Administração Pública e Corrupção: A Ética no Combate à Improbidade Administrativa no Tribunal de Contas Estado de Alagoas

Marilda Mello Fontan de Mendonça Lopes, Graciela Fanego de Bianchi

Resumo


O trabalho que ora se apresenta, objetivou discutir acerca da ética no âmbito da Administração Pública e a importância de combater a improbidade administrativa no âmbito do Tribunal de Contas em Alagoas. Procurou-se estabelecer, acerca da Administração Pública e corrupção e qual é a relevância da ética dentro do Tribunal de Contas do Estado de Alagoas no combate à improbidade administrativa. O comportamento ético tem papel fundamental nesse contexto, o que exige padrões baseados em experiências conjunturais e contextuais segundo os preceitos e máximas morais. Utilizou-se uma pesquisa exploratória, descritiva, qualiquantitativa, longitudinal, baseada na pesquisa bibliográfica documental e sustentada nas análises do objetivo de expedientes selecionados no âmbito investigado. Cumpre destacar ainda que, este trabalho não tem delimitação temporal porque é longitudinal e abarca todo o desenvolvimento do fenômeno desde o início do Tribunal de Contas. Desta forma e perante essa linha de conduta que se abordou, ainda que de forma breve, este trabalho por meio de recursos bibliográficos e somados aos dados obtidos in loco no Tribunal de Contas do Estado de Alagoas, percebeu que a ética e a lealdade devem andar juntas, a fim de gerar positivas posturas e comportamentos inerentes às pessoas que possibilitem a prática de condutas morais significativas para o seu bom desempenho no Tribunal de Contas de Alagoas.

 

 


Palavras-chave


Ética. Corrupção. Tribunal de Contas. Improbidade Administrativa

Texto completo:

PDF

Referências


ADEODATO, J. M. Ética e retórica: para uma teoria da dogmática jurídica.

São Paulo, Saraiva, 2012.

ALAGOAS. TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO. Escola de Contas Públicas Conselheiro José Alfredo de Mendonça. Manual de Boas Praticas na Gestão Pública Municipal em Último Ano de Mandato. Maceió: TCE/AL, 2016.

BITTAR, E. C. B. Curso de ética jurídica: ética geral e profissional. (3. ed.) São Paulo: Saraiva, 2005.

BOYNTON, W. C. Auditoria. São Paulo: Atlas, 2002.

CAMPELO, V. Controle social da gestão pública. Revista do Tribunal de Contas dos Municípios do Estado do Ceará. (16. ed.) Ceará, 2004.

CENCI, A. V. O que é ética. (2. ed.) Passo Fundo: Batistel, 2001.

CUENCA, C. G. C. A corrupção na contratação pública na Europa. Salamanca: Ratio Legis, 2009.

FIGUEIREDO, C. M. C., & NÓBREGA, M. A R. Gestão Fiscal Responsável. Os municípios e a Lei de Responsabilidade Fiscal. Perguntas e respostas. Conselho Regional de Contabilidade do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, 2001.

GRANJEIRO, J. W. Administração Pública. 8. ed. Brasília: Vest-com, 2002.

HOFFMAN, K. D. Princípios de Marketing de serviços: conceitos, estratégias e casos. São Paulo: Cengage Learning, 2009.

LIMA, C. A. N. Administração Pública para concursos. Rio de Janeiro: Elsevier, 2005.

LIMA, D. V. Fundamentos da Auditoria Governamental e empresarial: com exercícios, questões e testes com respostas, destinados a concursos públicos. (2. ed.) São Paulo: Atlas, 2009.

MARRAS, J. P. Administração de Recursos Humanos: do operacional ao estratégico.(7. ed.) São Paulo: Futura, 2002.

MATIAS-PEREIRA, J. Finanças Públicas: a política orçamentária no Brasil. (3. ed.) São Paulo: Atlas, 2006.

MUKAI, T. A inconstitucionalidade da lei de improbidade administrativa – Lei Federal nº 8.429/92, Boletim de Direito Administrativo. Novembro, 1999.

NASH, L. L. Ética nas empresas. São Paulo: Makron Books, 2001.

PALETTA, F. A. C.E PALETTA, F. C. O Comportamento ético e sua Influência na era da informação. 2012. Disponível em:

PEIXE, B. C. S. Finanças públicas: controladoria governamental. (1. ed.) 4. tir. Curitiba: Juruá, 2006.

SEN, A. K. Desenvolvimento como liberdade. Traduzido por Laura Teixeira Motta. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

TAKEDA, T. O. Diferenciando a Administração Direta e Indireta. 2009. Disponível em: < http://www.jornaljurid.com.br/noticias/diferenciando-a-administracao-direta-da-indireta> Acesso em: 22 nov. 2016.

ZYLBERSZTAJN, D. Organização ética: um ensaio sobre comportamento e estrutura das organizações. Revista de Administração Contemporânea, Curitiba, v. 6, n. 2, 2002, mai./ago.




DOI: https://doi.org/10.14295/idonline.v12i41.1267

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A Id on Line (ISSN: 1981-1179) é indexada nas seguintes bases de dados: