Hepatite C: Riscos e Consequências em Usuários de Drogas

Maria Iara Alves Araújo, Bruno de Mendonça Pinheiro, Itamar Alves Araújo, Gabriel Pereira Bernardo, Lorena Pereira Bernardo, Lucas Leimig Telles Parente, Maria Valéria Leimig Telles

Resumo


A hepatite C é uma inflamação hepática que, de acordo com a Organização Mundial da Saúde, atinge cerca de 130 milhões de pessoas. Ela pode estar relacionada a diversos fatores, como o uso de alguns fármacos, a intoxicação por agroquímicos e a contaminação por agentes infecciosos. A sintomatologia, em sua maioria, é crônica; por isso, em muitos casos, leva anos para manifestar os sintomas. Portanto, normalmente muitas pessoas são infectadas mas não sabem, visto que a identificação dos sintomas é decorrente de um longo período. Objetivo: Elucidar o impacto da Hepatite C na qualidade de vida de pacientes usuários de drogas. Metodologia: Trata-se de uma revisão bibliográfica com base em artigos disponíveis nas bases de dados SciELO, LILACS e PubMed. Os descritores empregados na busca foram: hepatite C, abuso de substâncias por via intravenosa, vírus da hepatite, uso comum de agulhas e seringas, genótipo do HCV, virologia do HCV e seus correspondentes em inglês. Os critérios de inclusão foram: estudos empíricos sobre o alto risco de infecção em usuários de drogas e estudos voltados para os problemas psicológicos e sociais; e o de exclusão: artigos direcionados para outros tipos de hepatite. Ademais, apenas artigos publicados a partir do ano 2000 foram relevantes para a extração de dados. Foram encontrados 1.144 artigos. Desse total, foram apurados 31 com base nos critérios de inclusão e exclusão. Discussão: A partir dos dados encontrados, analisou-se que a Hepatite C não possui a mesma atenção social que é voltada para outras doenças, como o HIV. Além disso, foi revelado o baixo nível de conhecimentos das pessoas a respeito dessa doença. Conclusão: Com as análises, pode-se perceber a alta prevalência do vírus da hepatite C em usuários de drogas injetáveis e as consequências da manifestação silenciosa da doença seguidas pelas dificuldades de lidar com o diagnóstico - transtornos mentais e sociais.

 

 


Palavras-chave


Hepatite C, Drogas injetáveis, Usuários de drogas, Vulnerabilidade social

Texto completo:

PDF

Referências


ALTER, M.J. Epidemiology of viral hepatitis C infection. World J Gastroenterol, v. 13, n. 17, p. 2436-2441, mai. 2007.

BOURLIERE, M., et al. Epidemiological changes in hepatitis C virus genotypes in France: evidence in intravenous drug users. J Viral Hepat, v. 9, n. 1, p. 62-70, jan. 2002.

BRASIL. Ministério da Saúde. Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais. Diagnóstico de hepatites virais. Brasília: Ministério da Saúde; 2014. Disponível em:. Acesso em: 15 mai 2017.

BRASIL. Ministério da Saúde. Departamento de Vigilância, Prevenção e Controle das DST, Aids e Hepatites Virais. Boletim epidemiológico: hepatites virais. Brasília: Ministério da Saúde; 2016. Disponível em:. Acessado em: 15 mai 2017.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria MS/GM nº 204, de 29 de janeiro de 2007. Regulamenta o financiamento e a transferência dos recursos federais para as ações e os serviços de saúde, na forma de blocos de financiamento, com o respectivo monitoramento e controle. Brasília, 2007.

CONTE, V. P. Hepatite Crônica por vírus C parte 2. Tratamento. Arq Gastroenterol, São Paulo, v. 37, n. 4, p. 235-240, out/nov. 2000.

FARIA, J.B., SEIDL, E.M.F. Religiosidade e enfrentamento em contextos de saúde e doença: revisão da literatura. Psic Refl Crít, v. 18, n. 3, p. 387-89, 2005.

FERREIRA, C. T., SILVEIRA, T.R. Hepatites virais: aspectos da epidemiologia e da prevenção. Rev. bras. Epidemiol, v. 7, n. 4, p. 473-487, 2004.

GADELHA, C.A.G., COSTA, L.S. Saúde e desenvolvimento no Brasil: avanços e desafios. Rev. Saúde Pública, v. 46, n. 1, p. 13-20, 2012.

GÀSPARI, J.C., SCHWARTZ, G. M. O idoso e a ressignificação emocional do lazer. Psic.: Teor. e Pesq., v. 21, n. 1, p. 69-76, 2005.

KERKOSKI, E., et al. Grupo de convivência com pessoas com doença pulmonar obstrutiva crônica: sentimentos e expectativas. Texto Contexto Enferm, v. 16, n. 2, p. 25-32, 2007.

KOVÁCS, M.J. Espiritualidade e psicologia – cuidados compartilhados. O mundo da saúde, v. 31, n. 2, p. 246-55, 2007.

KUNRATH, A. A. F., JUNGES, J. R., LÓPEZ, L. C. Vulnerabilidades e subjetividades de pessoas com diagnóstico e tratamento de hepatite C. Saúde Debate, v. 38, n. 101, p. 225-233, 2014.

LOPES, C. L. R, et al. Prevalência, fatores de risco e genótipos da hepatite C entre usuários de drogas. Rev. Saúde Pública, v. 43, n. 1, p. 43-50, 2009.

MARCHESINI, A. M., et al. Hepatites B e C em usuários de drogas injetáveis vivendo com HIV em São Paulo, Brasil. Rev. Saúde Pública, v. 41, n. 2, p. 57-63, 2007.

MARTINS, T., SCHIAVON, J. L. N., SCHIAVON, L. L. Epidemiologia da infecção pelo vírus da hepatite C. Rev Assoc Med Bras, v. 57, n. 1, p. 107-112, 2011.

MATOS, A. P. S., MACHADO, A. C. C. Influência das variáveis biopsicossociais na qualidade de vida em asmáticos. Psic.: Teor. e Pesq., v. 23, n. 2, p. 139-48, 2007.

MEMON, M. I., MEMON, M. A. Hepatitis C: an epidemiological re¬view. J Viral Hepat., v. 9, p. 84-100, 2002.

OLIVEIRA, L. G., NAPPO, S. A. Crack na cidade de São Paulo: acessibilidade, estratégias de mercado e formas de uso. Rev. psiquiatr. Clín., v. 35, n. 6, p. 212-8, 2008.

OLIVEIRA, M. L. A, et al. O contexto da primeira injeção de drogas ilícitas, práticas atuais de injeção e infecção pelo vírus da hepatite C no Rio de Janeiro, Brasil. Cad. Saúde Pública, v. 22, n. 4, p. 861-870, 2006.

PANZINI, R. G., et al. Qualidade de vida e espiritualidade. Rev Psiq Clín, v. 34, n.1, p. 105-15, 2007.

PARANÁ, R., VITVITSKI, L., PEREIRA, J.E. Hepatotropic viruses in the Brazilian Amazon: a health threat. Braz J Infect Dis., v. 12, n. 3, p. 253-6, 2008.

PECHANSKY, F., et al. Brazilian female crack users show elevated serum aluminum levels. Rev. Bras. Psiquiatr., v. 29, n. 1, p. 39-42, 2007.

SÁ, L. C., et al. Soroprevalência da Hepatite C e fatores associados em usuários de crack. Rev. Latino-Am. Enfermagem, v. 21, n. 6, p.1195-202, 2013.

SAWADA, L., et al. Distribuição dos genótipos do vírus da hepatite C em diferentes categorias de exposição no Estado do Pará, Amazônia Brasileira. Rev. Soc. Bras. Med. Trop, Uberaba, v. 44, n. 1, p. 8-12, jan/fev. 2011.

SILVA, M.B.S, et al. Prevalence and genotypes of hepatitis C virus among injecting drug users from Salvador-BA, Brazil. Mem Inst Oswaldo Cruz, v. 105, n. 3, p. 299-303, 2010.

SOUSA, V. V., CRUVINEL, K. P. S. Ser portador de hepatite C: sentimentos e expectativas. Texto Contexto Enferm., v. 17, n. 4, p. 689-95, 2008.

STRAUSS, E. Hepatite C. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, v. 34, n. 1, p. 69-82, 2001.

WHITE, E. F., et al. Prevalence of hepatitis C vírus and HIV infection among injection drug users in two Mexican cities bordering the U.S. Revista salud pública de México, v. 49, n. 3, p. 165-172, mai/jun. 2007.

ZEIN, N. N. Clinical significance of hepatitis C virus genotypes. Clin Microbiol Rev., v. 13, n. 2, p. 223-35, 2000.




DOI: https://doi.org/10.14295/idonline.v12i39.1029

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A Id on Line (ISSN: 1981-1179) é indexada nas seguintes bases de dados: