Avaliação do Uso de Plantas Medicinais na Academia da Saúde do Município de Rio de Contas/BA

Edlucio Souza Ramos, Rodrigo Santos Damascena

Resumo


Na contemporaneidade a utilização de plantas medicinais como escolha terapêutica está se baseando em uma demanda de público cada vez mais abrangente. O uso de plantas medicinais com intuito de tratar várias doenças é algo explícito que faz parte da cultura humana. O objetivo dessa pesquisa foi avaliar a utilização de plantas medicinais pelos usuários da Academia da Saúde localizada no município de Rio de Contas/Ba. A pesquisa foi do tipo quantitativa, envolvendo trabalho de campo, apresentando como instrumento de coleta de dados um questionário individualizado. O estudo analisou também questões culturais e econômicas da população, sendo importante o incentivo dessa temática etnobotânica e etnofarmacológica para o aumento de informações sobre as plantas medicinais. Foram entrevistadas 50 pessoas as quais citaram as espécies mais utilizadas, forma de preparo, parte da planta e indicação de uso. As espécies mais citadas apresentaram maior indicação como calmante, doenças crônicas, problemas digestivos, respiratórios e neurológicos. Entretanto, os resultados mostraram a necessidade de um profissional qualificado que forneça informações sobre a utilização.     

 



Palavras-chave


Plantas medicinais; Terapias alternativas; Academia da saúde.

Texto completo:

PDF

Referências


ANTONIO, G. D. FITOTERAPIA NA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE Interação de saberes e práticas de cuidado. Florianópolis. 2013.

ATANASOV, A. G. et al. Discovery and resupply of pharmacologically active plant-derived natural products: A review. Biotechnology Advances, v. 33, n. 8, p. 1582–1614, 2015.

BELTRÁN-RODRÍGUEZ, L. et al. Factors affecting ethnobotanical knowledge in a mestizo community of the Sierra de Huautla Biosphere Reserve, Mexico. Journal of Ethnobiology and Ethnomedicine, v. 10, n. 1, 2014.

BRASIL. MS elabora Relação de Plantas Medicinais de Interesse ao SUS 06/03/2009. Agência Saúde, p. 3–5, 2009.

BRASIL. Ministério da Saúde Portaria No 719 , DE 07 DE ABRIL DE 2011.

BRUNING, M. C. R.; MOSEGUI, G. B. G.; VIANNA, C. M. DE M. A utilização da fitoterapia e de plantas medicinais em unidades básicas de saúde nos municípios de Cascavel e Foz do Iguaçu - Paraná: a visão dos profissionais de saúde. Ciência & Saúde Coletiva, v. 17, n. 10, p. 2675–2685, 2012.

CARNEIRO, F. M. et al. Tendências Dos Estudos Com Plantas Medicinais No Brasil. Revista Sapiência: sociedade, saberes e práticas educacionais, v. 3, n. 2, p. 44–75, 2014.

CARVALHO, J. S. B. DE et al. Uso popular das plantas medicinais na comunidade da Várzea, Garanhuns-PE. Revista de Biologia e Ciências da Terra, v. 13, n. 2, p. 58–65, 2013.

CHELLAPPANDIAN, M. et al. Traditionally practiced medicinal plant extracts inhibit the ergosterol biosynthesis of clinically isolated dermatophytic pathogens. Journal de Mycologie Medicale, v. 28, n. 1, p. 143–149, 2018.

DE DAVID, M.; PASA, M. C. As plantas medicinais e a etnobotânica em Várzea Grande, MT, Brasil. Interações (Campo Grande), v. 16, n. 1, p. 97–108, 2015.

GADELHA, C. S. et al. Estudo bibliográfico sobre o uso das plantas medicinais e fitoterápicos no Brasil Bibliographical. Revista Verde (Mossoró – RN), v. 8, n. 5, p. 208 - 212, dezembro, 2013

HENRIQUE, B. et al. Importância do conhecimento tradicional no uso de plantas medicinais em Buritis , MG , Brasil. Revista do Centro de Ciências Naturais e Exatas - UFSM, 2014.

IBGE Cidades. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/ba/rio-de-contas/panorama. Acesso em 20 set. 2018

IBIAPINA, W. V. et al. INSERÇÃO DA FITOTERAPIA NA ATENÇÃO PRIMÁRIA AOS USUÁRIOS DO SUS. v. 12, n. 1, p. 58–68, 2014.

LALEYE, F. O. A. et al. Diversity, knowledge, and use of plants in traditional treatment of diabetes in the Republic of Benin. Ethnobotany Research and Applications, v. 14, n. October, p. 231–258, 2015.

MATSUCHITA, H. L. P.; MATSUCHITA, A. S. P. A Contextualização da Fitoterapia na Saúde Pública The Contextualization of Phytotherapy in Public Health. Uniciências, v. 19, n. 1, p. 86–92, 2015.

NASCIMENTO, W. M. C. et al. Plantas medicinais e sua utilização pelas comunidades do município de sobral, ceará. S A N A R E, Sobral, V.12, n.1, p. 46-53, jan./jun. – 2013

RAJ, A. J. et al. Indigenous uses of ethnomedicinal plants among forest-dependent communities of Northern Bengal, India. Journal of Ethnobiology and Ethnomedicine, v. 14, n. 1, p. 1–28, 2018.

ROSA, C. DA; CÂMARA, S. G.; BÉRIA, J. U. Representações e intenção de uso da fitoterapia na atenção básica à saúde. Ciência & Saúde Coletiva, v. 16, n. 1, p. 311–318, 2011.

SALTOS, R. V. A. et al. The use of medicinal plants by rural populations of the Pastaza province in the Ecuadorian Amazon. Acta Amazonica, v. 46, n. 4, p. 355–366, 2016.

SÜSSKIND, M. et al. Adverse drug reactions in a complementary medicine hospital: A prospective, intensified surveillance study. Evidence-based Complementary and Alternative Medicine, v. 2012, 2011.

TOMASI, E. ET AL. Características da utilização de serviços de Atenção Básica à Saúde nas regiões Sul e Nordeste do Brasil: diferenças por modelo de atenção. Ciencias & Saúde Coletiva, p. 4395–4404, 2011.

YEUNG, A. W. K.; HEINRICH, M.; ATANASOV, A. G. Ethnopharmacology-A bibliometric analysis of a field of research meandering between medicine and food science? Frontiers in Pharmacology, v. 9, n. MAR, 2018.

ZENI, A. L. B. et al. Utilização de plantas medicinais como remédio caseiro na Atenção Primária em Blumenau, Santa Catarina, Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, v. 22, n. 8, p. 2703–2712, 2017.

ZENI, A. L.; BOSIO, F. O uso de plantas medicinais em uma comunidade rural de Mata Atlântica – Nova Rússia, SC. Neotropical Biology and Conservation, v. 6, n. 1, p. 55–63, 2011.




DOI: https://doi.org/10.14295/idonline.v12i42.1416

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A Id on Line (ISSN: 1981-1179) é indexada nas seguintes bases de dados: