Análise do Conhecimento dos Agentes Comunitários de Saúde da Unidade de Saúde da Família de uma cidade do interior da Bahia sobre Hipertensão Arterial

Elenito Bitencorth Santos, Almir Santos Mares Filho, Mayline Alcântara Fernandes

Resumo


O aumento de óbitos relacionado direta ou indiretamente a Hipertensão Arterial vem caracterizando a população mundial como um problema relevante de saúde pública evidenciado dentro da modalidade das doenças não transmissíveis, onde 10-20% dos adultos são acometidos de tal enfermidade. Conceituada como síndrome hipertensiva, ela é diagnosticada através da aferição dos níveis pressóricos com base na força exercida nos vasos sanguíneos, a mesma, identificada pela contração cardíaca sistólica e diastólica elevadas. O presente trabalho tem como objetivo analisar o conhecimento dos Agentes Comunitários de Saúde sobre hipertensão arterial, por se tratar de profissionais que realizam diretamente um trabalho de mediação entre a comunidade e a Estratégia de Saúde da Família. Eles surgiram no Brasil como um instrumento útil para a redução alarmante dos indicadores de morbimortalidade, sendo capaz de mitigar os fatores de risco para a doença com ações e medidas preventivas informacionais. Como estratégia metodológica, optou-se por um estudo qualiquantitativo do tipo exploratório, o que permite um específico enfoque de uma dada realidade, realizado através de questionário com 15 Agentes Comunitários de Saúde pertencentes a Unidade de Saúde da Família de uma cidade do interior da Bahia em janeiro de 2012. O estudo permitiu identificar que apesar de 100% dos Agentes Comunitários de Saúde já terem participado de alguma capacitação sobre Hipertensão e se considerarem aptos a passar informações à comunidade, identificou-se algumas dificuldades destes trabalhadores referente à patologia, tornando-se uma situação estarrecedora, apesar de ser considerados como parte fundamental e reorganizadora da atenção básica, podendo atuar em diversos contextos da promoção à saúde e minimização dos agravos.

 

Palavras-chave: Agente Comunitário de Saúde. Hipertensão Arterial Sistêmica. Comunidade.


Texto completo:

PDF

Referências


BACHILLI, R. G.; SCAVASSA, A. J.; SPIRI, W. C. A identidade do agente comunitário de saúde: uma abordagem fenomenológica. Ciênc. saúde coletiva [online]. 2008, vol.13, n.1.

BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Agente Comunitário de Saúde. Portal Saúde. Disponível em: . Acesso em 13 jan. 2012, às 18:30h.

__________. Departamento de Atenção Básica. Guia Prático do Programa Saúde da Família. Ministério da Saúde, 2001.

___________. Plano de reorganização da atenção à hipertensão arterial e ao diabetes mellitus: hipertensão e diabetes mellitus, Secretária de Políticas de Saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2001.

___________. Secretária de atenção à saúde. Departamento de Atenção Básica. O trabalho do agente comunitário de saúde. Série F. comunicação e educação em saúde. Brasília. Ministério da Saúde, 2009.

___________. Secretaria Executiva. Programa Agentes Comunitários de Saúde (PACS). Ministério da Saúde, 2001.

Dados das aposentadorias. Disponível em Acesso em: 23 jan. 2012, às 14:40h.

DUARTE, L. R.; SILVA, D. S. J. R.; CARDOSO, S. H. Construindo um Programa de Educação com Agentes Comunitários de Saúde. Interface – Comunic, Saúde, Educ. [online]. 2007, vol.11, n.23. Disponível em: . Acesso em: 13 fev. 2012, às 19:15h.

Indicadores do DATASUS. Disponível em Acesso em: 23 jan. 2012, às 13:20h.

FRAZÃO, P.; MARQUES, D. S. C. Influência de Agentes Comunitários de Saúde na Percepção de Mulheres e Mãe sobre Conhecimentos de Saúde Bucal. Ciência – Saúde Coletiva, v. 11, n. 1, 2006.

HAJJAR, I.; KOTCHEN, T. A. Trends in prevalence, awareness, treatment, and control of hypertension in the United States, 1988–2000. JAMA 2003 Jul 9.

LEVY, F. M.; MATOS, P. E. DE S.; TOMITA, N. E. Programa de Agentes Comunitários de Saúde: percepção de usuários e trabalhadores da saúde. Cad. Saúde Pública. Rio de Janeiro, v. 20, n. 1, jan-fev, 2004.

MARTINES, W. R. V.; CHAVES, E. C. Vulnerabilidade e Sofrimento no trabalho do Agente Comunitário de Saúde no Programa de Saúde da Família. Rev. Esc Enferm USP. São Paulo, v. 41, n. 3, 2007.

PORTO, C. C. Semiologia Médica. 5º edição. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2005.

SILVA, J. L. L.; SOUZA, S. L. de; Fatores de risco para hipertensão arterial sistêmica versus estilo de vida docente. Revista eletrônica de enfermagem, v. 06, n. 03, 2004. Disponível em: . Acesso em: 08 fev. 2012, às 16:00h.

SILVA JUNIOR, J. B; GOMES, F. B. C.; CEZÁRIO, A. C.; MOURA, L. Doenças e Agravos não Transmissíveis: Bases Epidemiológicas. In: ROUQUAYROL, M. Z., ALMEIDA FILHO, N. Epidemiologia & Saúde. 6 ed. Rio de Janeiro: MEDSI, 2003.

SOCIEDADE BRASILEIRA DE CARDIOLOGIA. V Diretrizes Brasileiras de Hipertensão. 2006.

SOCIEDADE BRASILEIRA DE HIPERTENSÃO. VI Diretrizes Brasileiras de Hipertensão. Ano 13, Vol. 13, Nº 1, 2010.




DOI: https://doi.org/10.14295/idonline.v12i39.1000

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A Id on Line (ISSN: 1981-1179) é indexada nas seguintes bases de dados: