Aspectos Emocionais Vivenciados pelos Pais e/ou Cuidadores de Crianças com Alergia à Proteína do Leite de Vaca

Raíza Maria de Aquino Abagaro, Thércia Lucena Grangeiro Maranhão, Nicole Gonçalves Nascimento Rocha, Stevens Emanuel Cecílio Sobral, Maria Lindinez Cecílio Sobral

Resumo


A alimentação é uma necessidade básica do ser humano, porém muitos alimentos podem desencadear reações adversas em qualquer etapa da vida. As alergias, como podem ser chamadas uma dessas reações, decorrem desde o nascimento até a vida adulta, trazendo angústias e preocupações não somente para a criança, como também para aqueles que a rodeiam, seus cuidadores. Esta pesquisa teve como objetivo principal identificar os impactos vivenciados pelos cuidadores de crianças com alergia à proteína do leite de vaca (APLV). Para tanto, buscou, além de explicar como se caracteriza a alergia à proteína do leite de vaca em crianças, seus sintomas e tratamento, compreender, através de pesquisa bibliográfica, quais as dificuldades encontradas no cuidados com crianças com APLV. Utilizou-se, como método de estudo, a pesquisa bibliográfica qualitativa, através de busca livre nas bases de dados nacionais. Percebeu-se que os impactos enfrentados pelos cuidadores das crianças com APLV estão ligados principalmente ao processo de diagnóstico, pois os sintomas são diversos; à adaptação pessoal, familiar e social; à dieta restritiva; aos cuidados com a contaminação cruzada, através de utensílios domésticos; à introdução de fórmulas artificiais de alto custo e à aprendizagem da leitura dos rótulos dos produtos industrializados. Os resultados apontaram a necessidade de dedicar uma atenção não somente à criança com APLV, mas também aos seus cuidadores que, de acordo com os dados obtidos, enfrentam desafios e incertezas que merecem cuidado multiprofissional.

 

 


Palavras-chave


Alergia à proteína de vaca. Alimentação. Impactos. Cuidadores

Texto completo:

PDF

Referências


AZEVEDO, A. L. S. et al. Doenças crônicas e qualidade de vida na atenção primária à saúde. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v.29, n.9, p.1.774-1.782, set. 2013. Disponível em: . Acesso em 24 ago. 2017.

BRICKS, L. F.et al. Reações adversas aos alimentos na infância: intolerância e alergia alimentar – atualização. Pediatria, São Paulo, v. 16, n.4, p. 176-185, 1994. Disponível em: . Acesso em 07 jul. 2017.

CARDOSO, Ary Lopes. Manejo nutricional na alergia à proteína do leite de vaca. Pediatr. mod, v. 48, n. 11, 2012.Disponível em: . Acesso em 06set. 2017.

CASTRO, E. K.; PICCININI, C. A. Implicações da doença orgânica crônica na infância para as relações familiares: algumas questões teóricas. Psicologia: Reflexão e Crítica, v.15, n.3, p. 625-635, 2002.Disponível em: . Acesso em 30 ago. 2017.

CEZA, Marília Rosso; FERREIRA, Cristina Targa. Tolerância oral no tratamento da APLV. Pediatr. mod, v. 51, n. 10, 2015.Disponível em: . Acesso em 06set. 2017.

DIAS, Sara Gonçalves Sousa. A alergia alimentar e o impacto na criança e na familia. 2016. Dissertação de Mestrado. Disponível em: . Acesso em: 14 set. 2017.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

GOMES, Érika Campos et al.Alergia alimentar em crianças: implicações na vida familiar e no relacionamento fraterno. 2017.Disponível em: . Acesso em 27 out. 2017.

GUERRA, Thuany Coelho; BARRETO, Talita Kizzy Barbosa. Alergia alimentar ao leite de vaca em lactentes. In: Congresso Internacional de Atividade Física, Nutrição e Saúde. 2016.Disponível em: . Acesso em 11 ago. 2017.

LINHARES, Bruno Ferreira Rondon. Avaliação da qualidade de vida do responsável pela criança com Alergia à Proteína do Leite de Vaca (APLV). Dissertação de mestrado em Saúde da família. Universidade Estácio de Sá, 2015.Disponível em: . Acesso em 07 set. 2017.

MEDEIROS, Luana Búrigo. O fornecimento gratuito de leite com fórmula especial e o fenômeno da judicialização da saúde no Brasil. 2013.Disponível em: . Acesso em 18 jul. 2017.

MINAYO, M. C. de S. O desafio do conhecimento. São Paulo: Hucitec, 1993.

PICCININI, Cesar Augusto et al. Expectativas e sentimentos da gestante em relação ao seu bebê. Psicologia: teoria e pesquisa. Brasília. Vol. 20, n. 3 (set./dez. 2004), p. 223-232, 2004.Disponível em: . Acesso em 31 ago. 2017.

PINHEIRO, A. et al. A prevenção primária da alergia alimentar é possível?–Caso clínico. Revista Portuguesa de Imunoalergologia, p. 457-464, 2009.Disponível em: . Acesso em 28 set. 2017.

PINTO, Ana Sofia Lopes. O Impacto das Alergias Alimentares no dia-a-dia. 2013. Tese de Doutorado. [sn].Disponível em: . Acesso em 17 set. 2017.

RODRIGUES, Angélica; RODRIGUES, Míriam Carmo. Vida e sabor sem leite. 2011.Disponível em: . Acesso em 03 out. 2017.

SEKITA, Shigeru Ricardo. A alergia a proteína do leite de vaca e seu impacto no ganho de peso de um lactente: relato de caso. Revista Eletrônica Parlatorium Ano IV–Volume 9 (2) Julho-Dezembro de 2015, p. 56, 2015.Disponível em: . Acesso em 07 set. 2017.

SOLÉ, Dirceuet al.. Consenso brasileiro sobre alergia alimentar: 2007. Rev. Bras. Alerg. Imunopatol., v. 31, n. 2, 2007. Disponível em: . Acesso em 03 set. 2017.

SOLÉ, Dirceu et al. Guia prático de diagnóstico e tratamento da Alergia às Proteínas do Leite de Vaca mediada pela imunoglobulina E. Rev. bras. alerg. imunopatol.–Vol, v. 35, n. 6, 2012.Disponível em: . Acesso em 04 set. 2017.

SOUZA, Juliana Carneiro de et al. Acesso à alimentação especial no Brasil: política pública e direitos humanos. 2016.Disponível em: . Acesso em 07 set. 2017.

TEIXEIRA, Liliana Marlene Oliveira. Alergia às proteínas do leite de vaca: Monografia: Cows Milk Protein Allergy. 2010.Disponível em: . Acesso em 03 set. 2017.

VERÍSSIMO, Daniela Maria Maia. Um estudo sobre a ambivalência materna em mães de crianças com alergia à proteína do leite de vaca. 2009.Disponível em: . Acesso em 24 ago. 2017.

VISINTIN, Carlos Del Negro et al. Maternidade e sofrimento social estudo de mommy blogs. 2016.Disponível em: . Acesso em 13set. 2017.

YONAMINE, Glauce Hiromi et al. Percepção dos familiares de pacientes com alergia ao leite de vaca em relação ao tratamento. Journal of Human Growth and Development, v. 23, n. 1, p. 58-64, 2013.Disponível em: . Acesso em 29 ago. 2017.




DOI: https://doi.org/10.14295/idonline.v12i39.1024

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A Id on Line (ISSN: 1981-1179) é indexada nas seguintes bases de dados: