A Prática da Autoavaliação no Ensino Superior

Ivan do Nascimento Freire Lopes

Resumo


Resumo: Este artigo teórico faz parte de pesquisas desenvolvidas com a Universidad de Santiago de Chile e a UniLeão-Centro Universitário. Intitula-se: A prática da Autoavaliação no Ensino Superior. Ocorre portanto a intenção de analisar as metodologias de escolha dos professores pela Autoavaliação, como ferramenta avaliativa e de autorregulação dos processos de aprendizagem e ensino, detalhando práticas específicas como ferramenta. A princípio buscou-se investigar os principais estudiosos sobre conceitos, tipos e categorias e intenções da avaliação educacional, além de estudar como está a prática de autoavaliação no ensino superior, de acordo com a Legislação Brasileira e, finalmente, sinalizar como algumas ações adotadas por educadores influem no próprio fazer pedagógico. A metodologia de nosso estudo é de enfoque Fenomenológico, com técnica descritiva, explicativo, fortalecido por estudo de caso em seu desenho metodológico. Os sujeitos da pesquisa foram professores universitários desta IES. Os instrumentos de coleta foram questionários a professores de ensino superior e posteriormente, deste mesmo grupo um quantitativo a aplicação de entrevistas. Os dados parciais também revelam em linhas gerais que este estudo representa a possibilidade de tornar mais explícito o conhecimento e análise de como os professores pensam, vivenciam e concebem ao adotar a prática autoavaliativa como experiência de autoconhecimento. Desse modo uma questão se coloca como ponto chave: como os professores encaram e interpretam os momentos de autoavaliação diante dos processos entre como avaliam e são avaliados.

 

 


Palavras-chave


Avaliação Educacional. Autoavaliação. Ensino Superior

Texto completo:

PDF

Referências


BLOOM, B. S. et all. Handbook of formative and summative evaluation of student learning. Nova York McGraw-Hill, 1971.

BRANDALISE, M. A. T. Autoavaliação de escolas: alinhavando sentidos, produzindo significados. Ponta Grossa-PR: Editora UEPG, 2010.

CONDEMARÍN, M. MEDINA, A. Avaliação Autêntica: um meio para melhorar as competências em linguagem e comunicação. Porto Aletre: Artmed, 2005.

DIAGO, J. C. ARREDONDO, S. C. Avaliação educacional e promoção escolar. Curitiba: IBPEX; São Paulo: Unesp, 2009.

ESTEBAN, M. T. Avaliar: ato tecido pelas imprecisões do cotidiano. In: Garcia, Regina Leite (org). Novos olhares sobre a alfabetização. São Paulo: Cortez, 2001.

FERNANDES, C. Indagações sobre currículo: Currículo e Avaliação. MEC- Ministério da Educação e Cultura. Secretaria da Educação Básica. Brasília: DF, 2008.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2002

GROCHOSKA, M.A. As contribuições da autoavaliação institucional para a escola da educação básica. Petrópolis: Vozes, 2013.

HADJI, C. A Avaliação desmitificada. Porto Alegre: Artmed, 2001.

HOFFMANN, J. Avaliação: Mito & Desafio. Uma perspectiva construtivista. Porto Alegre: Educação e Realidade, 1993.

LAKATOS, E. MARCONI, M. Metodologia do Trabalho Científico. 6 ed. São Paulo: Atlas, 2001.

LUCKESI, C. Avaliação da aprendizagem escolar: apontamentos sobre a pedagogia do exame. In: Avaliação da aprendizagem escolar. São Paulo: Cortez, 1996. p. 17-26.

______. C. C. Avaliação da aprendizagem Escolar, 6ª ed. São Paulo: Cortez, 1997.

______. C. C. Avaliação da aprendizagem na escola: reelaborando conceitos e recriando a prática. Salvador: Malabares Comunicação e Eventos, 2003.

______. C. C. Avaliação da Aprendizagem Escolar: estudos e proposições, 22 ed. São Paulo: Cortez, 2011.

MASETTO, M. Auto-avaliação em cursos de pós-graduação – Teoria e Prática. Campinas: Papirus, 2004.

PERRENOUD, P. Não mexam na minha avaliação! Para uma abordagem sistêmica da mudança pedagó¬gica. In: Estrela. A. Nóvoa, A. (Orgs.). Avaliações em educação: Novas perspectivas. Porto, Portugal: Porto Editora LDA, 1993. p. 171-191.

PERRENOUD, P. Avaliação: da excelência à regulação das aprendizagens – entre duas lógicas. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 1999.

RÉGNIER, Jean-Claude. A autoavaliação na prática pedagógica. Avaliação, v.4, n.4 (14), 1999. p.45-53, dez.

SANTANA, P. E. A. Uma breve análise didática dos métodos científicos positivismo, materialismo histórico e fenomenologia. Revista Cesumar - Ciências Humanas e Sociais Aplicadas jan./jun., v. 13, n. 1, 2008. p. 25-35.

VILLAS-BOAS, B. M. de F. Planejamento da avaliação escolar. Pró-posições, v. 9, n. 3, 1998.p. 19-27.

VILLAS-BOAS, B. M. de F. Avaliação formativa: em busca do desenvolvimento do aluno, do professor e da escola. (2008:51). In: Veiga, I. P. A. (Org.). As dimensões do projeto político-pedagógico. Campinas: Papirus, 2001. p. 175-212.




DOI: https://doi.org/10.14295/idonline.v12i39.1033

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A Id on Line (ISSN: 1981-1179) é indexada nas seguintes bases de dados: