Características de Personalidade das Mulheres Vítimas de Violência Doméstica

Marjane Bernardy Souza, Maria Fernanda Silva da Silva, Renata Nunes Tavares, Natasha Figueiró de Souza, Bruna Marcante Brana Rivas, Clíssia Natani Machado Costa, Joice Laine de Carvalho

Resumo


Objetivo: Identificar características de personalidade das mulheres vítimas de violência doméstica. Método: Pesquisa qualitativa, realizada no ano de 2015, no município de São Jerônimo, Rio Grande do Sul, Brasil. Participaram quatro mulheres que sofreram violência doméstica, com idades variando entre 27 e 45 anos, avaliadas através da técnica de Rorschach, de acordo com Vaz (1997/2014). Resultados: Os principais achados atestam que todas as participantes da pesquisa apresentam prejuízo na capacidade de adaptação e dificuldades nos relacionamentos interpessoais. A capacidade de suportar conflitos e tensões está prejudicada pelas condições intelectuais, que está relacionada à percepção da realidade e as habilidades intelectivas. Apresentam, de acordo com os dados, componentes compatíveis com alguns transtornos de personalidade relacionados a características depressivas, obsessivas, de ansiedade e identidade de gênero. Conclusão: Os resultados apontaram que a violência doméstica deixa marcas profundas no psiquismo da mulher.


Palavras-chave


Violência Doméstica; Características de Personalidade;Técnica de Rorschach

Texto completo:

PDF

Referências


AMERICAN PSYCHIATRIC ASSOCIATION. Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais: DSM V. (5ª Ed). Porto Alegre: Artmed, 2014.

BRUM, C.R.; Et. al. Violência Doméstica e Crenças: Intervenção com Profissionais da Atenção Primária à Saúde. Psicologia em Pesquisa, UFJF, V.7, n 2, pág 242-250,2013. Acesso dia 11 de maio de 2015. Disponível em: //www.ufjf.br/psicologiaempesquisa/files/2013/12/v7n2a11.pdf

Conselho Federal de Psicologia. Resolução CFP n° 005/2012. Define e regulamenta o uso, a elaboração e a comercialização de testes psicológicos e revoga a Resolução CFP n° 002/2003. Acesso dia 24 de abril de 2016. Brasília, DF: Conselho Federal de Psicologia, 2013.

CUNHA, A. C; QUEIROZ, L. M. C. A violência doméstica nos tribunais: análise das questões de gênero presentes nas sentenças judiciais, 2014. Acesso em 28 de abril, 2016. Disponível em: http://www.uel.br/eventos/gpp/pages/arquivos/GT3_Ana%20Cl%C3%A9o%20da%20Cunha%20Laurindo;%20Marisse%20Costa%20de%20Queiroz.pdf

FONSECA, D. H. da; RIBEIRO, C. G.; Leal, N. S. B. Violência Doméstica contra a mulher: Realidades e Representações Sociais. Psicologia & Sociedade, João Pessoa, 2012. 24, p. 307-314. Acesso dia 10 de outubro de 2015. Disponível em: www.scielo.br/pdf/psoc/v24n2/07.pdf

GONZAGAL, A. R.; Monteiro, J. K. Inteligência Emocional no Brasil: Um Panorama da Pesquisa Científica, 2011. Acesso dia 30 de abril de 2016. Disponível em: http://revista.seune.edu.br/index.php/op/article/viewFile/12/pdf_2

Abr-Jun 2011, Vol. 27 n. 2, pp. 225-232

GRIEBLER, C. N.; BORGES, J. L. Violência Contra a Mulher: Perfil dos Envolvidos em Boletins de Ocorrência da Lei Maria da Penha. Psico, Porto Alegre, 2013. 44, 215-225. Acesso dia 27 de outubro de 2015. Disponível em: http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/revistapsico/article/viewFile/11463/964

HEISE, L. L. "Violence against women: an integrated framework". Violence against women, v. 4, n. 1, 1998, p. 262-290. Disponível em: . Acesso em: 29 set. 2016. [ Links ]

BRASIL. Lei nº 11.340, de 07 de agosto de 2006. Dispõe sobre a criação dos juizados de violência doméstica e familiar contra a mulher; altera o Código de Processo Penal, o Código Penal e a Lei de Execução Penal; e dá outras providências. Brasília, 7 de agosto de 2006. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2006/lei/l11340.html. Acesso em 25 de outubro de 2015.

McCloskey. L. A. The Effects of Gender-based Violence on Women's Unwanted Pregnancy and Abortion. Yale Journal of Biology and Medicine ;v. 89; n. 2; pág 153-9,2016. Estados Unidos. Acesso dia 23 de setembro de 2016. Disponível em: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4918882/?tool=pubmed

NASCIMENTO, R. S. G. F. do; RESENDE, A. C. O estudo da personalidade por meio do método de Rorschach (Sistema Compreensivo). Revista Especialize On-line IPOG. (8ª ed); 2014. Acesso dia 10 de setembro de 2015. Disponível em: file:///C:/Users/Windows%207/Downloads/o-estudo-da-personalidade-por-meio-do-metodo-de-rorschach-sistema-compreensivo-1883121.pdf

RORSCHACH, H. Psicodiagnóstico. São Paulo: Editora Mestre Jou. Say. Psychotherapy, 1967.

SÁ, S. D; Werlang, B. S. G. Personalidade de mulheres vítimas de violência doméstica: uma revisão sistemática da literatura. Contextos Clínicos, Porto Alegre, v.6, pág. 106-116, 2013. Acesso dia 22 de outubro de 2015. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/pdf/cclin/v6n2/v6n2a05.pdf

SÁ, S. D. Características Sociodemográficas e de Personalidade de Mulheres Vítimas de Violência Doméstica. Tese de Doutorado, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2011. Acesso em 04 de abril de 2016. Disponível em: http://tede2.pucrs.br/tede2/bitstream/tede/733/1/429854.pdf

SAMPAIO, R. O.; AQUINO, G. B. de. Perfil das mulheres vítimas de violência doméstica de uma cidade do interior da Zona da Mata Mineira. Revista Científica da FAMINAS, v.9, pág115-131,2013. Acesso dia 11 de maio de 2015. Disponível em: file:///C:/Users/Windows%207/Downloads/cincias-humanas-e-sociais-aplicadas.pdf

SÁNCHEZ, G. A. Violencia de pareja y la responsabilidad del personal de salud. Med. leg. Costa Rica v.33, n.1 , 2016. Acesso dia 23 de setembro de 2016. Disponível em: http://www.scielo.sa.cr/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1409-00152016000100133

SANTOS, K. M. M. S. dos; Et al. A Violência Doméstica Contra a mulher por companheiro e a Lei Maria da Penha. Cadernos de Graduação Ciências Humanas e Sociais, UnitAracaju, v.1, pág 79-86, 2014. Acesso dia 10 de outubro de 2015. Disponível em: file:///C:/Users/Windows%207/Downloads/1259-4532-1-PB.pdf

BRASIL. Secretaria de Segurança Pública do Estado do Rio Grande do Sul. Observatório de Violência contra as Mulheres da Secretaria de Segurança Pública do Estado do Rio Grande do Sul. Relatório Lilás. Rio Grande do Sul, RS: Secretaria de Segurança Pública.

Secretaria de Segurança Pública do Estado do Rio Grande do Sul. Observatório de Violência contra as Mulheres da Secretaria de Segurança Pública do Estado do Rio Grande do Sul. Rio Grande do Sul, RS: Secretaria de Segurança Pública, 2015.

SOBRAL, O. J. – Inteligência Humana Concepções e Possibilidades. Revista Científica FacMais, Volume. III, Número 1. Ano 2013/1º Semestre. ISSN 2238-8427. Acesso em 13 de maio de 2016. Disponível em http://revistacientifica.facmais.com.br/wp-content/uploads/2013/05/3.

TONIETTO, L.; Et. al. Interfaces entre funções executivas, linguagem e intencionalidade. Acesso dia 29 de abril de 2016. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/paideia/v21n49/12.pdf , Vol. 21, No. 49, 247, 2011.

VAZ. C. E. O Rorschach: Teoria e Desenvolvimento. (3 ed). São Paulo: Manole Ltda, 1997.

VAZ. C. E. O Rorschach: teoria e desempenho II: sistema Klopfer. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2014.

WHITBOURNE, S. Psicopatologia. Perspectiva clínicas dos transtornos psicológicos. (7ª ed). Porto Alegre: AMGH, 2015.

ZANCAN, N.; Wassermann, V.; Lima, G. Quadros de. A violência doméstica a partir do discurso de mulheres agredidas. Pensando Famílias, n.17, pág. 63-76, 2013 Acesso dia 09 de maio de 2015. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/pdf/penf/v17n1/v17n1a07.pdf

KLOPFER, B. Técnica del Psicodiagnostico del Rorschach: Método Proyectivo para el Diagnóstico de la Personalidad. Buenos Aires: Paidós, 1952.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. Prevenção da violência sexual e da violência pelo parceiro íntimo contra a mulher: ação e produção de evidência. Tradução: B&C Revisão de Textos Ltda – ME. Genebra: OMS; 2012. Disponível em: http://apps.who.int/iris/ bitstream/10665/44350/3/9789275716359_por.pdf. Acesso em 04/10/2016




DOI: https://doi.org/10.14295/idonline.v12i39.1003

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A Id on Line (ISSN: 1981-1179) é indexada nas seguintes bases de dados: