A Atuação da Psicologia na Proteção Social Básica

Byanca Eugênia Duarte Silva, Henry Witchael Dantas Moreira, Andreia Braga de Oliveira, Maria Auxiliadora Lobo Silva, Ana Roberta Duarte Piancó

Resumo


A proteção social básica têm seus princípios pautados na Assistência Social e, consequentemente, assegurados pela LOAS (Lei Orgânica de Assistência Social) de 1993, que dispõe sobre essa assistência como política pública onde as necessidades básicas dos indivíduos devem ser atendidas e respeitadas. Nesse contexto, o CRAS (Centro de Referência de Assistência Social) aparece como principal porta de acesso das famílias em situações de vulnerabilidade à rede de proteção social, ofertando a prevenção e o cuidado aos sujeitos sociais fragilizados economicamente e afetivamente. Este artigo que objetiva compreender as possíveis contribuições da atuação da Psicologia na Proteção Social Básica, justifica-se pela possibilidade de investigar o trabalho do profissional de Psicologia na Assistência Social de modo a conhecer suas necessidades e ofertar a socialização e a convivência dos sujeitos vulneráveis, visando o bom desenvolvimento da função do psicólogo e os benefícios para a população. A metodologia utilizada consiste em pesquisa qualitativa mediante referencial bibliográfico realizado em fontes de buscas como o Scielo e Google acadêmico, além de livros e revistas e demais fontes próprias.  Como resultado, espera-se através desta pesquisa ofertar perspectivas para que o trabalho do Psicólogo nos Centros de Referências de Assistência Social contemplem as necessidades dos usuários, fortalecendo os vínculos familiares e resgatando valores e dignidades da pessoa humana. Além disso, acredita-se que este trabalho pode subsidiar novos estudiosos, acadêmicos de cursos referentes a área e demais seres sociais que tenham interesse pela temática em questão.

 

 


Palavras-chave


CRAS. Política de Assistência Social. Proteção Social Básica. Psicologia

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, Secretaria Nacional de Assistência Social – SNAS. Caderno de Orientações: Serviço de Proteção e Atendimento Integral à Família e Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos. Brasília: MDS, 2016.

BRASIL. Centro de Referência Técnica em Psicologia e Políticas Públicas (CREPOP). Referência técnica para atuação do(a) psicólogo(a) no CRAS/SUAS. Brasília: CFP, 2007.

BRASIL. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Orientações Técnicas. Centro de Referência de Assistência Social – CRAS. Brasília: MDS, 2009b, 72 p.

CRUS, José Ferreira. O sistema Único de Assistência Social - SUAS. In Cadernos deAssistência Social: trabalhador. Belo Horizonte: NUPASS, 2006.

FILHO, I. A. V. Psicologia Escolar e Psicologia Social-Comunitária: diálogos para a construção de uma perspectiva crítica de atuação do psicólogo na escola. Tese de doutorado apresentada ao programa de estudos pós-graduandos em Educação: Psicologia da Educação. SP: PUC, 2005.

JACÓ-VILELA, A.M., and SATO, L., orgs. Diálogos em psicologia social [online]. Rio de Janeiro: Centro Edelstein de Pesquisas Sociais, 2012. 482 p. ISBN: 978-85-7982-060-1.

LUCCI, Marcos Antônio. A proposta de Vigotski: a psicologia sócio-histórica. Disponível em: http://www.ugr.es/local//recfpro/Rev102COL2port.pdf. Acesso em 25 de Nov de 2015.

LANE, S. T. M.; CODO, W. Psicologia social: o homem em movimento. São Paulo: Brasiliense, 2001.

LEI ORGÂNICA DA ASSISTÊNCIA SOCIAL (LOAS), Lei nº 8.742, de 7 de dezembro de 1993, publicada no DOU de 8 de dezembro de 1993. Dispõe sobre a organização da Assistência Social e dá outras providências.

MARTINEZ, A. M. Psicologia e compromisso social: desafios para a formação do psicólogo. In: BOCK, A. M. B. (Org). Psicologia e compromisso social. São Paulo: Cortez, 2003.

MELMAN, J. Família e doença mental: repensando a relação entre profissionais de saúde e familiares. São Paulo: Escrituras, 2001. (Coleção Ensaios Tranversais).

PEREIRA, Maria Ângela Rocha. A Política de Assistência Social. In Cadernos de

Assistência Social: trabalhador. Belo Horizonte: NUPASS, 2006.

PIVETA, Ruth Tainá Aparecida; MANSANO, Sonia Regina Vargas. O fazer como potência: atuação da psicologia no sistema único de assistência social. Revista de Psicologia da UNESP 13(2), 2014.

SUAS. Sistema Único de Assistência Social. Programas Sociais – Proteção Social Especial.Disponível em: http://www.mds.gov.br/programas/rede-suas/protecao-social-especial .Acesso em 15 fev. 2018.

VIGOTSKI, L. S. História deldasarrolo de lãs funcione psíquicas superiores. Em: Obras escolhidas. V. 3.Madrid: Visor Distribuciones, 1995.

WACHHOLZ, Thais; PANCERI, Regina. A atuação do psicólogo no município de Araranguá, na interface com a rede de proteção social para populações em situação de vulnerabilidade. Santa Catarina: UNISUL, 2015.




DOI: https://doi.org/10.14295/idonline.v12i40.1108

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A Id on Line é indexada nas seguintes bases de dados: