A Violência Doméstica na Adolescência, sob o olhar da Enfermagem e da Psicologia

Brunna Nayara Alves Sousa Rolim de Sena, Iasminny Loiola Teixeira, Letícia Ferreira de Amorim

Resumo


A violência é inerente à evolução da sociedade em toda a sua história. Dentre os tipos de violência, a doméstica representa toda e qualquer ação ou omissão que prejudique o bem-estar, a integridade física, psicológica ou a liberdade e o direito ao pleno desenvolvimento de um membro da família. Este tipo de violência ocorre ainda sob uma perspectiva oculta, dentre os demais tipos de violência. Atualmente, esta é considerada um problema de saúde pública, ressaltando, assim, a importância de salientar a atuação do profissional enfermeiro(a), bem como do psicólogo(a) diante deste quadro. Tais profissionais de saúde, bem como os seus processos de trabalho, devem ser bem instrumentalizados e respaldados teoricamente para que se torne possível compreender e interferir nesta problemática social, conforme às suas múltiplas formas de manifestações, sendo possível clarificar a partir deste estudo, a necessidade de incluir este tema na formação dos profissionais supracitados, no sentido de capacitá-los no desenvolvimento de práticas e cuidados integrais, junto a esta problemática, haja vista, a inserção dos mesmos no modelo de saúde que visa a perspectiva da integralidade e do cuidado do ser. Nesse cenário, evidencia-se a necessidade da elaboração de medidas intervencionistas, galgadas na vigilância, assistência e ensino de novas práticas educativas que forneçam subsídios e saberes necessários às práticas destes profissionais mediante as vivências, no contexto de violência doméstica, por exemplo, experienciadas na adolescência.

 


Palavras-chave


Adolescência; Violência Doméstica; Enfermeiro(a), Psicólogo(a)

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRADE, Elisa Meireles et al.. A visão dos profissionais de saúde em relação à violência doméstica contra crianças e adolescentes: um estudo qualitativo. Saúde e Sociedade, São Paulo, v.20, n.1, p.147-155, 2011. Disponível em: www.repositorio.unifesp.br/handle/11600/6326. Acessoem jan de 2016.

ARAÚJO, M .B. S.; ROCHA, P.M. Trabalho em equipe: um desafio para a consolidação da estratégia de saúde da família. Ciência & Saúde Coletiva, v.12, n.2, p:455-464, 2007. Disponível em: www.scielo.br/scielo.php?pid=S1413-81232007000200022&script=sci...tlng. Acesso em jan de 2016.

ARAÚJO, M. F. S.; OLIVEIRA, F.M.C.. A Atuação do Enfermeiro na Equipe de Saúde da Família e a Satisfação Profissional. Revista Eletrônica de Ciências Sociais, setembro, n.14, p.03-14,2009. Disponível em: www.salesianolins.br/universitaria/avaliacao/no2/artigo30.doc. Acesso em novembro de 2015.

BRASIL. Lei n 8069, de 13 de Julho de 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, 1990.

________. Ministério da Saúde. Notificação de maus-tratos contra crianças e adolescentes pelos profissionais de saúde: um passo a mais na cidadania em saúde. Brasília: MS, 2002.

________. Ministério da Saúde. Portaria n.1.162 de 7 de julho de 2005. Dispõe sobre a Política Nacional da Atenção Integral a Saúde de Adolescentes e Jovens, tendo como pilares normativos a Constituição Federal e o Estatuto da Criança e do Adolescente.

________. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Política nacional de atenção básica. Brasília: Editora do Ministério da Saúde, 2006.

________. Estatuto da Criança e do Adolescente. Lei 8.069/90, de 13 de julho de

CARMO, P.S; SAGAZ, V.R; A atuação do Psicólogo e Resiliência em Crianças Vítimas de Violência Sexual Intrafamiliar. Revista Trabalhos de Conclusão de Curso - Faculdade Sant'ana. Ponta Grossa, 2016. Disponível em: http://iessa.edu.br/revista/index.php/tcc Acesso em 05 de janeiro de 2016.

Conselho Federal de Enfermagem. Resolução COFEN nº 240 de 30 de agosto de 2000. Aprova o Código de Ética dos Profissionais de Enfermagem [resolução na internet]. Disponível em: http://www.hmjmj.com.br/wp-content/uploads/2011/01/ C%C3% B3digo-de-%C3%89tica-dos-Profissionais-de-Enfermagem.pdf. Acesso em: dezembro de 2015.

Conselho Federal de Psicologia. (2015). Resolução CFP n° 02/2015. Código de Ética Profissional do Psicólogo, Brasília, DF: CFP. Disponível em: https://site.cfp.org.br/wp-content/uploads/2012/07/codigo-de-etica-psicologia.pdf. Acesso em jan de 2016.

COSTA, Glauce Dias da et al.Saúde da família: desafios no processo de reorientação do modelo assistencial. Rev. bras. enferm. [online]. 2009, vol.62, n.1, pp.113-118. ISSN 0034-7167. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0034-71672009000100017. Acesso em janeiro de 2017.

DAVIM, R. M. et al. Adolescente/ Adolescência: revisão teórica sobre uma fase crítica da vida. Rev. Rene. Fortaleza, v. 10, n. 2, p. 131-140, abr./jun.2009. Disponível em: http://www.revistarene.ufc.br/vol10n2_pdf/a15v10n2.pdf. Acesso em dezembro de

DUTRA, E. Considerações sobre as significações da psicologia clínica na contemporaneidade. Estudos de Psicologia (Natal), 9, 381-387, 2008.

FERRARI, R. A. P., THOMSON, Z., MELCHIOR. R. Atenção à saúde dos adolescentes: percepção dos médicos e enfermeiros das equipes da saúde da família. Caderno de Saúde Pública, v. 22, n.11, p: 2491-2495, nov, 2006.

FERRARI, R. A. P.; THOMSON, Z.; MELCHIOR, R. Adolescência: ações e percepção dos médicos e enfermeiros do Programa Saúde da Família. Interface - Comunicação, Saúde, Educação, v.12, n.25, p.387-400, abr./jun, 2008.

FERRAZ, M. I. R. et al..O cuidado da enfermagem a vítimas de violência doméstica.

GIL, A. C. Como elaborar projeto de pesquisa. São Paulo: Atlas, 2009.

GIL, Antônio Carlos. Métodos e Técnicas de Pesquisa Social. Editora atlas S/A São Paulo, 5 ed. 2006.

HABIGZANG, L. F. & CAMINHA, R.M. Abuso sexual contra crianças e adolescentes: conceituação e intervenção clínica. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2004.

HENRIQUE, D. B.; ROCHA, L. R.; MADEIRA, A. M. F. Saúde do adolescente: o significado do atendimento para os profissionais da atenção primária do município de Viçosa, MG. Revista Medica, Minas Gerais, v.20, n.3, p: 300-309,2010.

LIMA, M. A. D. S. et al..Atendimento aos usuários em situações de violência: concepções dos profissionais de unidades básicas de saúde. Revista Gaúcha de Enfermagem, dez, v.30, n.4, p:625-32,2009. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103733120130003000Acesso em 28 de janeiro de 2015.

LINARD, A.M. et al.Princípios do Sistema Único de Saúde:compreensão dos enfermeiros da Estratégia de Saúde da Família. Rev Gaúcha Enferm., Porto Alegre (RS), Mar,v.32, n.1, p:114-20, 2011. Disponível em: http://seer.ufrgs.br/RevistaGauchadeEnfermagem/article/view/12333. Acesso em 25 de agosto de 2016.

MACHADO, M. F. A. S.; VIEIRA, N. F. C.; SILVA, R. M.. Compreensão das mudanças comportamentais do usuário no Programa Saúde da Família por meio da participação habilitadora. Ciência & Saúde Coletiva, v. 15, p. 1895-1897, 2010. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S141381232010000400027&lng=pt&nrm=iso. Acesso em 15 de janiero de 2017.

MARTINS, C. B. G. Maus tratos contra crianças e adolescentes. Revista Brasileira de Enfermagem julho-agosto,v. 63, n.4, p. 660-665, 2010. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/reben/v63n4/24.pdf. Acesso em fevereiro de 2016.

MARTINS, C. S. et al..A dinâmica familiar na visão de pais e filhos envolvidos na violência doméstica contra crianças e adolescentes. Revista Latino-Americana de Enfermagem setembro-outubro, v.15, n.5, 2007. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rlae/v15n5/pt_v15n5a01.pdf. Acesso em Janeiro de 2015.

MINAYO, M. C. S. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. Rio de Janeiro: Abrasco/ São Paulo: Hucitec; 2007.

MURTA, Scheila G.; MARINHO, Tanimar P. C. A Clínica Ampliada e as Políticas de Assistência Social: uma Experiência com Adolescentes no Programa de Atenção Integral à Família. Revista Eletrônica de Psicologia e Políticas Públicas Vol.1 N°1, 2009. Disponível em: http://www.crp09.org.br/NetManager/documentos/v1n1a4.pdf. Acesso em 20 de setembro de 2016.

NUNES, C. B.; SATI, C. A.; OHARA, C. V. S; Concepções de profissionais de saúde sobre a violência intrafamiliar contra a criança e o adolescente. Revista Latino-Americana de Enfermagem janeiro-fevereiro, v.16, n.1, 2006. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rlae/v16n1/pt_20.pdf. Acesso em 30 de janeiro de 2017

OLIVEIRA, M. T. de et al. Sub-registro da violência doméstica em adolescentes: a (in)visibilidade na demanda ambulatorial de um serviço de saúde no Recife-PE, Brasil. Revista Brasileira de Saúde Materno Infantil , v.11, n.1, p. 29-39, jan. / mar. 2011. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1519-38292011000100004. Acesso em 30 de janeiro de 2017.

PIRES, A. L. D. ; S., M. C. O. ;MIYAZAKI. Maus-tratos contra crianças e adolescentes: revisão da literatura para profissionais da saúde. Arquivos de Ciências da Saúde v.12, n.1, p.42-9, jan-mar 2007. Disponível em: http://repositorio-racs.famerp.br/racs_ol/Vol-12-1/08%20-%20id%20102.pdf. Acesso em 29 de fevereiro de 2015.

PRATTA, E. M. M.; SANTOS, M. A dos. Família e adolescência: a influência do contexto familiar no desenvolvimento psicológicos de seus membros. Psicologia em Estudo, Maringá, v. 12, n. 2, p. 247-256, maio/ago. 2007. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S141373722007000200005&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em 29 de fevereiro de 2015.

PRIULI, R. M. A.; MORAES, M. S. de. Adolescentes em conflito com a lei. Ciência & Saúde Coletiva, v. 12, n.5, p: 1185-1192,2007.

RAPOSO, C. A Política de Atenção Integral à Saúde do Adolescente e Jovem: uma perspectiva de garantia de direito à saúde? Revista da Faculdade de Serviço Social da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, v. 6, n. 23, 2009. Disponível em: http://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/revistaempauta/article/view/450. Acesso em 27 de janeiro de 2017.

RESSEL, L. B. et al. Saúde, doença e vulnerabilidade para mulheres adolescentes. Escola Anna Nery Revista de Enfermagem, v. 13, n.3, p.552-57,2009. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ean/v13n3/v13n3a14. Acesso em 27 de fevereiro de 2016

SALCEDO-BARRIENTOS, D. M. et al.. Violência doméstica e enfermagem: da percepção do fenômeno à realidade cotidiana. Avances enEnfermería, julio-dezembro, v.29, n. 2, 2011.

SALIBA, O. et al.. Responsabilidade do profissional de saúde sobre a notificação de casos de violência doméstica. Revista de Saúde Pública, v. 41, n.3, p.472-477, 2007. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S003489102007000300021&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em 20 de janeiro de 2016.

SILVA, D. M. P. Psicologia Jurídica no Processo Civil Brasileiro. São Paulo: Casa do Psicólogo, pags.39 a 45, 2003.

SILVA, L. M. P.; FERRIANI, M. G. C.; SILVA, M. A. L. Atuação da enfermagem frente à violência sexual contra crianças e adolescentes. Revista Brasileira de Enfermagem, Brasília, set-out, v. 64, n.5, p: 919-24, 2011.

SILVA, L. M. P; et al. Violência doméstica contra crianças e adolescentes. Brasília: Ministério da Saúde; 2002. Disponível em: http://dtr2001.saude.gov.br /editora /produtos/ livros /pdf/03_1492_M.pdf. Acesso em: 15 de maio de 2012.

SILVA, M. B. G. M; TORNELI, A. L. N.; LACERDA, M. R. Instrumentos do cuidado humanizado de enfermagem: uma reflexão teórica. CogitareEnferm., v.8, n.1, p:59-64, 2003.

SILVA, Elisa Souza. Promoção da saúde do adolescente na atenção básica com ênfase na saúde sexual e reprodutiva. 2010.53 f. Trabalho de Conclusão de Curso de Especialização (Atenção Básica em Saúde da Família) Universidade Federal de Minas Gerais, Governador Valadares, 2003.

SOUZA, E. R. de. et al.. O tema violência intrafamiliar na concepção dos formadores dos profissionais de saúde. Ciência & Saúde Coletiva, n.14, v.5, p. 1709-1719, 2009. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1413-81232009000500012&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em 20 de janeiro de 2015.

TRAVESSO, A. M.; PINHEIRO, V. S..Adolescência, saúde e contexto social: esclarecendo práticas. Psicologia & Sociedade, v.14, n.2, p: 133-147, 2002. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0102-71822002000200007&script=sci_abstract&tlng=pt. Acessoem 30 de julho de 2016.

WORLD HEALTH ORGANIZATION (WHO). Child abuse and neglect by parents and other caregivers. In: KRUG, E. G. et al. (edit.) World report on violence and health. Geneva: WHO, 2002. cap. 3.




DOI: https://doi.org/10.14295/idonline.v12i40.1114

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A Id on Line (ISSN: 1981-1179) é indexada nas seguintes bases de dados: