de oficinas pedagógicas para prevenção das intoxicações infantis. Arquivos de Ciências da Saúde da UNIPAR, v. 22, n. 1, 2018.

SEBASTIÃO, M. et al. Incidência de Reações Adversas a Medicamentos nos Serviços de Medicina e Terapia do Hospital Central Josina Machel , em 2014 Incidence of Adverse Reactions to Medicinal Products in Josina Machel Central Hospital during the Year of 2014. Revista Portuguesa de Farmacoterapia, [s.l.], v. 8, p. 105–111, 2016.

SILVA, N., R., DA; ABJAUDE, S., A., R.; MARQUES, L., A., M., RASCADO, R., R. Centro de Farmacovigilância da Unifal (CEFAL): promoção da segurança, efetividade e qualidade do medicamento. Cidadania em Ação: Revista de Extensão e Cultura, v.7, n. 1, 2013.

VIEIRA, M. A.; LUCIA, A.; ARRUDA, G. De. Produção bibliográfica sobre adesão/não-adesão de pessoas ao tratamento de saúde. REVISÃO REVIEW, [s.l.], p. 2299–2306, 2007. ISSN: 1413-8123, DOI: 10.1590/S1413-81232008000900034.




DOI: https://doi.org/10.14295/idonline.v13i43.1557

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A Id on Line (ISSN: 1981-1179) é indexada nas seguintes bases de dados: