A Percepção dos Trabalhadores Formais sobre a Gestão de Pessoas em Empresas Familiares

Inguily Maiane de Sousa Tavares, Larissa Vasconcelos Rodrigues

Resumo


No mundo corporativo contemporâneo, a gestão de pessoas tornou-se essencial no processo decisório bem como uma ferramenta de vital importância para as estratégias de empresas que buscam adquirir uma vantagem competitiva. É notório que a grande maioria das empresas existentes no país hoje são organizações familiares, como é o que mostra a pesquisa de Empresas Familiares no Brasil (2016), cerca de 80% das 19 milhões existentes. No Brasil, um estudo divulgado pela Fundação Dom Cabral – FDC em 2015 mostra que 60% dos empregos formais existentes são ofertados por empresas familiares. Entretanto, uma organização familiar só mantem-se próspera por muitos anos se possuírem um bom modelo de gestão administrativa e, sobretudo uma boa gestão de pessoas. Os meios utilizados para obtenção das informações que se utilizou para investigação seguiram os princípios metodológicos convencionais. O instrumento mais adequado para a pesquisa em questão é a utilização de um breve questionário com perguntas objetivas e/ou subjetivas que de acordo com Marconi e Lakatos (2008), procuram sempre esclarecer o objetivo da natureza e da importância da pesquisa. Através da pesquisa conclui-se que na percepção dos trabalhadores formais do atual mercado, a gestão de pessoas profissional é de fundamental importância para as organizações, sobretudo dos familiares, principalmente quando se pretende obter vantagens competitivas sobre seus concorrentes bem como quando se tratar de planejamento estratégico a fim de melhorar e inovar as técnicas administrativas da organização.


Palavras-chave


Empresa familiar; Gestão de Pessoas; Vantagens competitivas

Texto completo:

PDF

Referências


ARAUJO, L. C. Gestão de Pessoas. São Paulo: Atlas, 2006.

BELMONTE, V. A. B.; FREITAS, W. R. S. Empresas familiares e a profissionalização da gestão: estudo de casos em empresas paulistas. Rev. Adm. UFSM, Santa Maria, v. 6, n. 1, p. 71-90, JAN./MAR. 2013. Disponível em: Acesso em: 15 mar 2018.

BERTUCCI, J. L. de O. Mecanismos de governança e processos de sucessão: um estudo sobre a influência dos elementos da governança corporativa na orientação do processo sucessório em uma empresa familiar. Revista Brasileira de Gestão de Negócios, São Paulo, v. 11, n.31, p. 152-167, abr/jun. 2009.

BORNHOLDT, W. Governança na Empresa Familiar: implementação e prática. Porto Alegre: Bookman, 2005.

CAVEDON, N.R. ; FERRAZ, O. L. Os diferentes modelos de família e empresa familiar e seus respectivos valores: um olhar sobre as empresas comerciais em Porto Alegre. Organização & Sociedade, Salvador, v.10, n.27, maio/ago.2003.

COOPER, Donald R.; SCHINDLER, Pamela S. Métodos de Pesquisa em Administração. 7ª edição. Porto Alegre: Bookman, 2001.

CRESWELL, J. W. Projeto de Pesquisa: Método qualitativo, quantitativo e misto. Porto Alegre: Artmed, 2007.

DUTRA, J. S. Gestão de carreiras na empresa contemporânea. São Paulo: Atlas, 2010.

ENDEAVOR, 6 Ferramentas para fazer seu Planejamento Estratégico em 2017. Disponível em: Acesso em: 22 mar. 2018.

FLEURY, A.; FLEURY, M. T. L. Aprendizagem e inovação organizacional: as experiências de Japão, Coréia e Brasil. São Paulo, Atlas, 1995.

FLEURY, M. T. L.; FISCHER. R. M. (Orgs) Cultura e poder nas organizações. São Paulo: Atlas, 1989.

FORTES, B. J. et. al. Gestão de empresas familiares: Estudo de caso em uma empresa de confecções. 2013, 16 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Especialização) – Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria RS, 2013.

FREITAS, M. E. Cultura organizacional: formação, tipologias e impacto. São Paulo: Markron, 1991.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4ª ed. São Paulo: Atlas, 2009.

HART, S.; BANBURY, C. How strategy-making processes can make a difference. Trategic Management Journal, v. 15, n. 4, p. 251-69, 1994.

HAUGH, H.; MCKEE, L. The cultural paradigm of the smaller firm. Journal of Small Business Management, v. 42. n. 4, p 377-394, 2004.

LACOMBE, B. M. B.; TONELLI, M. J. O discurso e a prática: o que nos dizem os especialistas e o que nos mostram as práticas das empresas sobre os modelos de gestão de recursos humanos. Revista de Administração Contemporânea, Rio de Janeiro, v. 5, n. 2, Maio/Ago. 2001.

LEITE, R. C. As técnicas modernas de gestão de empresas familiares. In: GRZYBOVSKI, D.; TEDESCO, J. C. (Orgs). Empresa familiar: tendências e racionalidades em conflitos. 3a ed. Passo Fundo: UPF, 2002.

MACEDO, K. B. Empresa familiar brasileira: cultura, poder e decisão. Goiânia: Editora Terra – Universidade Católica de Goiás, 2001.

MAIA, T. S. T. Gestão de Pessoas: Particularidades de Empresas Familiares. Revista Pensamento Contemporâneo em Administração, RPCA. Rio de Janeiro. v. 3. n. 2. mai./ago. 2009. 71-85. 71 - ISSN 1982-2596. Disponível em: Acesso em: 15 mar. 2018.

MAIER, R. I.: CRUZ, H. A. Gestão de Recursos Humanos: um Estudo na Empresa Grupo Adservi Ltda. de SC. XI Simpósio de Excelência em Gestão Tecnológica – SEGT 2014. Disponível em < https://www.aedb.br/seget/arquivos/artigos14/45120583.pdf> Acesso em: 02 mar. 2018.

MARCONI, M. A.; LAKATOS, E. M. Técnicas de Pesquisa. 7. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

MARTINS, G. A. Manual para elaboração de monografias e dissertações. São Paulo: Atlas, 2002.

MAXIMIANO, A. C. A. Introdução à administração. 6. ed. São Paulo, Atlas,. 2004.

MAXIMIANO, A. C. A. Teoria Geral da Administração: Da Revolução Urbana à Revolução Digital. 6.ed. São Paulo, 2010.

MONTANA, P. J.; CHARNOV, B. H. Administração. 3.ed. São Paulo: Saraiva, 2010. 525 p. (Série Essencial). Paulo: Atlas, 2010. 491 p.

NETO, J. M. B. Como se faz pesquisa de opinião. Revista eletrônica PRPE. Fev. 2004. Disponível em Acesso em: 26 set. 2018.

PIROLO, M. A. M.; FOCHI, M. A. B. A pesquisa de opinião: o “ver” e o “fazer” das relações publicas. INTERCOM – Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação XXIV Congresso Brasileiro da Comunicação – Campo Grande /MS – setembro 2001. Disponível em Acesso em: 26 set. 2018.

POUTZIOURIS, P. The strategic orientation of owner-managers of small ventures: vidence from the UK small business economy. International Journal of Entrepreneurial Behaviour and Research, v.9, n.5, p.185-214, 2003.

ROCHA, C. H. M. Profissionalização x modernização: um estudo de caso de uma empresa familiar do setor têxtil. In: ENCONTRO NACIONAL DA ANPAD, 26, 2002, Salvador. Anais… Salvador: ANPAD, 2002.

SCHEIN, E. Coming a new awareness of organizational culture. Sloan Management Review, Cambrigde, v.10, n.3, p 36-48, 1984.

SHARMA, P.; CHRISMAN J. J.; HUA, J. H. Strategic Management of the Family Business: Past Research and Future hallenges. Family Business Review, v. 10, n. 1, p. 1-35, 1997.

SHARMA, P.; CHRISMAN, J. J.; CHUA, J. H. Strategic management of the family business: past research and future challenges. Family Business Review, v. 10, n.1, p.1-35, 1997.

SILVA, J. M.; SILVEIRA, S. Apresentação de trabalhos acadêmicos. Normas e técnicas. 2ª edição. Petrópolis, J: Editora Vozes, 2007.

VIDIGAL, A. C. A sobrevivência da empresa familiar no Brasil. Revista de Administração da USP. São Paulo, v. 35, n. 2, p. 66-71, abr/jun, 2000.

WRIGHT, P. M.; McMAHAN, G. C.; SNELL, S. A.; GEHART, B. Comparing line and HR executives’ perceptions of HR effectiveness: services, roles and contributions. Human Resource Management, vol. 40, n. 2, p. 111-123, Summer 2001.




DOI: https://doi.org/10.14295/idonline.v12i42.1440

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A Id on Line (ISSN: 1981-1179) é indexada nas seguintes bases de dados: