Sintomas de Ansiedade, Angina Pectoris e Diagnóstico de Pacientes Submetidos ao Cateterismo Cardíaco

Eliandra de Paula Cantoni, Michele Marinho da Silveira

Resumo


O objetivo desde estudo foi avaliar a relação entre sintomas de ansiedade, angina pectoris e o diagnóstico de pacientes submetidos ao cateterismo cardíaco. Foi utilizada a Escala de Ansiedade de Beck e um questionário sociodemográfico e de saúde. Participara m do estudo 30 sujeitos com idade entre 18 e 65 anos do setor de hemodinâmica de um hospital do interior do Rio Grande do Sul, Brasil submetidos ao procedimento. Os resultados indicaram que 24 (80%) indivíduos apresentam sintomas de ansiedade, não obtendo resultados de significância entre o diagnóstico de extensão da doença, porém 28 (93,3%) apresentam sintomas de angina, com a angina tipo fisgada a mais relatada 11 (36,7%). Pelo teste qui-quadrado observou-se que há diferença estatisticamente significativa entre angina e o diagnóstico de cinecoronariográfico (p=0,008). A maior parte dos pacientes com angina não possuía diagnóstico de doenças cardíacas 17 (56,7%), não apresentaram lesões obstrutivas, mas relatavam sentir angina e ansiedade.


Palavras-chave


Ansiedade; Doenças cardiovasculares; Cateterismo cardíaco; Angina pectoris.

Texto completo:

PDF

Referências


AMBAM, Programa Ansiedade. Transtornos de ansiedade. 2012. Disponível em: http://www.amban.org.br/content/textos-educativos

ARBEX, M. A., et al. Impact of outdoor biomassa in pollution on hypertension hospital admissions. Epidemiol Community Health, v. 64, n. 7, 573-579, 2011.

BARLOW, D. H. Psicopatologia: uma abordagem integrada (4a ed.). São Paulo: Cengage Learning, 2010.

BONOW, R. O. et al. Braunwald – Tratado de doenças cardiovasculares (9a ed.). Rio de Janeiro: Elsevier, 2013.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Acolhimento à demanda espontânea: queixas mais comuns na Atenção Básica / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. – Brasília: Ministério da Saúde, v. 2. n. 28, p. 01-290. 2012.

Braunwald, E. et al. ACC/AHA guideline update for the management of patients with unstable angina and non-ST-segment elevation myocardial infarction: summary article: a report of the American College of Cardiology/American Heart Association Task Force on Practice Guidelines (Committee on the Management of Patients With Unstable Angina). Circulation, v. 106, n. 14, p. 1893-900, 2002.

CHENIAUX, E. Manual de Psicologia. Rio de Janeiro-RJ: Gunabara Koogan, 2011.

CIRIC-ZDRAVKOVIC, S. V. et al. Anxiety in patients with acute coronary syndromes. The European Journal of Psychiatry, v. 28, n. 3, p.165-171, 2014.

CUNHA J. A. Manual da versão em português das Escalas Beck. São Paulo-SP: Casa do Psicólogo, 2001.

DESTÊRRO, V. Ansiedade. 2013. Disponível em: http://www.sbmfc.org.br/default.asp?site_Acao=MostraPagina&PaginaId=508.

Fonseca, F. A. H.et al.(2000). Modificações de hábitos de vida e outras opções terapêuticas. Revista da Sociedade de Cardiologia, 9(1), 1-7.

GUS, I., FISCHMANN, A., MEDINA, C. Prevalência de fatores de risco para doença

arterial coronariana no estado do Rio Grande do Sul. Arquivo brasileiro de cardiologia, v. 78, n. 5, p. 478-483, 2001.

LEMOS, C., et al. Associação entre depressão, ansiedade e qualidade de vida após infarto do miocárdio. Psicologia: Teoria e Pesquisa, v. 24, n. 4, p. 471-476, 2008.

LIMA, L. R.; PEREIRA, S. V.; CHIANCA, T. C. Diagnósticos de enfermagem em pacientes pós-cateterismo cardíaco: contribuição de Orem. Rev Bras Enferm, v. 59, n. 3, p. 285-90, 2006.

MAGALHÃES, C. C. et al. Tratado de cardiologia Socesp (3a ed.). São Paulo-SP: Manole, 2015.

MATOZINHOS F. P. et al. Saúde cardiovascular em população residente nas capitais brasileiras. Revista LatinoAm. Enfermagem, v.25. e. 2843, 1-9, 2017.

MACHADO, M. C.; PIRES, C. G. S.; LOBAO, W. M. Concepções dos hipertensos sobre os fatores de risco para a doença. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 17, n. 5, p. 1357-1363, May 2012.

NASCIMENTO, L. F. C. Air pollution and cardiovascular hospital admissions in a medium-sized city in São Paulo State, Brazil. Brazilian Journal of Medical and Biological Research, v. 44, n. 7, p. 720-724, 2011.

NASCIMENTO, L. F. C.; FRANCISCO, J. B. Particulate matter and hospital admission due to arterial hypertension in a medium-sized Brazilian city. Cadernos de Saúde Pública, v. 29, n. 8, p. 1565-1571, 2013.

NILSSON, U. et al. The effect of music intervention in relation togender during coronary angiographic procedures: a randomized clinical trial. Eur J Cardiovasc Nurs, v. 8, n. 3, p. 200-206, 2009.

PEDERSEN, S. S. et al. Course of anxiety symptoms over an 18-month period in exhausted patients post percutaneous coronary intervention. Psychosom Med., v. 70, n. 3, 349-355, 2008.

POLIWCZAK, A. R.; FUNT, D.; BRONCEL, M. The evaluation of discomfort and anxiety in the patient under going coronary angioplasty. Pol Merkur Lekarski, v. 35, n. 208), 202-204, 2013.

REZA, C. G., & NOGUEIRA, M. S. O estilo de vida de pacientes hipertensos de um programa de exercício aeróbio: estudo na cidade de Toluca, México. Esc Anna Nery Rev Enferm,, v. 12, n. 2, 265–70, 2008.

ROEST, A. M. ET AL. Anxiety and risk of incident coronary heart disease: a meta-analysis. Journal of the American College of Cardiology, v. 56, n. 1, 38-46, 2010.

ROSSATO G, et al. Analysis of in-hospital complications related to cardiac catheterization. Rev Bras Cardiol Invas, v. 15, n. 1, p. 44-51, 2007.

Russell, M. et al. The conundrum of detectings table angina pectoris in the community setting. Nat Rev Cardiol., v. 7, n. 2, 106-13, 2010.

SANTOS, M. G., et al. Fatores de risco no desenvolvimento da aterosclerose na infância e adolescência. Arq Bras Cardiol, v. 90, n. 4, p.301-308, 2008.

Sardinha, A. et al. Prevalência de transtornos psiquiátricos e ansiedade relacionada à saúde em coronariopatas participantes de um programa de exercício supervisionado. Arch. clin. Psychiatry. São Paulo, v. 38, n. 2, p. 61-65, 2011.

SCALON, P. et al. A report of the American College of Cardiology/American Heart Association Task Force on Practice Guidelines. J Am Coll Cardiol. v. 33, n. 6, p. 1756-1824, 2002.

Schmidt, D., et al. Ansiedade e depressão entre profissionais de enfermagem que atuam em blocos cirúrgicos. Revista da Escola de Enfermagem da USP. São Paulo, v.45, n. 2, p. 487-493, 2011.

Van Gestel, Y. R., et al. Type-D personality and depressive symptoms predict anxiety 12 months post-percutaneous coronary intervention. J Affect Disord, v. 103, n. 1-3, p. 197-203, 2007.

WORLD HEALTH ORGANIZATION. Ad herencetolong term therapies: evidence for action. Geneva, 2003. Disponível em: http://apps.who.int/iris/bitstream/10665/42682/1/9241545992.pdf

_____________. Mental health atlas, 2012. Disponível em: http://www.who.int/topics/cardiovascular_diseases/en/.

_____________. Cardiovascular diseases (CVDs). 2016. Disponível em: http://www.who.int/mediacentre/factsheets/fs317/en/

ZWIELESKI, G.; BUB, T. F. Identificação de Transtornos de Ansiedade em Pacientes com Suspeita de Doença Arterial Coronariana. Revista Brasileira de Cardiologia Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, v. 27, n. 5, p. 311-313, 2014.




DOI: https://doi.org/10.14295/idonline.v12i41.1242

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A Id on Line (ISSN: 1981-1179) é indexada nas seguintes bases de dados: