Doença de Alzheimer nas Mulheres: Prejuízos Pessoais e Luto Familiar

Melina Raabi Santos Fernandes, Maria do Socorro Teles de Melo, Thércia Lucena Grangeiro Maranhão, Fernanda Tesla Pereira Sampaio, Hermes Melo Teixeira Batista

Resumo


O artigo tem como tema: mulheres com doença de Alzheimer,prejuízos pessoais e luto familiar. O objetivo principal é verificar os prejuízos que a doença de Alzheimer traz para o cotidiano de uma mulher portadora e seus familiares;. A escolha do tema deu-se a partir do interesse em conhecer e compreender a realidade apresentada às mulheres acometidas pela doença de Alzheimer e seus familiares. A pesquisa é uma Revisão Literária, método de pesquisa que busca, analisar e descrever sobre determinado assunto em literaturas, englobando matérias escritos relevantes diante do tema. A doença de Alzheimer é uma demência degenerativa que acomete principalmente mulheres mais velhas, que ocasiona grandes mudanças para essa mulher portadora e seus familiares; dentre os vários sintomas manifestos nessa paciente, o mais comum são as falhas de memórias, o que traz grandes prejuízos a paciente, família e os cuidadores.

 

 


Palavras-chave


Doença de Alzheimer. Limitações. Alterações. luto familiar. Perda de identidade

Texto completo:

PDF

Referências


AMBAN – PROGRAMA ANSIEDADE [Internet]. 1. Transtornos de ansiedade; 2. Manifestações Clínicas. [acesso em 20 de novembro de 2017]. Disponível em: http://www.amban.org.br/content/textos-educativos.

AMADO L; BERVIAN, PEDRO A. Pesquisa – conceitos e definições. In: Metodologia cientifica. São Paulo: Prentice Hall, 5ª Ed. 2003.

ANDRADE, B. A; et al. Promoção da saúde metal do idoso na atenção básica: as contribuições da terapia comunitária. 2010. Disponível em: . Acesso em 09 de Abril 2016.

ARAUJO, C. et al. Métodos de Investigação em Educação Docente: estudo de caso. 2008. Mestrado em Educação Área de Especialização em Tecnologia Educativa Unidade Curricular. Disponível em: . Acesso em: 18 maio 2016.

BARRETO, M.da S., CARREIRA, L., e MARCON, S.S. (2015, janeiro-março). Envelhecimento populacional e doenças crônicas: Reflexões sobre os desafios para o Sistema de Saúde Pública. Revista Kairós Gerontologia, 18(1), pp. 325-339. ISSN 1516-2567. ISSNe 2176-901X. São Paulo (SP), Brasil: FACHS/NEPE/PEPGG/PUC-SP

BIBLIOTECA Prof, Paulo de Carvalho Matos. 2005. Disponível em: . Acesso em 12 de novembro de 2016.

CID 10. Disponível em: .

CONCENTINO, J.M. B, e VIANA, T.C. A Velhice e a morte: reflexões sobre o processo de luto. Disponível em:

< http://www.scielo.br/pdf/rbgg/v14n3/v14n3a18>. Acessado em: 10 de novembro de 2016

FUENTES, Daniel, DINIZ, Leandro, Malloy, CAMARGO, Candida,Pires. Neuropsicologia: teoria e prática. Porto Alegre: Artmed

LITVOC, Júlio e BRITO, Francisco Carlos. Envelhecimento: prevenção e promoção de saúde. São Paulo: Editora Atheneu,2004.

IAN, Hamilton Stuart. A psicologiado Envelhecimento : uma introdução. Porto Alegre: Artmed, 2002.

NERI, Anita Liberalesso. Qualidade de vida na velhice. Campinas, SP: Editora Alíneas,2011.

BAUMAN, Zygmunt. Amor líquido: sobre a fragilidade dos laços humanos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar; Ed., 2004.

BEAUVOIR, S. Tradução de Maria Helena Franco Monteiro. Rio de Janeiro: Nova Fronteira,1990.

BORN.T. Cuidado ao idoso em instituição. In: NETTO, M. P. (Org) Gereontologia: A velhice e o envelhecimento em visão globalizada. São Paulo: Atheneu. 1996.

BRAMANTE, A. C. Qualidade de vida e lazer. Em Gonçalves, A. & Vilarta (Org). Qualidade de vida e atividade física: explorando teorias e práticas. Barueri, SP: Manole, 2004.

BRASIL, Senado Federal- Secretaria Especial de Editoração E. Estatuto do Idoso. 2000. Disponível em: www.livrosgratis.com.br/arquivoslivros/sf00012a.pdf>. Acesso em 10 de abril de 2016.

BRUGGER. F. M. M. Psicomotricidade de saúde mental na terceira idade. 2004. Disponível em:

CALDEIRA, A, P.S e RIBEIRO, R, C, H, M. O enfrentamento do cuidador de idoso com Alzheimer. 2004. Disponível em:< http://repositorio-racs.famerp.br/racs_ol/Vol-11-2/ac08%20-%20id%2027.pdf>.Acessado em 09 de novembro de 2016.

CÂNDIDO. G.V; COSENTINO. M.C; DARAHEM. G. C. O uso da história oral na Psicologia: percepção de experiências individuais. Disponível em: . Acesso em 10 de abril de 2016.

CAMARANO, A. A; KANSO. S. As instituições de longa permanência para idosos no Brasil. 2010. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/rbepop/v27n1/14.pdf>. Acesso em 10 de abril de 2016.

CAPITANINI, M. E. S & NERI, A. L. Sentimentos de solidão, bem-estar subjetivo e relações sociais em mulheres idosas vivendo sozinhas. Em Neri, A. L. & Yassuda, M. S. (Org.) Velhice bem sucedida: Aspectos afetivos e cognitivos. Campinas, SP: Papirus, 2004.

CHRISTOPHE. M. Instituições de Longa Permanência para Idosos no Brasil: uma opção de cuidados de longa duração? .2007. Disponível em:. Acesso em: 20 de abril 2016.

CORREA. M. R; JUSTO. J. S. Oficinas de psicologia: memória e experiência narrativa com idosos. 2010. Disponível em: < http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/eip/article/view/8666/7263>. Acesso em: 15 de maio 2016.

BRASIL. Estatuto do Idoso. Lei nº10.741, de 1ª de outubro de 2003. Brasília: Secretaria Especial dos Direitos Humanos, 2004, 44p. Brasília, 2008

BORN.T. Cuidar Melhor e Evitar a Violência Manual do Cuidador da Pessoa Idosa. 2008. . Disponível em:< http://www.sdh.gov.br/assuntos/pessoa idosa/legislacao/pdf/manual-do-cuidadora-da-pessoa-idosa>. Acesso em: 20 de abr. 2016.

DARAHEM.G.C et al. O uso da história oral na Psicologia: percepção de experiências individuais. 2014. Disponível em:< http://pepsic.bvsalud.org/pdf/epp/v14n3/v14n3a19.pdf>. Acesso em: 20 de abr. 2016.

ERIKSON, E. H - Teoria do desenvolvimento psicossocial, 7 ed. 2010. Disponível em:. Acesso em: 20 de abr. 2016.

FALCÃO,D.V.S – Doença de Alzheimer: um estudo sobre o papel das filhas cuidadoras e suas relações familiares.2006. Disponível em:.Acesso em: 08 de novembro de 2016.

FRAGOSO, V. Humanização dos cuidados a prestar ao idoso institucionalizado. RevistaI IGT na rede.Vol.5, n 8,p. 51-61, 2008. Disponível em: . Acessado: 15 maio 2016.

FILHO, L. F. B. O processo de envelhecimento e o comportamento vocal. Rio de Janeiro: 1999.

FREIRE, S. A. Educação permanente e qualidade de vida na velhice: meta e desafio na atualidade. Em 3 congresso Paulista de Geriatria e Gerontologia. Santos: SBGG. São Paulo. Santos, 2003.

FREITAS. M. C; QUEIROZ. A. T; SOUSA. J. A. V. O significado da velhice e da experiência de envelhecer para os idosos. 2009. Disponível em:. Acesso em: 20 de abril 2016.

FORTES-BURGOS, A.C.G.; NERI, A. L.; CUPERTINO, A.P.F.B. Eventos de vida estressantes entre idosos brasileiros residentes na comunidade. Estudo Psicol. 2009, 14 (1): 69-75. Disponível em: . Acesso em: 20 de abril 2016.

FORTES, A. C. G & NERI, A. L. Eventos de vida e envelhecimento humano. In: Neri, A. L.; YASSUDA, M. S. (Org.) Velhice bem sucedida: Aspectos afetivos e cognitivos. Campinas, SP: Papirus, 2004.

FROTA NAF, NITRINI R, DAMASCENO BP, Forlenza O, Dias-Tosta E, da Silva AB, et al. Critérios para o diagnóstico de doença de Alzheimer. Dement Neuropsychol 2011; 5 Suppl 1:5-10.

FUKS.B.B. Freud e a cultura.Editora Zahar. 1° Ed. 2007.

GERRIG, R. J; PHILIP G. Z. A psicologia e a vida. Trad. Roberto Cataldo Costa. 16 ed.- Porto Alegre: Artmed, 2005.

GODOY.A.S. Pesquisa qualitativa, tipos fundamentais. Revista de administração de empresa, São Paulo, p.20-29,1995. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/rae/v35n3/a04v35n3>. Acesso em: 22 de fevereiro 2016.

GOFFMAN, E. Goffman: Contribuições para a Sociologia da Saúde. Vol. 10. Rio de Janeiro. 2009. Disponível: . Acesso em 19 de abril 2016.

GONÇALVES, A. E VILARTA,R. Qualidade de vida e atividade física: explorando teoria e prática. Ed. Manole, 1 ed, São Paulo, 2004

INOUYE, K. E PEDRAZZANI, E. S. E PAVARINI, S. C.Influência da doença de Alzheimer na percepção de qualidade de vida do idoso. Disponível em: .Acessado em 08 de novembro de 2016.

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA. PNAD-2007 primeiras análises: demografia e gênero. Rio de Janeiro: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada; 2008. (Comunicados da Presidência, 11).

IRIGARAY. T. Q; SCHNEIDER. R. H. Prevalência de depressão em idosas participantes da universidade para a terceira idade. Revista Psiquiatra RS. 2007. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-81082007000100008 >. Acessado em 08 de abril2016.

LUZARDO,A.R., GORIM,M.I.P.C.,SILVA,A.P.S.S. Características de idosos com doença de Alzheimer e seus cuidadores: uma série de casos em um serviço de neurogeriatria. Disponível em: . Acessado em: 08 de novembro de 2016.

LUZARDO,A.R. E WALDMAN,B.F. Atenção ao familiar cuidador do idoso com doença de Alzheimer. Disponível em: .Acessado em: 08 de novembro de 2016

MAFRA, Simone Caldas Tavares. A tarefa do cuidar e as expectativas sociais diante de um envelhecimento demográfico: a importância de ressignificar o papel da família. 2011. Disponível em: . Acessado em 02 de Novembro de 2016.

MARIM. M.J.S et al. Compreendendo a História de Vida de idosos institucionalizados. 2012. Disponível em: . Acesso em: 11 de maio 2016.

MORAES EN. Incapacidade cognitiva: abordagem diagnóstica e terapêutica das demências no idoso. 2.ed. Belo Horizonte: Folium; 2010.

NERI, A. L. As múltiplas faces da velhice no Brasil. Campinas, SP: Papirus, 2003.

NERI, A. L. Qualidade de vida na velhice. Enfoque multidisciplinar. 2ª Ed. Campinas, SP: Editora Alínea, 2008

NERI, A. L. O que a Psicologia tem a oferecer ao estudo e à intervenção no campo do envelhecimento no Brasil, hoje. In: Neri, A. L.; YASSUDA, M. S. (Org.). Velhice bem-sucedida: Aspectos afetivos e cognitivos. Campinas, SP: Papirus, 2004.

NERI, A. L.; SOMMERHALDER. C. As várias faces do cuidado e do bem-estar do cuidador In: Neri, A. L. (Org.) Cuidar de idosos no contexto da família: questões psicológicas e sociais. Campinas, SP: Ed Alínea, 2002.

NOVELLI,M. M.P.C. Adaptação transcultural da escala de avaliação de qualidade de vida na doença de Alzheimer. 2003. Disponível em: . Acessado em 12 de novembro de 2016.

OLIVEIRA. S.A. A Importância das Relações Sócio-Familiares na Promoção da Qualidade de Vida do Idoso. 2009. Disponível em: . Acesso em 10 de maio 2016.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE (OMS). Relatório mundial da saúde. Saúde mental: nova concepção, nova esperança. Lisboa, 2001.

PAPILA,D,E e FELDMAN, R.D. Desenvolvimento Humano. Editora Artmed. 8° Ed.Rio Grande do Sul:2006.

PASCHOAL, S. M. C. Avaliação da qualidade de vida. Mesa redonda apresentada no XIV Congresso Nacional de Geriatria e Gerontologia. Salvador, Bahia: 2004.

PAVARINI, SCI. Dependência comportamental na velhice: uma análise do cuidado prestado ao idoso institucionalizado [Tese]. Campinas: Universidade Estadual de Campinas; 1996.

PARK, M. B. O ciclo da vida representado nas páginas dos almanaques de farmácia brasileira. In: Simson, O. R. M. V., & NERi, A. L.; CACHIONI, M., (2003). (Org.). As múltiplas faces da velhice no Brasil. Campinas, SP: Papirus, 2003.

PESKIND, Elaine R., RASKIND, Murray A. Transtornos cognitivos. In: BUSSE,Ewald W., BLAZER, Dan G. Psiquiatria geriátrica. Tradução Maria Rita Secco Hofmeister e Dayse Batista. 2 ed. Porto Alegre: Artmed, 1999. p. 223-243. Memória e envelhecimento: aspectos neuropsicológicos e estratégias preventivas. 2006. Disponível em:

Acesso em 02 de Novembro de 2016

RAMOS,L.R. Fatores determinantes do envelhecimento saudável em idosos residentes em centro urbano: Projeto Epidoso, São Paulo. Cad. Saúde Pública [online]. 2003, vol.19, n.3, pp.793-797.Disponível em:. Acessado em 15 de agosto de 2015.

RODRIGUEZ, j. L. & HERRERA, R. F. G. Demencias y enfermedad de Alzheimer en América Latina y el Caribe. Revista Cubana de Salut Pública. V.40, n.3, p.378-387, 2014

ROCHA. F. N; BARTHOLO. M. C. Educação e Qualidade de Vida de Idosos: Uma Reflexão Necessária, 2010. Disponível em:< http://www.uss.br/pages/revistas/revistamosaico/V1N22010/pdf/03%20Educacao%20e%20Qualidade%20de%20vida.pdf>. Acesso em: 10 de maio 2016.

ROCHA, S.V.; ALMEIDA, M.M.G. de. ARAUJO, T.M. de. VIRTUOSO JUNIOR, J.S. Prevalência de transtornos mentais comuns entre residentes em áreas urbanas de Feira de Santana, Bahia. Rev. Bras. Epidemiol. 2010: 13(4).

SADOCK.J e SADOCK. A. Psychiatry: Behavioral Sciences/Clinical Psychiatry. Disponível em: . Acessado em 20 de agosto de 2015.

SALVAREZZA L. Fausto MSV. A propósito de La construcción del imaginário social sobre La vejez. In: Salvarezza L. La vejez: uma mirada gerontológica actual. Buenos Aires: Paidós;2005.

SEIDL, E.M.F.; ZANNON, G.M.L.C. Qualidade de Vida e Saúde: aspectos teóricos e metodológicos. Cadernos de Saúde Pública. V. 20, n.2, p. 580-588, mar-abr/2004.

SENA, E,L.S,. A experiência do outro nas relações de cuidado: uma visão Merleau-Pontyana sobre as vivências de familiares cuidadores de pessoas com Doença de Alzheimer. 2006. Disponível em: . Acessado em 07 de novembro de 2015.

SILVA, M. A. D. e MARCHI, R. Saúde e qualidade de vida no trabalho. São Paulo: Best Weller, 1997.

SILVA, E. B. do N.; NERI, A. L. Questões geradas pela convivência com idosos: indicações para programas de suporte familiar. In: NERI, A. L. (Org.). Qualidade de vida e idade madura. 3. Ed. São Paulo: Papirus, 2000. P. 213-236.

SILVA, M.J.; VARELA, Z. M. O conceito de adaptação na terceira idade: uma aproximação teórica. Arquivos de Geriatria e Gerontologia, 3 (1), p. 25-29, 1999.

SILVA.V. Velhice e envelhecimento: qualidade de vida para os idosos inseridos nos projetos do sesc-estreito. 2009. Disponível em:< http://tcc.bu.ufsc.br/Ssocial287076.pdf.2009>. Acesso em 20 de abril 2016.

TEIXEIRA. F. O idoso e a família: os dois lados da mesma moeda. 2000. Disponível em:< http://www.partes.com.br/terceira_idade08.html>. Acessado em: 21 de abril 2016.

TESSER, C. D. Medicalização social (II): limites biomédicos e propostas para a clínica na atenção básica. Interface. v. 10, n. 20, p. 347-362. 2006. Disponível em:http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-32832006000200006&lng=en&nrm=iso&tlng=pt. Acesso em: 25 de abril 2016.

TINOCO, R. Histórias de vida: Um método qualitativa de investigação. 2004. Disponível em: . Acesso em: 25 de abril 2016.

TETTAMANZY. A.L.L; TORRES. S.M. Contação de histórias: resgate da memória e estimulo à imaginação. Porto Alegre – Vol. 04 N. 01 – jan/jun 2008. Disponível em: http://seer.ufrgs.br/index.php/NauLiteraria/article/view/5844/3448. Acesso em: 15 de maio 2016.

WATANABEI. H.A.W; GIOVANNIII. V. M. Instituições de Longa Permanência para Idosos (ILPI).Bis,Bl. Insti. Saúde (Impr), n.47. São Paulo.2009. Disponível em: . Acesso em 18/05/2016.




DOI: https://doi.org/10.14295/idonline.v12i39.1012

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 Melina Raabi Santos Fernandes, Maria do Socorro Teles de Melo, Thércia Lucena Grangeiro Maranhão, Fernanda Tesla Pereira Sampaio, Hermes Melo Teixeira Batista

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

A Id on Line (ISSN: 1981-1179) é indexada nas seguintes bases de dados: