Atuação da Controladoria Geral no Planejamento Público Municipal: Análise da Controladoria Geral de Curaçá/BA

Silvana Rodrigues Paixão

Resumo


O presente estudo teve como objetivo analisar a atuação da Controladoria Geral no Planejamento Público Municipal, tendo como estudo central, a cidade de Curaçá. Para subsidiar o estudo, foi utilizada a pesquisa exploratória, bibliográfica, documental e de campo. Coletando os dados através da aplicação de questionário, direcionado a servidores que ocuparam o cargo de Controlador Geral do Município, entre o período de 2009 a 2018. Trazendo a experiência daqueles que ocuparam, nesse período. Podendo concluir, acerca da atuação da Controladoria no processo de Planejamento dos instrumentos que dão subsídio a gestão Municipal,  não obedece aos preceitos legais, tendo em vista que a Controladoria não participa de forma efetiva do Planejamento, carecendo que a partir dessa pesquisa, as gestões passem a ter outro olhar para a importante tarefa que a Controladoria Geral exerce, principalmente na segurança jurídica que garante no cumprimento das normas legais, bem como, na utilização do recursos públicos, visando o bem coletivo.



Palavras-chave


Controladoria Geral; Planejamento Público; Município de Curaçá

Texto completo:

PDF

Referências


ARAÚJO, Inaldo; ARRUDA, Daniel. Contabilidade Pública: Da teoria a prática. São Paulo: Saraiva, 2004.

BORGES, Carlos Alberto Nunes; CAMPOS, Sandra Maria de Carvalho. Implementação, Estudo e Avaliação dos Controles Internos. Belo Horizonte: TCEMG. 1999;

BOTELHO, Milton Mendes. Manual Prático de Controle Interno na Administração Pública Municipal. 2. ed. Curitiba: Juruá. 2008.

_________. Manual Prático de Controle Interno na Administração Pública Municipal. Curitiba: Juruá. 2005;

CARVALHO, Deusvaldo. Orçamento e Contabilidade Pública: Teoria, prática e mais de 700 exercícios. 3. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2007;

CASTRO, Domingos Poubel de. Auditoria e Controle Interno na Administração Pública. Evolução de Controle Interno no Brasil: do Código de Contabilidade de 1922 até a Criação da CGU em 2003. São Paulo: Atlas, 2008;

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL. Promulgada em 05 de outubro de 1988;

CRUZ, Flávio da; GLOCK, José Osvaldo. Controle Interno nos Municípios. Orientações para a Implantação com os Tribunais de Contas. 3. ed. São Paulo: Atlas. 2007;

FILHO, José dos Santos Carvalho. Manual de Direito Administrativo. 32. ed. Rio de Janeiro: Lúmen Júris. 2018;

Lei Complementar n.º 101, de 04 de maio de 2000. Lei nº 10.028, de 19 de outubro de 2000. Altera o Decreto-Lei nº 2.848, de 7 de dezembro de 1940. Código Penal, a Lei nº 1.079, de 10 de abril de 1950, e o Decreto-Lei nº 201, de 27 de fevereiro de 1967;

Lei nº 4.320, de 17 de março de 1964. Estatui Normas Gerais de Direito Financeiro para elaboração e controle dos orçamentos e balanços da União, dos Estados, dos Municípios e do Distrito Federal. 1964;

MAGALHÃES, Eliezer Forte Filho. Auditoria Contábil e Financeira em Entidades Governamentais. Fortaleza-Ceará: Gráfica VT. 1996;

MORAES, Antônio Carlos Flores de. Legalidade, Eficiência e Controle da Administração Pública. Belo Horizonte: Fórum. 2007;

MEIRELLES, Hely Lopes. Direito Municipal Brasileiro. 18. ed. São Paulo: Malheiros. 2017;

PISCITELLI, Roberto B; TIMBÓ, Maria Zulene Farias; ROSA, Maria Berenice. Contabilidade Pública: uma abordagem da administração financeira. São Paulo: Atlas, 2002;

SILVA, Lino Martins da. Contabilidade Governamental: Um enfoque administrativo. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2000.




DOI: https://doi.org/10.14295/idonline.v12i42.1332

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A Id on Line (ISSN: 1981-1179) é indexada nas seguintes bases de dados: