As Políticas Educacionais e a Interface Neoliberal: A educação como um “Tesouro a descobrir”

Rebeca Baia Sindeaux, Francisco Wellery Gomes Bezerra, Maria Dulcinea Silva Loureiro

Resumo


Partindo da premissa de que o capitalismo tem a capacidade de, em momentos de crise, se erguer com mais força, este artigo se dispôs a analisar em que medida a crise contemporânea interfere na implantação de políticas educacionais na periferia do capital.  Para garantir o processo de reestruturação os capitalistas recorreram às políticas neoliberais, em que se exigia um tipo de trabalhador que atendesse as novas demandas produtivas. Neste cenário contemporâneo de crise, as determinações oriundas da agenda do capital internacional para educação, mais especificamente formuladas a partir de 1990 pela Conferência Mundial de Educação para Todos, patrocinada pelo Banco Mundial, podem ser consideradas como o marco na busca pelo ajuste da educação às necessidades do mercado, diante de um processo de reestruturação produtiva. Esse artigo faz uma revisão de literatura de obras que tratam dos impactos pós Conferência Mundial de Educação Para Todos na educação dos países da periferia do capital. As considerações deste artigo apontam para uma reflexão sobre como a “desejada” redução do Estado passa necessariamente pela conversão da Educação de um direito social a um serviço, o que atende aos interesses do capital financeiro como estratégia política de manutenção de um modo de produção pautado no consumo.

 

 


Palavras-chave


Educação. Crise. Neoliberalismo

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRADE, F. A.; FLORÊNCIO, L. R. S.; FERREIRA, T. M. S.; ARANHA, F. K. B. (Orgs.) LDB 20 anos: política história e espaços educacionais. Fortaleza: Edição UFC, 2016. 467p.

ANTUNES, R. Os Sentidos do Trabalho: Ensaio Sobre a Afirmação e a Negação do Trabalho. São Paulo: Boitempo, 2003.

ANTUNES, R. Adeus ao trabalho? Ensaio sobre as metamorfoses e a centralidade do mundo do trabalho. São Paulo: Cortez-Unicamp, 1999.

ARCE, A. Compre o kit neoliberal para a educação infantil e ganhe grátis os dez passos para se tornar um professor reflexivo. Educação Sociedade. vol. 22, nº 74, p. 251-283. São Paulo, 2001. ISSN 0101-7330.

CHARLOT, Bernard. Da relação com o saber às práticas educativas 1. ed. São Paulo: Cortez, 2014. [livro eletrônico]

COGGIOLA, O. Universidade e Ciência na Crise Global. São Paulo: Edições Pulsar, 2001.

DELORS, J. (org.) Educação: um tesouro a descobrir. 4. ed. São Paulo: Cortez; Brasília, DF: MEC: UNESCO, 2000.

DICIONÁRIO ONLINE DE PORTUGUES. Meritocracia. Disponível em: https://www.dicio.com.br/meritocracia/ Acesso em: 18/07/2018.

LEHER, R. Da Ideologia do Desenvolvimento à Ideologia da Globalização: A Educação como estratégia do Banco Mundial para o “Alívio” da Pobreza. Tese de Doutorado. SP, USP, 1998.

LEHER, R. Um Novo Senhor da Educação? A política Educacional do Banco Mundial para a periferia do capitalismo. Revista Outubro. São Paulo, nº 03, 1999.

LEHER, R. Políticas de educação para a América Latina: O Bird e as reformas neoliberais na educação. Debate. Disponível em http://www.apropucsp.org.br/revista/r05_r03.htm Acesso em 06/02/2009.

MÉSZÁROS, I. A crise estrutural do capital. Revista Outubro. São Paulo, nº 04, 2000.

NEVES, L. M. W. (org.) O empresariamento da educação: novos contornos do ensino superior no Brasil dos anos 1990. In Política neoliberal e educação superior. São Paulo: Xamã, 2002.

SAVIANI, D. História das idéias pedagógicas no Brasil. 2. ed. rev. e ampl. Campinas, SP: Autores Associados, 2008. – (Coleção memória da educação)

SHIROMA, E. O.; MORAES, M. C. M.; EVANGELISTA, O. (Orgs.) Política educacional. 4. ed., Rio de Janeiro: Lamparina, 2007.

SOUZA, S. A. Gestão escolar compartilhada: democracia ou descompromisso? São Paulo: Xamã, 2001.

TONET, I. A Educação Numa Encruzilhada. In: MENEZES, Ana Maria DORTA; FIGUEIREDO, Fábio FONSECA (Orgs.). Trabalho, Sociabilidade e Educação: Uma Crítica à Ordem do Capital. Fortaleza: Ed. UFC, 2003.

UNESCO. Educação da UNESCO para a América Latina e Caribe. Santiago, 1998.




DOI: https://doi.org/10.14295/idonline.v12i41.1266

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A Id on Line (ISSN: 1981-1179) é indexada nas seguintes bases de dados: